Resenha - Feed 'Em With a Brick - Channel Zero

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pierre Cortes
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O mundo do Rock e do Metal traz inúmeras histórias e curiosidades sobre determinadas bandas que fazem parte deste cenário e, com certeza, o CHANNEL ZERO está inserido neste contexto. Vejamos a trajetória destes belgas.

Muito antes do Led Zeppelin: A origem da guitarra gêmeaSexo e Rock and Roll: músicas com conotação sexual

Formado em 1990, a banda lançou alguns trabalhos e excursionou junto a nomes famosos como OBITUARY, NAPALM DEATH, DANZIG e MEGADETH. O álbum Unsafe conquistou o disco de ouro na Bélgica com mais de 30 mil cópias vendidas. Um grande feito. Quando estavam no auge da fama, em 1997, o grupo decide então encerrar suas atividades alegando incompatibilidades musicais e pessoais. Uma grande perda para o mundo do Metal.

Após longos 13 anos, o CHANNEL ZERO decide então retomar suas atividades. Com uma pequena mudança na formação original, a banda se consolida e junto ao produtor Logan Mader, que já trabalhou com nomes como MACHINE HEAD e DEVIL DRIVER, gravam o álbum Feed 'Em With a Brick.

A obra é um verdadeiro presente aos amantes do Metal Pesado. Eles apostam em um Thrash Metal que valoriza mais o peso do que propriamente a velocidade, criando composições onde há a fusão da melodia com a agressividade e resultando num som que é bastante contemporâneo.

Tudo é muito bem feito, mas os destaques ficam por conta dos riffs consistentes e solos interessantes de Mikey Doling e da voz grave, potente e marcante de Franky DSVD, sem mencionar os refrãos que, em sua maioria, são contagiantes.

As músicas de maior impacto são: "Hot Summer", que abre o álbum de forma poderosa com uma batera pesada, riffs fortes e refrão de fácil assimilação; "Angels Blood" é repleta de peso e variações rítmicas; "Side Lines" começa toda dedilhada e a voz de Franky é suave até a porradaria se fazer presente; "Ocean" é uma espécie de balada e novamente as vozes se revezam com timbres suaves e outros mais intensos, encerrando assim a obra com chave de ouro.

Feed 'Em With a Brick é um trabalho cuidadoso, muito bem pensado e executado, que mostra que o CHANNEL ZERO retornou fazendo bonito e pronto para conquistar um lugar de destaque na cena metálica mundial. Confira.

Banda: Channel Zero
País de Origem: Bélgica
Título do álbum: Feed 'Em With a Brick
Ano: 2011
Estilo: Thrash Metal
Gravadora: RoadRunner Records

Line-up:

Franky DSVD - Vocal
Mikey Doling - Guitarra
Tino De Martino - Baixo
Phil B - Bateria

Faixas:

1. Hot Summer
2. Guns of Navarone
3. Electric Showdown
4. Freedom
5. In the City
6. Angels Blood
7. Side Lines
8. Hammerhead
9. Capitol Pigs
10. Ammunition
11. War is Hell
12. Ocean


Outras resenhas de Feed 'Em With a Brick - Channel Zero

Channel Zero: Thrash com profusão de grooves e melodiaChannel Zero: Thrash moderno, pesado e cadenciado




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Channel Zero"


Muito antes do Led Zeppelin: A origem da guitarra gêmeaMuito antes do Led Zeppelin
A origem da guitarra gêmea

Sexo e Rock and Roll: músicas com conotação sexualSexo e Rock and Roll
Músicas com conotação sexual

Iron Maiden: Perguntas e respostas e curiosidades diversasIron Maiden
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

AC/DC: as 10 melhores músicas da banda com Bon ScottHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1981Bruce Dickinson: participação de Mr.Bean em vídeo clipe em 1990Deep Purple: Ian Gillan só experimentou maconha aos 38 anos

Sobre Pierre Cortes

Pierre Cortes, paulistano, bacharelado em Publicidade e em Cinema, amante da fotografia e escrita, apreciador do Heavy Metal e todas as suas subdivisões desde o início dos anos 80, colaborador do Whiplash.Net desde 2011, Twitter - @pierrecortes.

Mais matérias de Pierre Cortes no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336