The Winery Dogs: Funcionou pela química dos membros

Resenha - Winery Dogs - Winery Dogs

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Com aquela boa e velha fórmula básica do rock (guitarra/vocal, baixo, bateria; assumidos respectivamente por RICHIE KOTZEN, BILLY SHEEHAN e MIKE PORTNOY), o supergrupo THE WINERY DOGS lança em julho um álbum de estreia autointitulado com 13 faixas e influenciado por "LED ZEPPELIN, CREAM, JIMI HENDRIX, GRAND FUNK RAILROAD, SOUNDGARDEN, ALICE IN CHAINS, BLACK CROWES e LENNY KRAVITZ", segundo MIKE, que ajudou a fundar vários supergrupos depois de sair do DREAM THEATER. Uma mistura de elementos tão variados só poderia resultar em algo bem especial.

11 de Setembro: as tristes coincidências envolvendo Slayer e Dream TheaterKing Diamond: O que significa ser Satanista?

A primeira leva de músicas traz três faixas parecidas, duas das quais agraciadas com vídeos (também bem parecidos). Essa primeira parte é uma espécie de cartão de visita do grupo, e teve recepção positiva por parte dos fãs.

No decorrer da tracklist, The Winery Dogs começa a variar um pouco mais o clima das músicas. Baladas melódicas como "I'm no Angel" e "You Saved Me" misturam-se a grooves animados como "The Other Side" e "Not Hopeless" e mais faixas como as primeiras para garantir uma boa experiência auditiva.

Este supergrupo parece ter dado certo, mas não pela mistura de influências, e sim pela química dos membros. Vale lembrar que RICHIE e BILLY não são perfeitos desconhecidos. Já tocaram juntos em dois álbuns do MR. BIG. E a adição de MIKE PORTNOY a esta combinação não tinha por que dar errado. O baterista já tocou em tantos projetos diferentes (dos mais leves aos mais agressivos) que é difícil imaginar algo no rock/metal que não dê certo com ele. Falar de suas qualidades a esta altura é chover no molhado. E não custa lembrar que THE WINERY DOGS soa bem diferente de ADRENALINE MOB e FLYING COLORS, outros dois projetos recentes com a participação do baterista. Apesar de que a crueza do som e a formação econômica o deixa mais próximo do primeiro que do segundo.

Quanto à dupla nas cordas, de um lado, temos RICHIE e sua Fender Telecaster mandando riffs arranhados ou serenos, dependendo da música, mostrando toda a sua versatilidade. Se não se surpreender com o som, o fã vai certamente se surpreender ao descobrir que RICHIE dispensa palhetas na hora de tocar. É capaz de levar um show inteiro só com os dedos. Quando era vivo, MARCELO FROMER, dos TITAS, tentou fazer o mesmo uma vez e terminou com as mãos em carne viva, para se ter uma ideia de como a "gracinha" pode terminar mal. É curioso notar como em algumas passagens RICHIE soa como DAVE NAVARRO (JANE'S ADDICTION, ex-RED HOT CHILI PEPPERS).

Do outro lado, temos BILLY SHEEHAN, que não se limitou a acompanhar a guitarra. Na verdade, em alguns momentos, como em "Desire", ocorre o inverso, conforme RICHIE declarou ao Music Radar. Com riffs firmes e claramente audíveis, BILLY chega a assumir o papel de solista em alguns momentos, além de duelar com a guitarra. A combinação explosiva dos dois instrumentos remete ao som de RAGE AGAINST THE MACHINE em alguns momentos.

Logo de cara, o trio conseguiu criar um som próprio, que se identifica nos primeiros riffs. Destaque para "Desire", "I'm no Angel", "Not Hopeless" e o enceramento "Regret", com RICHIE ao piano.

A melhor característica de The Winery Dogs é a crueza do seu som. O álbum foi todo gravado "ao vivo", por meio de jams, economizando nos overdubs. Das 13 faixas, 11 foram escritas a seis mãos. Já arrancou e continuará arrancando elogios dos fãs. Resta torcer para que MIKE não deixe este projeto também, como deixou o ADRENALINE MOB.

Abaixo, o vídeo de "Desire":

Track-list:
1 - "Elevate"
2 - "Desire"
3 - "We Are One"
4 - "I'm No Angel"
5 - "The Other Side"
6 - "You Saved Me"
7 - "Not Hopeless"
8 - "One More Time"
9 - "Damaged"
10 - "Six Feet Deeper"
11 - "Criminal"
12 - "The Dying"
13 - "Regret")


Outras resenhas de Winery Dogs - Winery Dogs

nullnull




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "The Winery Dogs"Todas as matérias sobre "Mike Portnoy"Todas as matérias sobre "Dream Theater"Todas as matérias sobre "Adrenaline Mob"Todas as matérias sobre "Mr Big"


11 de Setembro: as tristes coincidências envolvendo Slayer e Dream TheaterHá 18 anos: Dream Theater lançava Live Scenes From New YorkLars Ulrich: e se ele tocasse em uma banda country?Dream Theater: em 1994, o Dream Theater cravava seu nome na cena

Solos de guitarra estendidos: os melhores feitos em shows ao vivoSolos de guitarra estendidos
Os melhores feitos em shows ao vivo

Dream Theater: banda lança vídeo animado de Barstool Warrior; assistaDream Theater
Banda lança vídeo animado de "Barstool Warrior"; assista

Dream Theater: banda confirma turnê no Brasil

Dream Theater: datas da turnê brasileira e início das vendasDream Theater
Datas da turnê brasileira e início das vendas

Dream Theater: banda vai executar Scenes From a Memory na íntegraDream Theater
Banda vai executar Scenes From a Memory na íntegra

Blend Guitar: os dez solos de guitarra mais fáceis da históriaBlend Guitar
Os dez solos de guitarra mais fáceis da história

Dream Theater: Jordan Rudess elege seus cinco álbuns preferidosDream Theater
Jordan Rudess elege seus cinco álbuns preferidos

Loudwire: Os 10 melhores álbuns de 1992Loudwire
Os 10 melhores álbuns de 1992


King Diamond: O que significa ser Satanista?King Diamond
O que significa ser Satanista?

Kurt Cobain: a teoria de assassinato do músicoKurt Cobain
A teoria de assassinato do músico

Heaven & Hell: mistérios e autocensura na capa de álbumHeaven & Hell
Mistérios e autocensura na capa de álbum

Galeria - Tatuagens em homenagem a artistas e bandas - Parte 1Bob Daisley: baixista dá detalhes de sua briga com OsbourneRamones: bandas de metal que já gravaram versões da bandaBilly Corgan: revelando seus álbuns favoritos de Metal

Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.