Chrome Division: Numa linha tênue entre Rock & Roll e Metal

Resenha - 3rd. Round Knockout - Chrome Division

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


De projeto do vocalista Shagrath (Dimmu Borgir, que aqui assume a função de guitarrista), o Chrome Division virou realidade e das boas. Além de Shagrath, o baixista Nagash (ex-Dimmu Borgir) passou pela banda como baterista e Tony White (ex-Old Man’s Child) é o atual batera, ou seja, músicos oriundos do Metal negro ajudaram e ajudam a consolidar o nome do grupo.

5000 acessosOzzy para Lemmy: nos veremos do outro lado5000 acessosDemonstrações de afeto: fotos de rockstars que já se beijaram, parte 1

Apesar de muito pesado, o som feito pelo Chrome Division foge dos padrões do Metal extremo, mas não por completo. A maior referência, sem sombras de dúvidas é o Motorhead, mas algo de Thrash aqui (em alguns riffs), um pouco de Sleaze/Hard Rock ali (nas melodias) e, claro, o Blues Rock, fazem com que o som soe pesado e acessível (mas nem tanto) ao mesmo tempo.
Comparando-se aos seus antecessores a diferença fica por conta dos vocais, já que Shady Blue (Susperia, ex-Vanaheim) substitui Eddie Guz, que gravou os dois primeiros álbuns. Os vocais de Shady são um pouco mais melódicos, portanto nada gritante e, ainda assim, muito agressivos.

O instrumental está um pouco mais melódico, com arranjos mais encorpados, mas nada que tire o clima canastrão e sacana típico das composições da banda. É só ouvir “Fight (Rumble ‘n’ Roll)” que possui até um solinho básico não característico e “Long Distance Call Girl” que tem belos solos e riffs, com boa levada e peso ímpar. A ênfase nos riffs de guitarra cai bem ao som, mas a cozinha dá um toque todo especial ao disco.

Os destaques definitivos do disco vão para a trinca seguida de “Join The Ride” que já começa com um coro ‘tipo’ festa e até possui passagens mais calmas, “Unholy Roller” e sua veia acdciana e “Zombies & Monsters” com uma bela pegada de cozinha e ótima melodia e refrão. Vale lembrar que tudo isso é regado a muito peso.

O disco não foge muito à regra do que foram seus antecessores, mas não soa pior nem melhor que os outros, pelo contrário, mantém a regularidade da banda. Podemos defini-lo como uma linha tênue entre o Rock and Roll e o Metal.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Chrome Division"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Chrome Division"


Ozzy para LemmyOzzy para Lemmy
Nos veremos do outro lado

Demonstrações de afetoDemonstrações de afeto
Fotos de rockstars que já se beijaram

Ultimate Classic RockUltimate Classic Rock
Os 100 maiores clássicos do rock

5000 acessosIron Maiden: Bruce Dickinson continua andando de metrô5000 acessosVocalistas: belíssimos timbres de alguns cantores de rock5000 acessosExemplos: 10 músicos com deficiências ou problemas de saúde4801 acessosIron Maiden: "Não sabemos como ser legais e não nos importamos"4137 acessosKiss: orgulho por estar na categoria de bandas clássicas1101 acessosAlém de lenhadores: as onze mais fabulosas barbas da música

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.