Unearthly: Criativo, maléfico, pesado e afiadíssimo

Resenha - Flagellum Dei - Unearthly

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 9


Por mais que se tente não cair em elogios exagerados, alguns discos têm um impacto tão grande sobre o ouvinte que é impossível evitar tal artifício. "Flagellum Dei", novo álbum da banda carioca Unearthly, é um destes casos. Intenso, pesado, com um nível elevadíssimo de qualidade e profissionalismo, coloca o quarteto como, se não o principal, um dos mais interessantes nomes do atual black metal brasileiro.

Túmulos: alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUAOverkill: mandando recado ao Avenged Sevenfold

Gravado na Polônia, no Hertz Studios, mesmo local que viu nascer clássicos de bandas como Vader e Behemoth, "Flagellum Dei" traz o grupo formado por Felipe Eregion (vocal e guitarra), Vinnie Tyr (guitarra), M. Mictian (baixo) e Rafael Lobato (bateria) faminto para não apenas consolidar o seu lugar na cena extrema nacional, mas também preparado para alçar vôos ambiciosos pelo underground mundial.

Quarto álbum de inéditas do grupo, "Flagellum Dei" chama a atenção, de cara, pela produção primorosa. Os irmãos Wojtek e Slawek Wieslawscy fizeram um trabalho excelente, dando ao disco uma sonoridade com padrão internacional. Para efeito de comparação, e apenas isso, o timbre dos instrumentos lembra bastante o que o Behemoth fez em "Evangelion" (2009), não por acaso também produzido pelos irmãos Wieslawscy. Mas as semelhanças param por aí. Enquanto o som do Behemoth é temperado com elementos egípcios, o Unearthly soa mais tradicional, mas não menos potente. Há em "Flagellum Dei" uma interessante alquimia entre o black e o death metal, resultando em uma música sombria e animalesca. A produção cristalina apenas realça esse clima, tornando o som do quarteto ainda mais potente.

"7.62" inicia os trabalhos com um lindo dedilhado acústico que evolui para uma primorosa composição. "Osmotic Haeresis", com o ex-Morbid Angel Steven Tucker nos vocais, é outro destaque em um setlist nivelado por cima. Merece menção também a bela embalagem digipak, produzida com papel de alta qualidade, e o encarte com as letras e explicações sobre cada uma delas, tudo em um trabalho de primeira linha da Shinigami Records.

Concluindo, "Flagellum Dei" é um discaço, um dos melhores álbuns de metal extremo já produzidos aqui no Brasil. Criativo, maléfico, pesado e afiadíssimo, é uma prova inconteste de que existem grupos em nosso país que não devem nada - nada mesmo - à bandas internacionais similares, ao contrário do que pensam certos vocalistas chiliquentos do estagnado power metal.

Se a sua praia é o black metal, compre de olhos fechados!


Outras resenhas de Flagellum Dei - Unearthly

Unearthly: Os caras hoje são o Behemoth brasileiroUnearthly: "Baptized in Blood! I Matched to War!"Unearthly: Um marco no cenário extremo nacional (e mundial)Unearthly: "ouçam com calma, e entenderão o que digo..."




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Unearthly"


Metal Nacional: Confira bandas que se destacaram em 2015Metal Nacional
Confira bandas que se destacaram em 2015

Death Metal: mais cinco álbuns nacionais que você deve escutarDeath Metal
Mais cinco álbuns nacionais que você deve escutar


Túmulos: alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUATúmulos
Alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUA

Overkill: mandando recado ao Avenged SevenfoldOverkill
Mandando recado ao Avenged Sevenfold

Sasha Grey: sua real paixão pela música de atitude e sua coleção de vinilSasha Grey
Sua real paixão pela música de atitude e sua coleção de vinil

Helter Skelter: a música que Charles Manson roubou dos BeatlesHelter Skelter
A música que Charles Manson "roubou" dos Beatles

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1981Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1981

Roger Moreira: Jovem é de esquerda porque o pai sustentaRoger Moreira
"Jovem é de esquerda porque o pai sustenta"

Kiss: Rock and roll é um trabalho para otários!Kiss
"Rock and roll é um trabalho para otários!"


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336