RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemSlash se sente feliz por não existir internet nos primórdios do Guns N' Roses

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemVocalista do Skid Row divulga cover matador de "Painkiller", do Judas Priest

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok


Bon Jovi: investindo no óbvio, no padrão, no genérico

Resenha - What About Now - Bon Jovi

Por Thiago El Cid Cardim
Postado em 12 de março de 2013

"E agora?", pergunta, em tradução livre, o título do novo álbum de estúdio do Bon Jovi, "What About Now". A pergunta, sintomática, parece levar crítica, fãs e a própria banda a refletir sobre o futuro. Para fazer este tipo de análise, é preciso ser coerente: perdoem-me se pareço repetitivo, queridos maníacos das antigas, mas é praticamente impossível que o grupo volte a soar hard rock como nos discos "Slippery When Wet" (1986) e "New Jersey" (1988). Esqueçam. O quarteto parece estar muito mais confortável em sua posição de ícone da música da inspiração muito mais pop – e, sejamos sinceros, eles até que vinham desempenhando este papel de maneira bastante eficaz, com uma sortida coleção de hits empolgantes. Isso, é claro, antes dos pouco inspirados "Lost Highway" e "The Circle", seus mais recentes registros de inéditas e que não conseguiram funcionar nem como boas máquinas de hinos pop. Infelizmente, senhoras e senhores, "What About Now" se encaixa como sucessor claro desta sequência fracassada.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A bolacha abre com "Because We Can" – que, se não é sensacional como um todo, pelo menos tem um refrão empolgante, que funcionaria para sacudir a galera nos estádios que o Bon Jovi ainda costuma lotar. Vá lá. Mas o que vem depois é simplesmente decepcionante. A partir de "I'm With You", segue-se uma cansativa sucessão de canções medianas, um bando de baladas açucaradas que, nem de longe, conseguem o mesmo efeito de outras grandes baladas registradas na história do Bon Jovi. Um mínimo de animação pode ser sentido só depois da música de número 6, "That's What the Water Made Me". Mas, assim como sua correlata "Beautiful World", o que soa aos nossos ouvidos é um pop enfraquecido, pasteurizado, muito mais próximo de qualquer artista do Disney Channel do que da banda que, outrora, nos entregou "It’s My Life" – este sim, um hit pop de responsa, contagiante e envolvente como a boa música pop tem que ser. Nem mesmo uma incursão country como a de "What's Left of Me", mantendo o mergulho interiorano iniciado em "Lost Highway", consegue levantar o ouvinte, que chega a última canção, "The Fighter", quase bocejando.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"What About Now" é um disco achatado, padrão, que segue igualzinho, produzido praticamente no piloto automático, do início ao fim. Não tem auge, não tem ápice. Não tem aquele grande momento, não tem um grande destaque que possa ser pinçado e realçado. Não tem nada. Lá pelo meio da audição, o máximo de empolgação que eles conseguem atingir é com "Army of One", cuja letra do tipo autoajuda parece feita na medida certa para que a canção possa ser encaixada como música-tema das próximas Olimpíadas ou algo assim. Coloque a música para rolar, feche os olhos, e imagine um clipe de atletas das mais diferentes modalidades em momentos de superação. Vai funcionar que é uma beleza. Mas ainda é pouco, muito pouco.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A palavra mais certeira para descrever "What About Now", como um todo, é também a mais simples: chato. Total e absolutamente chato.

"E agora?", pergunta, em tradução livre, o título do novo álbum de estúdio do Bon Jovi, "What About Now". Este humilde escriba arrisca tentar responder: se continuar seguindo esta pegada, o futuro parece ser nebuloso. Este tipo de música pop, de um romantismo barato embalado por um som frouxo, sem força, tem dezenas de representantes no atual cenário musical, todos bem mais jovens. Se continuar investindo no óbvio, no padrão, no genérico, o máximo que Jon e sua turma vão conseguir é continuar encantando as agora jovens senhoras que os seguem com fidelidade cega, sempre aos gritos de "lindo!". E é melhor que se deem por satisfeitos.

Line-Up:
Jon Bon Jovi – Vocal
Richie Sambora – Guitarra
Hugh McDonald – Baixo
Tico Torres – Bateria
David Bryan – Teclado

Tracklist:
Because We Can
I'm With You
What About Now
Pictures of You
Amen
That's What the Water Made Me
What's Left of Me
Army of One
Thick as Thieves
Beautiful World
Room at the End of the World
The Fighter

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de What About Now - Bon Jovi

Resenha - What About Now - Bon Jovi

Resenha - What About Now - Bon Jovi

Resenha - What About Now - Bon Jovi

Resenha - What About Now - Bon Jovi

Resenha - What About Now - Bon Jovi

Resenha - What About Now - Bon Jovi

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Guns N Roses: Bon Jovi fez com Steven Tyler o que ele fez com Axl


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.
Mais matérias de Thiago El Cid Cardim.