Tomada: Entre os melhores de 2011 em muitas listas

Resenha - O Inevitável - Tomada

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


É comum encontrarmos bandas fazendo um som calcado nos velhos tempos, mas não são muitas as que conseguem lançar um disco que não seja uma mera cópia do que foi feito pelos mestres do passado. E, neste sentido, o paulistano Tomada, na ativa desde 2000, fez que "O Inevitável" possuísse força suficiente para constar entre os melhores de 2011 na lista de várias pessoas ligadas ao jornalismo musical.

E, se os acertos de "Tudo Em Nome Do Rock & Roll" (03) e "Volts" (05) conquistaram o afeto daqueles que não abrem mão do velho Rock´n´Roll, este novo trabalho apresenta os novos guitarristas Lennon Fernandez e Marcião (dupla com solos inspiradíssimos!), o que parece ter ampliado consideravelmente as referências musicais do Tomada e, consequentemente, também ampliará sua base de admiradores.

publicidade

Em "O Inevitável", o Tomada continua flertando com o Rock'n'Roll swingado de nomes como Beatles, Rolling Stones, Mutantes, Casa das Máquinas, etc. Mas agora também encara numa boa elementos típicos da MPB e Jovem Guarda (a garotada pode perguntar para seus avós o que é isso, ok?), o que fez com que o resultado possua, aqui e acolá, uma ‘pegada brazuca’ e, porque não, um refinado brega que muitas bandas poderiam, compreensivelmente, temer em investir.

publicidade

Mas esse é um risco que o Tomada assumiu, soube relacionar tantas influências com coerência e se deu bem. Evolutivo em seu próprio direito, mas ainda assim regressivamente definido, "O Inevitável" possui um repertório muito diversificado e que soa bem diferente dos trabalhos anteriores, com letras muito, mas muito bem sacadas e canções marcantes como o rockaço "(Quero ter) uma música forte", a gostosa "Catarina" (e pelo jeito é gostosa mesmo!) e ainda a curiosa "O calor de abril", com a tal veia da Jovem Guarda marcando o ritmo. Mas, quer saber? Este escriba também não consegue abrir mão da energia de "Rock de Aventura"...

publicidade

E, além de a audição conquistar facilmente, a Pisces Records vestiu "O Inevitável" de forma elegante... Um digipak com imagens minimalistas em tons pastel e que também mergulha de vez no clima retrô ao distribuir, no verso da embalagem, as 12 canções em ‘lado A’ e ‘lado B’. Talvez a geração iPod também não tenha entendido isso, mas e daí? A convivência familiar sempre deve ser estimulada, então é só perguntar de novo para seus avôs!

publicidade

Contato: www.myspace.com/tomada

Formação:
Ricardo Alpendre - voz
Lennon Fernandez - guitarra
Marcião - guitarra
Marcelo Pepe Bueno - baixo
Alex Marcciano - bateria

Tomada – O Inevitável
(2011 / Pisces Records – nacional)

01. (Quero ter) uma música forte
02. Ela não tem medo
03. Catarina
04. Entro em órbita
05. Blá Blá Blá, Blá Blá Blá
06. À sombra do trem
07. Luzes
08. O calor de abril
09. 99 Centavos
10. DC-3
11. Rock de aventura
12. Hoje eu não tenho muito a dizer

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Raul Seixas: Perguntas e respostas e curiosidades diversasRaul Seixas
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Slipknot: Ozzy quis entrar pra banda segundo Corey TaylorSlipknot
Ozzy quis entrar pra banda segundo Corey Taylor


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin