ByWar: esbanjando competência em quarto disco

Resenha - Abduction - ByWar

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Júlio Verdi, Fonte: Ready To Rockroll
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Muito tem se falado deste revival do thrash metal oitentista. Dezenas de bandas tem praticado aquela música direta e técnica, sem nada de efeitos ou melodias propositalmente sujas, como se pragmatizou chamar-se de New Metal. Mas o que muita gente se esquece é que, muitas bandas que hoje fazem trabalhos excelente tendo o thrash tradicional como referência estão na cena há muitos anos. Há mais de uma década.

Separados no nascimento: Steven Tyler e Márcia GoldsmichAC/DC: como Angus responde a um copo de cerveja atirado?

Como é o caso dos paulistas do ByWar, formado em 1996 em São Caetano do Sul/SP, que lançou recentemente seu 4º disco de estúdio (sem considerar splits e participações em coletâneas), o excelente "Abduction", de 2011.

Este último prima por apresentar ao ouvinte um thrash muito bem produzido, composto e elaborado em termos de melodia e harmonia. Sem se prender a um padrão (Bay Area, Germânico), o ByWar desfila um repertório variado, com agressividade e técnica nas medidas certas.

O disco, após a intro, entra com a veloz faixa-título, "Poltergeist Time", com vocais à la Kreator e ótimos backings. "Abduction" já é um tema mais cadenciado, começa bem sabbática pra depois acelerar. É a faixa mais longa, com seus 7:06 minutos. Licks e solos melódicos em profusão, esta uma característica marcante em todo o play. Riffs cavalgados marcam "Toward the Unreal", que, em alguns trechos lembram algo do Metallica de "Kill'em All".

Outras faixas que eu destacaria seriam "Handful of Evil", talvez a mais paulada do disco, "Black Spiral of Death", com a rifferama fervendo as 6 cordas, e "Consciostly Dead", que fecha o trabalho, com bela colocação dos solos e alternâncias com partes mais densas.

O time que gravou o CD conta com Enrico Ozio (Bateria), Hélio Patrizzi (Baixo), Adriano Perfetto (Guitarra - Vocal), Renan Roveran (Guitarra. Na co-produção teve Brendan Duffey, que já fez trabalhos com Black Crowes, Almah, Dr. Sin, dentre outros. Ambos banda e produtor fizeram um excelente trabalho, pois o som final do disco ficou nítido, limpo, onde se ouve com tranquilidade a ação de todos os instrumentistas.

"Abduction" é daqueles albuns agressivos e prazeirozos de se consumir. Não devendo nada a qualquer banda gringa desta nova geração de thrash. Mais uma força brasileira, trilhando o caminho profissional e sério de nosso metal.

Contatos:
http://www.myspace.com/bywar
http://www.bywarthrash.com
http://www.facebook.com/bywarthrashers


Outras resenhas de Abduction - ByWar

Bywar: Confira sem erro, você não irá se arrependerBywar: Um dos melhores do ano, e com cara de clássico




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Bywar"


Thrash Metal: 20 bandas brasileiras de qualidade inquestionávelThrash Metal
20 bandas brasileiras de qualidade inquestionável


Separados no nascimento: Steven Tyler e Márcia GoldsmichSeparados no nascimento
Steven Tyler e Márcia Goldsmich

AC/DC: como Angus responde a um copo de cerveja atirado?AC/DC
Como Angus responde a um copo de cerveja atirado?

Heavy Metal: as 10 capas mais de macho de todos os temposHeavy Metal
As 10 capas mais "de macho" de todos os tempos

Slipknot: Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saídaQueen: ouça a voz isolada de Freddie Mercury em clássicosPantera: qual a verdade sobre a imagem do Vulgar Display of Power?Metallica: após 15 anos, vídeo raro de Garage Inc vem à tona

Sobre Júlio Verdi

Júlio Verdi, 45 anos, consome rock desde 1981. Já manteve coluna de rock em jornal até 1996, com diversas entrevistas e resenhas. Mantém blogs sobre rock (Ready to Rock e Rock Opinion) e colabora com alguns sites. Em 2013 lançou o livro ¨A HISTÓRIA DO ROCK DE RIO PRETO¨, capa dura, 856 páginas, trazendo 50 de história do estilo na cidade de São José do Rio Preto/SP, com centenas de fotos, mais de 250 bandas, estúdios, bares, lojas, festivais e muitos outros eventos. Curte rock de todas as tendências, em especial heavy metal e thrash metal.

Mais matérias de Júlio Verdi no Whiplash.Net.