Rhapsody: a banda perdeu tempo em seu começo por não fazer shows

Resenha - Live - From Chaos To Eternity - Rhapsody

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar Correções  

publicidade

8


Lembro-me perfeitamente quando ouvi pela primeira vez o Rhapsody (quando a banda atendia somente por esse nome e como irei me referir nessa resenha). Foi com o debut "Legendary Tales" de 1997 que me surpreendeu positivamente pelo excesso de orquestrações e melodias muito bem encaixadas.

Logo perdi o encanto pela banda e me recordo muito bem que os discos que o sucederam fizeram um grande estrondo por parte do público, mas virava e mexia eram massacrados pela mídia especializada. A única coisa que não poderiam negar era o talento inegável de seus músicos, em especial o compositor e tecladista Alex Staropoli, o vocalista Fabio Lione (um dos melhores de todos os tempos no estilo) e do ex-guitarrista Lucca Turilli.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após a saída desse último e a adição do ‘Of Fire’ no nome, a banda italiana sofreu altos e baixos, mas danou a se apresentar ao vivo (coisa que não fazia no início de carreira) e passou por mais uma provação. Segundo disco ao vivo os caras, esse álbum duplo é algo que mostra uma banda completamente reformulada e dentro dos eixos novamente.

Talvez tenha sido a decisão mais acertada, já que o que podemos concluir em "Live – From Chaos To Eternity" é que a banda perdeu tempo em seu começo por não fazer shows. Com um repertório cheio de clássicos, o grupo demonstra energia e coesão (mesmo com os inevitáveis overdubs e samples).

O primeiro disco retrata mais a fase atual, da qual confesso acompanhei pouco, onde canções como From Chaos to Eternity, Triumph Or Agony, The Dark Secret e Land Of Immortals soam perfeitas com uma apresentação digna aliada a muito peso e coesão. Mérito de Alex, Fabio que está cantando cada vez melhor e mais variado, dos atuais guitarristas Roberto De Micheli e Tom Hess, e da cozinha formada por Oliver Holzwarth (baixo) e Alex Holzwarth (bateria).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No disco dois, os arranjos de Alex nos levam a uma viagem ao início de carreira do grupo com clássicos do naipe de Dawn Of Victory, The Village Of Dwarves, Holy Thunderforce e Emerald Sword. Simplesmente algo que irá tirar o fôlego de qualquer fã, pois até o meu se foi com essas execuções.

O peso das guitarras, que ficou devendo em alguns trabalhos em estúdio, os já citados arranjos, a cozinha ‘nervosa’ e muito técnica, além da interpretação incontestável de Lione, fazem com que esse disco seja o álbum ao vivo definitivo da banda, já que "Live in Canada 2005 - The Dark Secret" foi uma ‘encheção’ de linguiça. Algo pra colecionador.

http://www.rhapsodyoffire.com/
http://www.facebook.com/rhapsodyoffire

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Rhapsody: o Angra reabriu as portas do metal, diz Luca TurilliRhapsody
O Angra reabriu as portas do metal, diz Luca Turilli

Separados no nascimento: Alex Staropoli e Adrien BrodySeparados no nascimento
Alex Staropoli e Adrien Brody


Kiss FM: as 500 mais tocadas pela rádio em 2008Kiss FM
As 500 mais tocadas pela rádio em 2008

Deep Purple: a contestada entrevista na Globo em 2006Deep Purple
A contestada entrevista na Globo em 2006


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

WhiFin CliHo Cli336 Cli336 Cli336