Chrome Division: Numa linha tênue entre Rock & Roll e Metal

Resenha - 3rd. Round Knockout - Chrome Division

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


De projeto do vocalista Shagrath (Dimmu Borgir, que aqui assume a função de guitarrista), o Chrome Division virou realidade e das boas. Além de Shagrath, o baixista Nagash (ex-Dimmu Borgir) passou pela banda como baterista e Tony White (ex-Old Man’s Child) é o atual batera, ou seja, músicos oriundos do Metal negro ajudaram e ajudam a consolidar o nome do grupo.
5000 acessosSlipknot: Corey explica as nojentas desvantagens das máscaras5000 acessosBizarre Magazine: Quão bizarro é... Ronnie James Dio

Apesar de muito pesado, o som feito pelo Chrome Division foge dos padrões do Metal extremo, mas não por completo. A maior referência, sem sombras de dúvidas é o Motorhead, mas algo de Thrash aqui (em alguns riffs), um pouco de Sleaze/Hard Rock ali (nas melodias) e, claro, o Blues Rock, fazem com que o som soe pesado e acessível (mas nem tanto) ao mesmo tempo.
Comparando-se aos seus antecessores a diferença fica por conta dos vocais, já que Shady Blue (Susperia, ex-Vanaheim) substitui Eddie Guz, que gravou os dois primeiros álbuns. Os vocais de Shady são um pouco mais melódicos, portanto nada gritante e, ainda assim, muito agressivos.

O instrumental está um pouco mais melódico, com arranjos mais encorpados, mas nada que tire o clima canastrão e sacana típico das composições da banda. É só ouvir “Fight (Rumble ‘n’ Roll)” que possui até um solinho básico não característico e “Long Distance Call Girl” que tem belos solos e riffs, com boa levada e peso ímpar. A ênfase nos riffs de guitarra cai bem ao som, mas a cozinha dá um toque todo especial ao disco.

Os destaques definitivos do disco vão para a trinca seguida de “Join The Ride” que já começa com um coro ‘tipo’ festa e até possui passagens mais calmas, “Unholy Roller” e sua veia acdciana e “Zombies & Monsters” com uma bela pegada de cozinha e ótima melodia e refrão. Vale lembrar que tudo isso é regado a muito peso.

O disco não foge muito à regra do que foram seus antecessores, mas não soa pior nem melhor que os outros, pelo contrário, mantém a regularidade da banda. Podemos defini-lo como uma linha tênue entre o Rock and Roll e o Metal.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Chrome Division"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Chrome Division"

SlipknotSlipknot
Corey explica desvantagens das máscaras

Bizarre MagazineBizarre Magazine
Quão bizarro é... Ronnie James Dio

Stoner RockStoner Rock
Um guia básico para o estilo

5000 acessosWest Ham: o time do coração de Steve Harris5000 acessosCinema: 60 filmes pra quem ama Rock e Metal5000 acessosMTV Unplugged: As 25 melhores apresentações da história5000 acessosHelloween: Roland Grapow contraria Kiske e diz que não foi convidado para reunião5000 acessosPrincesa Leia: rockers comentam morte de Carrie Fisher4844 acessosChris Cornell: "a melhor voz do rock", diz Alice Cooper

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online