Devil's Blood: Um trabalho cheio de liberdade e imaginação

Resenha - Thousandfold Epicentre - Devil's Blood

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar Correções  

publicidade

9


O Devil's Blood é um dos nomes mais interessantes do metal atual. A banda holandesa formada pelos irmãos Selim (guitarra, compositor e mente criativa por trás do grupo) e Farida Lemouchi (vocal, que atende pela alcunha de The Mouth of Satan) – o restante dos músicos, todos muito bons, são apenas coadjuvantes – conseguiu algo raro hoje em dia: criar uma sonoridade única, cheia de personalidade e pra lá de cativante.

Voz: 10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)Metallica: Trujillo e seus primos, membros de gangues

O som do Devil's Blood tem três grandes fontes de inspiração: a psicodelia dos anos 60, o hard rock setentista e o ocultismo do heavy metal da década de 80. Unindo esses três elementos com sabedoria, a banda deu à luz a um novo som. "The Thousandfold Epicentre", segundo trabalho do grupo, é um disco climático, às vezes esotérico, mas sempre com uma carga dramática intensa. Com composições excelentes, repletas de passagens acústicas e guitarras cheias de melodia, leva o ouvinte através de uma viagem espiritual através das sombras.

As letras exploram elementos do satanismo, cristianismo, hinduismo e filosofia gnóstica, convergendo em uma leitura bastante pessoal do culto a Satã. Esse aspecto é acentuado pelo impressionante visual da banda no palco, onde os músicos tocam cobertos de sangue e cercados por velas, crucifixos invertidos e coisas do gênero. A associação com outro fenômeno do metal atual, o Ghost, é inevitável, e as duas bandas, apesar de possuírem identidades próprias e bem definidas, estão mais próximas do que distantes.

Comparado à estreia "The Time of No Time Evermore" (2009), o novo disco soa um tanto diferente. Enquanto o debut impressionava principalmente pelas onipresentes melodias de guitarra que pareciam saídas de um disco perdido do Thin Lizzy, o novo álbum foca mais no psicodelismo. As melodias estão ali, mas como menos evidência. O forte de "The Thousandfold Epicentre" são as passagens mais atmosféricas, que ambientam a música do Devil's Blood em um terreno pouco explorado por outros grupos, e por isso mesmo tão especial.

Você que vive reclamando que não existem novas bandas interessantes no heavy metal, deixe a preguiça de lado e ouça o Devil's Blood. A banda é excelente, e seu segundo disco é um trabalho cheio de liberdade e imaginação.


Outras resenhas de Thousandfold Epicentre - Devil's Blood

Resenha - Thousandfold Epicentre - Devil's Blood



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Occult Rock: dez novas ótimas bandas para você conhecerOccult Rock
Dez novas ótimas bandas para você conhecer


Voz: 10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)Voz
10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)

Metallica: Trujillo e seus primos, membros de ganguesMetallica
Trujillo e seus primos, membros de gangues


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin