Mayan: Para quem busca novos sons para arejar suas idéias

Resenha - Quarterpast (Symphonic Death Metal Opera) - Mayan

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O Death Metal é, sem sombra de dúvidas, a vertente do Metal que mais permite experimentalismos, uma vez que cada vez mais surgem bandas boas com propostas bem diferentes umas das outras, com identidades robustas e bem formadas, e pelo visto, a coisa ainda vai longe, já que parece que a fonte de onde verte o estilo é inesgotável. Do Death/Black mais barulhento e experimental possível, até o Death Melódico, a enxurrada de boas bandas é imensa, mas infelizmente, tem por efeito colateral de não se poder dar atenção a cada uma delas como as mesmas bem merecem, isso quando muitas não são deixadas de lado. E uma dessas boas revelações é o sexteto alemão MAYAN, que chega com seu Debut CD, o ótimo ‘Quarterpast’.

5000 acessosHistória do Rock: dos primórdios aos anos 705000 acessosKiss: Vinnie Vincent é o maior filho da puta da história do rock?

Os rapazes apostam numa alquimia onde são colocados em fervura elementos de Prog Metal, mais doses generosas de Death Metal tradicional, alguns toques aqui e ali de Black Metal, mais participações de vocais femininos (cortesias de Simone Simons do EPICA, Laura Macrì e Amanda Somerville), e pronto: uma banda com persona própria surge, bem como um grande CD está criado. Só não se iludam, acreditando que a banda segue a linha do pessoal de Gotemburgo, pois a música do MAYAN é mais bruta, no que eles chamam de Symphonic Death Metal.

A produção sonora, feita por Sascha Paeth nos Excess Studios, em Roterdam, é bem límpida, sem que nenhum instrumento fique escondido ou acima dos outros, bem como deixa o som da banda completamente ‘in your face’, ou seja, o ouvinte de bons ouvidos poderá perceber cada nuance sonora com perfeição, e a visual segue o padrão sonoro, sendo de alta qualidade, bem esmerada.

Os destaques do CD são a ótima ‘Symphony of Agression’, que é bem agressiva e trabalhada, sem dar tempo ao ouvinte de respirar, enquanto os vocais se alternam entre o gutural à lá Glen Benton, e rasgados bem secos, para logo as variações progressivas surgirem aliadas a teclados muito bem postados, sem atrapalhar o andamento bruto da faixa, enriquecida pela participação de uma vocalista feminina em por momentos mais amenos; depois a bruta ‘Mainstray of Society (in the Eyes of the Law: Corruption)’, um pouco mais cadenciada, com os belos vocais femininos fazendo um belo dueto gutural-melodioso em seu refrão.

‘Course of Life’ é uma daquelas faixas onde se tem a impressão do que seria o DREAM THEATER da áurea época do ‘Images and Words’ se este fosse uma banda de Death Metal, ou seja, muita alternância de momentos e andamentos quebrados extremamente progressivos (sem perder os pés no chão), e mudanças de vocais limpos, rasgados, suaves (nas partes lentas) e guturais que abrilhantam a faixa; ‘The Savage Massacre (in the Eyes of the Law: Pizzo)’ é mais agressiva que as anteriores, com um trabalho da cozinha baixo-bateria digno de nota, mantendo assim o equilíbrio com melodia, para que esta não se perca, bem como ‘Bite the Bullet’, outra faixa bem forte na fusão agressividade-melodia que caracteriza a banda, com presença marcante de guturais extremos (apesar das mudanças características dos mesmos) e grandes guitarras; ‘Drown the Demon’ é uma faixa bem etérea (embora bruta), com guitarras mais Thrash aqui e ali.

E ‘War on Terror (in the Eyes of the Law: The Pentagon Papers)’, a melhor faixa de todo CD, onde a banda aposta suas fichas em uma faixa mais seca e bruta, com melodias menos evidentes que antes, enfocando, obviamente, a Guerra ao Terror promovida contra Afeganistão e Iraque após os Atentados Terroristas de 11 de Setembro de 2001, inclusive o que fica claro no vídeo da música.

Se no primeiro CD a banda já fez bonito assim, o que diremos quando lançarem o próximo... Este é um disco feito sob medida para você para quem não tem problemas e preconceitos com o Death Metal melódico, e mesmo para aqueles que estejam em busca de novos sons para arejar suas idéias.

Tracklist:

01. Symphony Of Aggression
02. Mainstay Of Society (In The Eyes Of The Law: Corruption)
03. Quarterpast
04. Course Of Life
05. The Savage Massacre (In The Eyes Of Law: Pizzo)
06. Essenza Di Te
07. Bite The Bullet
08. Drown The Demon
09. Celibate Aphrodite
10. War On Terror (In The Eyes Of The Law: Pentagon Papers)
11. Tithe

Formação:

Mark Jansen - Urros e gritos
Ariën Van Weesenbeek - Bateria, urros
Frank Schiphorst - Guitarras
Isaac Delahaye - Guitarras
Jack Driessen - Teclados, gritos
Jeroen Paul Thesseling – Baixo

Contatos:

http://www.mayanofficial.com
http://www.myspace.com/mayanofficial

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Mayan"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Mayan"


HistóriaHistória
A história do rock, dos primórdios aos anos 70

KissKiss
Vinnie Vincent é o maior filho da puta da história do rock?

UmmagummaUmmagumma
Desentendimentos e confusões... o que é rock progressivo?

5000 acessosSlayer: maluco encara furacão na Flórida ao som da banda5000 acessosKurt Cobain e Layne Staley: a coincidência de suas mortes5000 acessosAxl Rose: "Sobe na porra do palco ou você vai morrer!"5000 acessosLady Gaga: cantora reverencia Maiden e Ozzy em vídeo5000 acessosRoger Moreira: chamando Pitty de "imbecil" via rede social5000 acessosLista: as dez melhores músicas para se ouvir na estrada

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.