RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemLed Zeppelin e a bateria que ninguém acreditava que um ser humano conseguiria tocar

imagemJovens sem noção vandalizam o lugar da capa de estreia do Black Sabbath

imagemRegis Tadeu e os cinco grandes vocalistas que o mundo do Rock não dá valor

imagemArch Enemy e Behemoth tocarão no Brasil em novembro; confira datas e locais

imagemJô Soares comprou uma obra de arte do Rock por causa do Regis Tadeu

imagemLars Ulrich sobre "Fade to Black": Frequentemente sinto haver dois Metallicas

imagemO curto e grosso motivo pelo qual Zappa vetava que seus músicos usassem coisas químicas

imagemA curiosa ligação vocal entre Ney Matogrosso e Andre Matos, segundo Bruno Sutter

imagemFãs detonam produção do Knotfest após anúncio do Pantera

imagemJoão Gordo explica porque Anitta está fazendo o que as bandas de Rock deviam fazer

imagemDee Snider diz que faliu na década de 1990 e fingia ser outra pessoa

imagemA música do Metallica que James não queria apresentar aos outros integrantes

imagemO carinhoso jeito de Axl Rose se desculpar com sua equipe pelo seu jeito imprevisível

imagemFilme que conta a história de Dio será exibido nos cinemas em setembro

imagemAmy Lee surpreende ao escolher os melhores cantores (e cantoras) de todos os tempos


2022/07/09
2022/08/18

Unleashed: Death Metal consistente com uma pegada "voraz"

Resenha - Odalheim - Unleashed

Por Leonardo M. Brauna
Em 19/11/12

Nota: 8

Desde o surgimento do UNLEASHED com suas DT's e o primeiro álbum "Where no Life Drells" em 1991 os suecos vêm executando o seu "Death Metal" de maneira "devastadora" aos quatro cantos do mundo, mas muita coisa também mudou entre contratos e a chegada do guitarrista FREDRIK FOLKARE que desde "Hammer Battalion" (2008) vem assumindo a produção dos álbuns. "Odalheim" lançado em abril desse ano pela "Nuclear Blast" é o mais novo petardo dessa banda que ainda continua com os veteranos: JOHNNY HEDLUND (vocal, baixo), TOMAS MASGARD (guitarra base) e ANDERS SCHULTZ (bateria) além do produtor que também comanda os solos de guitarra.

Num contexto geral a banda se revela bem amadurecida, e em todas as onze faixas o que ouvimos é um "Death Metal" consistente com uma pegada "voraz" e muita criatividade nos solos. O Tema é o mesmo utilizado em seus anteriores. Cultura nórdica que aborda as batalhas de um povo vivido na era pré – cristã.

Na primeira faixa, "Fimbulwinter" o que mais chama atenção é a desenvoltura do baterista SCHULTZ em administrar com perfeição as partes cadenciadas com os Blast beats exigidos em alguns momentos. FOLKARE também mostra uma bela execução no solo que serve como "mediador" da violência musical;

A faixa título vem em seguida mostrando o potencial vocal de HEDLUND que oscila em notas menos graves e outras extremamente guturais acompanhadas de grande peso nas bases;

"White Christ" é outra faixa em que o solo surpreende, e sua pegada é algo que chama o ouvinte a bater cabeça até o final. "Matadora!";

A quarta faixa abre com uma áurea tranquila que antecede o momento da "pancada". "The Hour of Defeat" mostra a qualidade e o perfeito entrosamento dos músicos na execução que segura o seu ritmo até o término da "canção";

"Gathering the Battalions" nos leva em uma ponte que transporta as partes mais velozes às mais cadenciadas sem prejudicar a sonoridade;

Na faixa seis, "Vinland" outro destaque para a bateria com seu incessante trabalho de bumbos. Outro fator notável é que essa destruição toda fica entre partes de violão daquelas que se ouvem os dedos arrastando nas cordas. Belo contraste;

"Rise of the Maya Warriors" tem uma súbita entrada com uma apresentação de peso e riffs que já são marcas registradas da banda. O final também termina subitamente deixando-nos aquela vontade de voltar à faixa;

Seguindo o tema de "By Celtic and British Shores" a sua breve introdução com cordas reflete à cultura daquele povo, no entanto a "explosão musical" explora todos os sentidos da extremidade;

A nona "The Soil of Our Fathers" nos remete aos tempos de "Shadows in the Deep" com bases sólidas e imponentes. A execução do solo é "precisa" e o vocal dá continuidade as suas qualidades;

A entrada triunfal do vocal depois de uma singela introdução mais uma vez com dedilhados, pode até causar susto aos ouvidos mais sensíveis, pois "Germania" serve de referência para este álbum sendo a faixa mais veloz e pesada;

Em fim, o álbum chega ao final e traz a "mediana" "The Great Battle of Odalheim". É uma perfeita trilha para o "Death Metal", mas que não traz nenhuma surpresa, porém foi uma bela escolha para finalizar o trabalho.

Sem decepcionar os fãs o UNLEASHED consegue com este disco manter-se firme na cena. "Odalheim" é um ótimo trabalho, e firma mais uma vez a qualidade de FREDRIK FOLKARE como produtor, que não deixa de ser competente em seus solos longos e magistrais. Quanto a nós resta agradecer toda a dedicação desses suecos em respeitar o seu público.

Track List:

01 "Fimbulwinter" 4:11
20."Odalheim" 4:29
03."White Christ" 3:12
04."The Hour of Defeat" 3:10
05."Gathering the Battalions" 3:06
06."Vinland" 3:58
07."Rise of the Maya Warriors" 2:40
08."By Celtic and British Shores" 3:49
09."The Soil of Our Fathers" 4:55
10."Germania" 3:33
11."The Great Battle of Odalheim" 5:51

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

HailMetal.com: Os cinqüenta melhores álbuns de Death Metal

Power Metal: os dez álbuns essenciais do gênero

Andreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"


Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.

Mais matérias de Leonardo M. Brauna.