Metallica: mais odiado e incompreendido da banda

Resenha - Saint Anger - Metallica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Aluisio Maia
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Esse foi o álbum mais odiado e incompreendido do Metallica. Pode alguém gostar dele? Por que motivos? Descubra abaixo:
366 acessosMetallica: Cliff Burton VS Jason Newsted VS Robert Trujillo5000 acessosMegadeth: fã tem siricutico ao encontrar Mustaine; veja vídeo

Ok, ok, podem me chamar de louco, mas quero defender um ponto de vista defendido por poucos, quero realocar os pontos de vista preconceituosos que tenho visto ao longo de meus 20 anos como fã da melhor banda de metal do mundo. O fato é que Saint Anger retrata o verdadeiro espírito do Metallica. Como assim? Vou explicar.

Pelo que acredito, uma banda deve representar o que ela realmente é, deve ter culhões para seguir os seus preceitos e imprimir autenticidade a quem quer que seja. Seguindo essa razão, indubitavelmente, o Metallica à época de Saint Anger era puro, sublime e verdadeiro, diante de todos os fatos que ocorreram naquele tempo.

Os sentimentos de indefinição, insegurança, o medo, os sentimentos de ódio mútuo, o remorso pelo anos de sacanagens feitas contra o competente Jason Newsted e a redenção da volta de James Hetfield após o seu tratamento contra o alcoolismo, eclodiram naquele trabalho instigante, que se insurgiu numa espécie de osmose auto-criativa independente de razões externas ou influências puramente comerciais. Realmente um monstro foi criado, alimentado e libertado, aterrorizando mentes pueris e desafiando o senso comum, como uma boa banda de metal sabe fazer.

Nunca antes o Metallica foi tão democrático em suas criações, retratando exatamente o sentimento coletivo. Assistam ao filme "Some Kind of Monster" e percebam que realmente os membros finalmente ficaram nus diante das nossas vagas pretensões ou aspirações que tínhamos em relação à banda. Vimos numa vitrine, estupefatos, a fragilidade, as imperfeições, os aspectos sociológicos e a graça desmistificada da humanidade misturados naquele ambiente claustrofóbico, típico de quando enfrentamos nossos demônios de todos os dias.

Como resultado, o som, ou melhor, o grito gutural da banda surgiu como uma verve rasgando o ventre frágil de nossos medos e dissimulações. E nisso eles foram simplesmente perfeitos. A ausência de solos ou o som metalizado da bateria de Lars definiram aquele conceito quase que de vanguarda. Com toda a certeza, foi um álbum além de nossa compreensão limitada e preconceituosa. Isso faz lembrar-me do álbum acústico do Led Zeppelin ("Led Zepellin III"). Em 1970, um dos precursores do metal pesado se recolheram numa casa de campo no País de Gales e a despeito das críticas negativas, criaram uma obra prima que "representou um amadurecimento da música da banda",segundo o Wikipedia. Do mesmo modo,o Metallica olhou a si mesmo e venceu os seus próprios limites, foram para um local com o sugestivo nome de "Presidio of San Francisco" dando as mãos ao grande monstro que criaram ao longo dos anos e glorificaram o "Santo Ódio".

Tenho esse álbum, admiro esse álbum e vejo nele um marco zero de uma nova era do Metallica. Esse álbum representa o sacrifício e o renascimento, o corte na própria carne e a sua cauterização imediada.

Dessa forma, não podia ser diferente. Aliás, tinha que ser diferente. Diferente do que queremos ou projetamos, egoisticamente, para uma banda que amamos. Sempre me delicio com a voz vociferada de James e a bateria de Lars batendo como uma marreta em nosso juízo, incomodando e nos enchendo de sentimento e poder. O poder humano da adaptação.

Formação de Saint Anger:

James Hetfield (Vocais e Guitarra)
Kirk Hammet (Guitarra)
Bob Rock/Rob Trujillo(Baixo)
Lars Ulrich (Bateria)

Track List:

1- Frantic
2- St. Anger
3- Some Kind of Monster
4- Dirty Window
5- Invisible Kid
6- My World
7- Shoot Me Again
8- Sweet Amber
9- The Unnamed Feeling
10- Purify
11- All Within My Hands

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 22 de outubro de 2012
Post de 27 de outubro de 2012

MetallicaMetallica
A música preferida dos fãs nos shows ao vivo

366 acessosMetallica: Cliff Burton VS Jason Newsted VS Robert Trujillo273 acessosMetallica: mais vídeos oficiais ao vivo, jovem fã sobe ao palco292 acessosMeshuggah: e se "Bleed" tivesse a bateria de "St. Anger"?379 acessosMetallica: vídeo profissional de "Creeping Death" em Miami0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

Heavy MetalHeavy Metal
Os maiores álbuns da história para os gregos

MetallicaMetallica
Rick Rubin explica como fez banda voltar as raízes thrash

James HetfieldJames Hetfield
Em vídeo, as mudanças de 1980 até hoje

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"

MegadethMegadeth
Fã tem siricutico ao encontrar Mustaine; veja vídeo

Thin LizzyThin Lizzy
"Whiskey in the Jar" já era cantada há centenas de anos

No alto do casteloNo alto do castelo
As diferenças entre os diferentes estilos de rock e metal

5000 acessosRatos de Porão x Iron Maiden: resposta de Jão à entrevista de Bruce Dickinson5000 acessosPaixão nacional: o futebol e os roqueiros britânicos5000 acessosHeavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregos5000 acessosRoger: "Qualquer esquerda, não só a brasileira, é uma merda"5000 acessosIron Maiden: os 10 melhores clipes da história da banda5000 acessosSlayer: Marcelo Vasco fala da emoção de assinar capa do disco

Sobre Aluisio Maia

Aluisio Maia nasceu em 11 de setembro de 1979, é professor de inglês e um eterno inconformado. Frequentemente costuma escrever sobre o Metallica, a sua banda do coração. Possui um senso crítico elevado, geralmente provocando opniões diversas e adversas, vício que lhe causa extrema satisfação. E o mais grave é que ele não quer ser reabilitado...

Mais matérias de Aluisio Maia no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online