Orrör: Um Grindcore primoroso feito por quem sabe

Resenha - Monstro Brasilis - Orrör

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar Correções  

publicidade

9


Enfim, chega em nossas mãos a versão física do tão aclamado EP "Monstro Brasilis" da agora one-man-band Orrör, capitaneada por Pelizzetti que toma conta de todo barulho aqui. Antes, havíamos resenhado a prévia do trabalho, em versão virtual e que já chamava atenção pelo Grindcore apresentado.

Axl Rose: a primeira ficha policial aos 18 anos

Slayer: Tom Araya revela seus ídolos do baixo

Vamos dizer que este trabalho conta com uma produção lapidada, feito pelo ex-parceiro de banda Perazzo e co-produzido por Pelizzetti, no Hanoi Studios. Além disso, uma bela arte gráfica, a cargo de Raphael Gabrio embala o disquinho, onde ainda temos o luxo de contar com as ácidas letras traduzidas.

O conteúdo sonoro deste trabalho, como já foi dito em resenhas anteriores, é um Grindcore primoroso, feito por quem sabe o que está fazendo. Não basta ter conhecimento de causa, tem que saber praticar, e o Orrör se sai muito bem nisso. Com uma produção que foge aos padrões do estilo, ou seja, nítida e bem distribuída, a banda despeja um som sujo e limpo ao mesmo tempo (se é que me entendem).

Os riffs ora com influências de Hardcore, ora abafados dão um tom diferenciado às composições enquanto o baixo continua vibrante, dando ainda mais peso e densidade ao som. A bateria segue a velocidade da luz, dando o ritmo para que os vocais guturais possam despejar as letras de protesto.

Não posso deixar de citar as vinhetas que utilizam algumas verdadeiras pérolas citadas pelo saudoso Alborghetti (Luiz Carlos Alborghetti, jornalista policial falecido em 2009 que criou vários jargões, dentre eles o "Cadeia nele"). "Monstro Brasilis" possui 13 faixas que honram o Grindcore nacional. Vale a pena conferir.

http://www.myspace.com/orrorbrasil



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Axl Rose: a primeira ficha policial aos 18 anosAxl Rose
A primeira ficha policial aos 18 anos

Slayer: Tom Araya revela seus ídolos do baixoSlayer
Tom Araya revela seus ídolos do baixo


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin