Black Pyramid: Dádiva para quem curte som pesadão e direto

Resenha - Black Pyramid II - Black Pyramid

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Esta banda de Massachusetts classifica o seu som como “psychedelic war metal”. Por mais estranho que esse rótulo possa parecer, ele expressa com exatidão a música do Black Pyramid. O som é um stoner repleto de melodias que remetem ao metal clássico, tudo embalado por um delicioso clima épico.
5000 acessosExcessos: como os rockstars gastam os seus milhões5000 acessosComo Conservar e Recuperar Cordas de Baixo

"Black Pyramid II", segundo álbum do grupo, é uma dádiva para quem curte um som pesadão e direto, sem maiores frescuras. O power trio formado por Darryl Shepard (vocal e guitarra), Gein (baixo) e Clay Nelly (bateria) lançou o seu primeiro disco, auto-intitulado, em 2009, e este segundo play em meados de 2011.

A influência de Black Sabbath é onipresente como não poderia deixar de ser, diga-se de passagem. Vocais agressivos e longas passagens instrumentais estão presentes em todas as músicas. A banda tem um talento inegável para compor linhas vocais grudentas, que carregam o ouvinte através de composições onde o peso e o groove dão as cartas. Baixo e guitarra trabalham como gêmeos siameses, enquanto o baterista desce a mão no melhor estilo do falecido John Bonham.

Há uma constância nas composições, com todas seguindo uma identidade bem definida, porém colocando algumas características únicas na mesa. “Endless Agony” e “Mercy's Bane” são pedradas feitas sob medida para bater cabeça. Já “Night Queen” tem uma longuíssima passagem instrumental com o poder de abrir novas dimensões. As longas “Dreams of the Dead” (mais de 12 minutos) e “Into the Dawn” (quase 16) são tours de force com trechos bastante psicodélicos, que dão um clima muito viajante para o play. E, no meio disso tudo, ao grupo ainda nos brinda com a linda instrumental “Tanelorn”, prima das composições acústicas de Jimmy Page.

É gratificante encontrar novos grupos, com talento e competência de sobra, gravando grandes discos logo no início de suas carreiras. Isso só demonstra o quão forte está a cena atual da música pesada, com dezenas de ótimas novas bandas pintando. O Black Pyramid é um destes excelentes novos nomes, e tem qualidade de sobra não apenas para conquistar novos fãs, mas também para construir uma trajetória sólida ao longo dos anos.

Faixas:
Endless Agony
Mercy's Bane
Night Queen
Dreams of the Dead
Tanelorn
Sons of Chaos
Empty Handed Insurrection
The Hidden Kingdom
Into the Dawn

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Black Pyramid"

ExcessosExcessos
Como os rockstars gastam os seus milhões

BaixosBaixos
Como conservar e recuperar as cordas do instrumento

SkankSkank
Banda foi enganada ao participar de programa da Xuxa

5000 acessosEmos: 23 músicas que já estiveram na sua playlist5000 acessosDave Navarro: conheça a filha atriz pornô do músico5000 acessosAndreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"5000 acessosRolling Stone: os cem maiores álbuns de Metal de todos os tempos5000 acessosSlash: falando dos comentários de Simmons, que o "rock morreu"5000 acessosScott Weiland: Duff McKagan salvou vocalista em outra época

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online