Rainbow: O verdadeiro pai do Metal Melódico

Resenha - Rainbow - Rising

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Leandro Peroni
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Lançado em 1976, Rising é um álbum importantíssimo não só na história do próprio Rainbow, mas também do Heavy Metal em geral. Sempre esquecido pela maioria quando se fala em álbuns clássicos, esse pode ser considerado o verdadeiro marco zero do Melodic Metal. Todas as faixas foram compostas por uma das duplas mais sensacionais já existentes na música em geral: Ritchie Blackmore e Ronnie James Dio.
3425 acessosDeep Purple: Ritchie Blackmore toparia subir ao palco com a banda5000 acessosBlack Sabbath: O acidente que tirou as pontas dos dedos de Iommi

Vamos ao Track List:

1- Tarot Woman: Sua introdução marcante de teclado que desemboca em palhetadas faíscantes de Blackmore junto ao clássico riff de teclado que se transforma em um pequeno solo quando a bateria de Cozy Powell entra como um tanque de guerra desgovernado, dando o andamento acelerado da composição. Quando a voz de Dio aparece cantando os primeiros versos com seu timbre peculiar, rasgado e agudo, vemos que esta não era uma banda normal, nem para a época, nem para os dias de hoje. A ponte melódica que descamba no refrão furioso mostra que o Melodic Metal aparceu muito antes do que muitos pensam.

2- Run With the Wolf: Típico Rock N' Roll cadenciado de Blackmore que mais uma vez é dominado pelos drives característicos de Dio. O refrão melódico é mais uma prova concreta que o Rainbow foi definitivamente o criador do Melodic Metal.

3- Starstruck: Já começa com um riff furioso que acaba se tornando um Hard Rock cheio de melodia e com toques de Rock N' Roll clássico. Nesse ponto já se percebe que Dio é o destaque do álbum, já que suas interpretações cheias de alma não deixam pedra sobre pedra.

4- Do You Close Your Eyes: Se ouvido atentamente, o riff pesado e rápido quando é completado pelo grito discreto de Dio, mostra que Mob Rules, a faixa título do segundo álbum de Dio no Black Sabbath, nasceu no Rainbow, de uma forma mais Hard melódica e menos Rock N' Roll. A semelhança é impressionante, até mesmo o andamento se assemelha. As partes melódicas da ponte são uma marca desse álbum e nessa música não é diferente.

5- Stargazer: Agora sim, o ápice! A introdução marcante da bateria veloz e pesada de Cozy Powell que descamba em dos riffs mais clássicos de toda a história, cortesia de Mr. Blackmore que o escreveu no violoncelo, é uma das mais belas composições de todos os tempos. Quando Dio entra cantando os primeiros versos da mística letra... melhor nem falar muito. A ponte e o refrão ganham a força de um encorpado teclado que deixa a composição quase completa. E o que são as frases de bateria da segunda parte? Assim como da música inteira. O solo inspirado de Blackmore aparece discreto com toques orientais e eruditos que aso poucos vão ganhando uma velocidade impressionante que serviu de referência para ninguém mais, ninguém menos que Yngwie Malmsteen. A música volta a toda para sua aura mística e épica, embalada pela voz estridente de mestre Dio. Nesse ponto da música as orquetrações se apoderam da música, disputando com Dio quem governaria esse épico, já que o solo de violoncelo compete ferozmente com os gritos endiabrados de Dio e seus inesquecíveis 'Oh, Oh, Oh'. E assim vai até o Fade Out acabar com a festa. Agora façam o segunite: escutem Stargazer com muita atenção e logo depois coloquem para rodar a música "Eternity" do Stratovarius... viram como o Rainbow influenciou as bandas de melódico? Talvez a criadora também do Metal Sinfônico e do Metal Épico.

6- A Light in the Black: Essa é Metal Melódico na veia! A faixa que fecha o disco é rapida e melódica, e os vocais de Dio também estão mais agudos nessa faixa. Até os sons de cravo vinods dos teclados no solo foram copiados à exaustão por centenas de bandas de Metal Melódico. O solo de guitarra antão é puro Melodic/Power, começando com uma dobra com o teclado e descambando na velocidade característica de Blackmore para depois terminar com outra dobra e com gritos enfurecidos de Dio.

O início de uma nova vertente que só tomaria forma definitiva e moderna nos anos 90 com o surgimento de milhares de seguidores de Blackmore e Dio. O Helloween foi importante no desenvolvimento do gênero? Sim, mas o Iron Maiden também foi, só que antes de todos lá estava o Rainbow: o verdadeiro pai do Metal Melódico, Sinfônico e Épico.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Deep PurpleDeep Purple
Ritchie Blackmore toparia subir ao palco com a banda

1110 acessosRainbow: vídeos da performance da banda de Blackmore em Londres0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Rainbow"

Iron MaidenIron Maiden
Doogie White fala sobre audição para a banda

DioDio
Detonando Blackmore ao falar do Rainbow em antigas entrevistas

Black SabbathBlack Sabbath
A capa rejeitada que foi parar no disco do Rainbow

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Rainbow"

Black SabbathBlack Sabbath
O acidente que tirou as pontas dos dedos de Iommi

AngraAngra
A carta aberta de Edu Falaschi sobre a sua saída da banda

Batom, laquê...Batom, laquê...
Como formar uma banda de Hard Rock em 69 lições

5000 acessosFelipe Andreoli: "Se você quiser se arriscar a ligar para o ex-cantor do Angra..."5000 acessosA História Impopular dos Rolling Stones - Livro 2 - Mick Taylor5000 acessosSinceridade: e se as capas de discos dissessem a verdade?5000 acessosGuns N' Roses: comediante amigo dos caras diz que ajudou na reunião5000 acessosGuns N' Roses: Zakk Wylde conta como quase entrou na banda5000 acessosHard & Metal: dez músicas que soam melhor ao vivo

Sobre Leandro Peroni

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online