Sepultura: "Kairos" é um bom disco. Sim, apenas bom.

Resenha - Kairos - Sepultura

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodolfo A. Germano
Enviar Correções  

8


Esqueçamos as circunstâncias. Esqueçamos as contemporizações. Falemos de Kairos, ok? A obra, pura e tão somente. Abstraída de qualquer concepção que não vise abordar apenas o assunto MÚSICA.

Eloy Casagrande: baterista conta como ele entrou no Sepultura (vídeo)

Motörhead: em 1995, Lemmy comenta versão do Sepultura

Nesses termos, temos aqui um bom disco. Sim, apenas bom. A faixa de abertura "Spectrum" traz logo de cara um riff simples, porém, potente, até "viajante" devido às repetições, e, pra mim, soou como "olha aqui, se estão esperando algo extraordinário, esqueçam, isso aqui é o que somos, é o mais sincero que podemos ser". Aí eles emendam a faixa-título "Kairos" e provam que, apesar de nada extraordinários, eles podem ser, sim, muito bons em sua sinceridade! Refrão matador! E a levada do final, contagiante.

"Relentless" é emendada embalada pela levada do final de "Kairos" e traz um DERRICK GREEN agressivo e um solo como há muito não se via o ANDREAS KISSER fazer. Nostálgica. A faixa "2011", pra mim, dispensável, deve representar algo pra eles, portanto, cada um com seu cada qual. Não conheço a original de "Just One Fix", mas é uma faixa legal, arrisco-me a dizer que deva ter sido uma boa versão.

"Dialog" e "Mask", são, pra mim, o ponto alto do disco. "Dialog" é o SEPULTURA em sua essência (ops, olha eu contemporizando), JEAN mostra, aqui, porquê é o baterista que teve a responsabilidade de substituir IGGOR. Grande pegada. Coisa que se repete em "Mask". E como. Que pancada ! Que peso! E a pegada mais thrash no arranjo final, incluindo o solo, só mostram o quão inspirados eles estavam.

Em "1433" atribuo a mesma abordagem de "2011". "Seethe" é matadora. Ponto. "Born Strong" tem uma introdução meio "insossa", mas quando os vocais de GREEN entram, a ordem se estabelece e o bicho pega. Apontamos pro final do play e a peteca não dá nem indício de que vai cair. "Embrace the Storm" mantém o pique e "5772" só me faz pensar em "que raios são esses números?" (alguém já sabe?).

"No One Will Stand" é pesadíssima e, pra mim, a melhor do disco. Favorita ! Que levada empolgante no final ! E o solo, outro cortante. "Structure Violence (Azzes)" é mais experimental, diferente, mas não deixa de ser interessante. Bem posicionada. "4648" nem ouvi (perdi algo?). As faixas bônus fico devendo, no momento. Quando minha edição Deluxe chegar, eu atualizo aqui no www.dorff.com.br. Sepa na veia!

The track list for Kairos is…
1. Spectrum
2. Kairos
3. Relentless
(2011)
4. Just One Fix (Ministry cover)
5. Dialog
6. Mask
(1433)
7. Seethe
8. Born Strong
9. Embrace The Storm
(5772)
10. No One Will Stand
11. Structure Violence (Azzes)
(4648)


Outras resenhas de Kairos - Sepultura

Sepultura: Em 2011, o regresso ao Thrash Metal

Sepultura: Kairos é o melhor álbum com Derrick Green

Sepultura: Vivendo seu momento oportuno em "Kairos"

Sepultura: Buscando referências no passado sem soar datado

Sepultura: Enfiando pé no acelerador, sem medo de ser felizSepultura
Enfiando pé no acelerador, sem medo de ser feliz

Sepultura: Evidenciando sobrevida para o ícone do thrash

Sepultura: Uma regressão, mas no melhor sentido possível

Sepultura: Retornando aos bons tempos da era death/thrashSepultura
Retornando aos bons tempos da era death/thrash

Sepultura: Definitivamente não é mais uma banda de thrashSepultura
Definitivamente não é mais uma banda de thrash


adWhipDin adWhipDin adWhipDin