Resenha - Abduction - Bywar

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A banda Bywar, como muitos pensam, não faz parte do 'revival' da cena Thrash Metal que está em voga atualmente. Mesmo sendo um dos maiores representantes do estilo no país, os caras surgiram em uma época de 'vacas magras' do Thrash e, por que não, do Metal, na segunda metade dos anos 90.

Judas Priest: 10 fatos que comprovam que eles são Heavy MetalShow de Rock: as diferenças entre os anos 80 e 2010

"Abduction" é o quarto álbum da banda em 15 anos e vem depois de 3 splits. Isso fez com que o amadurecimento viesse e com uma formação sólida a banda registra de vez o seu nome na cena. Trata-se de um trabalho muito acima da média onde as raízes do estilo se encontram com a qualidade técnica da banda, fazendo com que tudo soe à beira da perfeição.

Depois de uma breve intro, "Poltergeist Time" se inicia rápida e direta com um tremendo trabalho instrumental e um refrão que já pega desde o início. A faixa título e seu clima épico se iniciam com belíssimos trabalhos de guitarras, bases e, principalmente, nos solos, com a cozinha dando o peso necessário a tudo. Uma faixa descomunal, com mais de sete minutos que você nem percebe de tão excelente que ela é.

"Another Crusade" se inicia com um solo acompanhado de um dedilhado que logo traz à mente as baladas Thrash dos anos 80. Portanto, logo descamba para uma rifferama de dar gosto e mais um trabalho de guitarras fenomenal. "Black Spirals Of Death" derrubará qualquer casa de show despreparada e tem uma mudança de andamento que pode quebrar costas de que estiver descuidado. Nesta faixa há riffs de tudo quanto jeito e mais incursão backing vocals nos refrãos, característica bem comum em todo o álbum.

"Consciously Dead" é mais uma viagem para os anos 80. Passagens interessantes e ótimos solos e melodia, além de uma ótima interpretação do guitarrista e vocalista Adriano Perfetto, fazem com que a faixa nos remeta a década citada, porém melhor lapidada. Aliás, completam a banda Hélio Petrizzi (baixo), Enrico Ozio (bateria) e Renan Roveram (guitarra).

Como se não bastasse somente o ótimo conteúdo sonoro, a capa ficou belíssima atendendo bem a proposta do trabalho. Definitivamente o melhor da carreira, um dos melhores do ano e com cara de clássico. Thrash 'Til Death!


Outras resenhas de Abduction - Bywar

ByWar: esbanjando competência em quarto discoBywar: Confira sem erro, você não irá se arrepender




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Bywar"


Thrash Metal: 20 bandas brasileiras de qualidade inquestionávelThrash Metal
20 bandas brasileiras de qualidade inquestionável


Judas Priest: 10 fatos que comprovam que eles são Heavy MetalJudas Priest
10 fatos que comprovam que eles são Heavy Metal

Show de Rock: as diferenças entre os anos 80 e 2010Show de Rock
As diferenças entre os anos 80 e 2010

Metallica: ouça Nothing Else Matters em escala maiorMetallica
Ouça "Nothing Else Matters" em escala maior

As novas caras do metal: + 40 bandas que você deve conhecerSlash: Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?Lzzy Hale: primeira vez com a Playboy foi ouvindo Metallica"Anselmo, o rei da mentira", diz namorada de Dime

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.