Strokes: do rock de garagem ao bom pop dos anos 80

Resenha - Comedown Machine - Strokes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O amigo Ricardo Seelig, também crítico de música, ficou surpreso com a reação exacerbada de alguns jornalistas especializados e mesmo dos fãs de rock alternativo ao novo disco dos Strokes, que atende pelo nome de “Comedown Machine”. Segundo ele, os comentários beiram um comportamento xiita que, em outras ocasiões, seria atribuído apenas aos headbangers mais radicais em sua defesa ao heavy metal intocável e inabalável. Este que vos escreve, por outro lado, não se surpreendeu. Não foram raras as vezes em que vi indies e hipsters vociferando indignados contra esta ou aquela banda que resolveu experimentar e seguir um caminho sonoro diferente, por mais surreal que pareça. Entende-se, desta forma, a fúria tradicionalista contra “Comedown Machine”: apesar de ter reconhecíveis algumas das marcas registradas dos nova-iorquinos, o disco está longe da sonoridade crua dos álbuns que, há alguns anos, os colocaram no topo do hype do rock vintage. Esta quinta bolacha de inéditas dialoga diretamente com o bom pop dos anos 80, de bandas como Human League e A-Ha, gerando uma coleção de hits gostosos, divertidos e iluminados. Se você pensou em "Phrazes For The Young", o disco solo do vocalista Julian Casablancas, talvez tenha acertado na mosca.
5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 19895000 acessosSlayer: cronologia de Hanneman, da picada da aranha até a morte

Já é público e notório que o processo de gravação do disco anterior, “Angles” (2011), foi bastante tenso, com Casablancas se colocando em uma espécie de exílio e gravando todas as suas partes separadamente do restante da banda. Aqui, a sensação que fica é que eles estão se divertindo horrores. “Comedown Machine” é um disco de rock, não dá para negar, mas bem menos cinzento, menos urbano, menos empoeirado, menos Nova York. É mais espacial, atmosférico. Que a guitarrinha distorcida que abre “Tap Out” não engane ninguém: logo ela dá lugar a uma batida de gostinho eletrônico, dançante, enquanto Casablancas exercita um par de falsetes para colocar os agudos lá em cima. Pura pista de dança. Aliás, é preciso dizer que a polêmica indie em torno de “Comedown Machine” começou muito antes, quando vazou “One Way Tigger”, cujo tecladinho travestido de sintetizador tocando de fundo e as guitarras exageradas levaram a comparações imediatas com o tecnobrega paraense de nomes como Gaby Amarantos. Um tanto de exagero, já que o ouvinte mais atento vai perceber que o quinteto foi buscar inspiração, isso sim, na linguagem dos antigos videogames (Nintendo, oi?) e, especialmente, na sonoridade dos animes. Mas tanto faz: o que importa é que a canção é uma delícia. Tanto quanto, por exemplo, a soturna e atmosférica “Partners in Crime”, que traz o cantor arriscando em sua melhor faceta Justin Hawkins, o frontman do The Darkness.

Sejamos sinceros: se você estava em busca da guitarra ríspida, suja e acelerada do rock de garagem, aquela mesma que ouviu em “Is This It” anos atrás, canções como “All The Time”, “80s Comedown Machine” e “Chances” têm a dose certa para tentar te satisfazer, pisando em território mais conhecido. Mas servindo acertadamente a este novo conceito de banda com o qual os Strokes resolveram flertar, é preciso avisar. Na maior parte do tempo, “Comedown Machine” soa mesmo é como “Happy Ending”, outro ótimo momento oitentista que parece beber na fonte de nomes como aquele mesmo David Bowie que, este ano, resolveu sair da toca.

“Comedown Machine” é colorido e divertido, tanto para os ouvintes quanto para a banda – e é uma delícia quando isso fica assim tão claro, tão nítido, tão evidente no trabalho de um grupo. Talvez estejamos falando do disco dos Strokes que menos soa, digamos, Strokes até hoje (pelo menos se formos considerar os Strokes apenas como aquela banda dos primeiros álbuns). Pode se tratar de um susto para quem queria um novo “Is This It”. Mas é, de fato, uma grata surpresa para quem buscava boa música.

Line-up:
Julian Casablancas – Vocais
Albert Hammond Jr – Guitarra
Nick Valensi – Guitarra
Nickel Eye – Baixo
Fabrizio Moretti – Bateria

Tracklist:
Tap Out
All the Time
One Way Trigger
Welcome to Japan
80s Comedown Machine
50/50
Slow Animals
Partners in Crime
Chances
Happy Ending
Call It Fate, Call It Karma

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Comedown Machine - Strokes

1325 acessosStrokes: Comedown Machine é um dos mais consistentes da carreira

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 02 de abril de 2013

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Strokes"

Iron MaidenIron Maiden
Algo em comum com Strokes, Pitty e Zé Ramalho?

11 de Setembro11 de Setembro
Saiba como o atentado às torres atingiu o Rock

Exportando metalExportando metal
Músicos brasileiros que atuam ou já atuaram em bandas gringas

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Strokes"

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1989

SlayerSlayer
Cronologia de Jeff, da picada da aranha até a morte

PoeiraPoeira
A fúria de Ian Anderson pra cima do Led Zeppelin

5000 acessosRatos de Porão x Iron Maiden: resposta de Jão à entrevista de Bruce Dickinson5000 acessosPaixão nacional: o futebol e os roqueiros britânicos5000 acessosHeavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregos5000 acessosMamonas Assassinas: viúva do Piloto comenta vídeo de Feliciano5000 acessosSepultura: drum cam de Igor Cavalera tocando "Territory"5000 acessosIdioma: bandas que já cantaram em sua língua natal

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online