Egypt: doom caracterizado por aspereza e sonoridade crua

Resenha - Become the Sun - Egypt

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O Egypt é uma banda norte-americana formada em 2003 na cidade de Fargo, no estado da Dakota do Norte. Os caras estrearam em 2005 com um EP auto-intitulado, deram uma parada, mudaram a formação e agora, dez anos depois, finalmente estão lançando o seu primeiro disco.
5000 acessosCapas de álbuns: as mais obscuras e marcantes da história5000 acessosCuriosidade: artistas que odeiam suas próprias músicas

Aaron Esterby (vocal e baixo), Neal Stein (guitarra) e Chad Heille (bateria) executam um doom que tem como característica a aspereza e a sonoridade crua. Não há maiores refinamentos na música do trio, apenas peso e agressividade traduzidos em riffs poderosos e arrastados. O vocal de Esterby beira o gutural, enquanto a parte instrumental leva o ouvinte através de paisagens áridas e sombrias.

De modo geral, percebe-se a óbvia influência de Black Sabbath, como não poderia deixar de ser, mas fica claro que os caras também curtem muito Pentagram e Saint Vitus. Até mesmo ecos de Motörhead podem ser identificados aqui e ali.

Sem maiores exercícios verbais para tentar definir a sonoridade do Egypt, pode-se classificar o trabalho do grupo com hard rock puro e simples, ou, se preferirem, o nosso tão amado “rock pauleira”, “sonzeira” e afins. Há energia e raiva flutuando sobre tudo, o que torna essa característica ainda mais forte.

Merece menção também a total ausência de overdubs, transmitindo a autenticidade e a intensidade de um show ao vivo em todas as faixas. Entre as músicas, destaques para “Matterhorn”, “Stalker”, o festival de riffs de “Hillside” e a competente e original releitura de “Black Night”, do Deep Purple.

O fato de algumas faixas se arrastarem além da conta torna o disco às vezes repetitivo, percepção até mesmo frequente em bandas do gênero e no próprio doom de modo geral, mas nada que comprometa o ótimo resultado final.

A estreia do Egypt é gratificante, e mostra que a banda tem potencial para contruir um belo futuro. Tomara que o próximo capítulo não demore tanto para ser lançado, e que o trio nos brinde logo com mais álbuns fortes com "Become the Sun".

Faixas:
1 Matterhorn
2 The Village is Silent
3 Orb of the Wizardking
4 Stalker
5 Hillside
6 Greenland
7 World Eater
8 Snakecharmer
9 Black Night
10 Elk River Fire

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 11 de março de 2013

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Egypt"

Capas de álbunsCapas de álbuns
As mais obscuras e marcantes da história

CuriosidadeCuriosidade
Artistas que odeiam suas próprias músicas

Zakk Wylde e Dave GrohlZakk Wylde e Dave Grohl
A treta por causa de canções para Ozzy

5000 acessosSlipknot: Qual é o significado e a tradução do nome da banda?5000 acessosHard Rock: as 100 maiores bandas do estilo segundo a VH15000 acessosAC/DC: setlist, fotos e vídeos do show arrasador com Axl Rose5000 acessosNirvana: Polícia de Seattle libera novas fotos do corpo de Cobain3846 acessosMetaleiro: popularizado no 1º RIR, termo continua polêmico4566 acessosSteven Adler: é difícil para ele ver o Frank Ferrer tocar suas músicas

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online