Dead Fish: Mais uma resenha de banda emo no Whiplash?

Resenha - Contra Todos - Dead Fish

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Sérgio Fernandes
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Provavelmente muitos dos amigos leitores pensaram algo como: “ah não, mais uma review de banda emo no WHIPLASH?” ao verem que o último CD do Dead Fish era o objeto de análise dessa matéria. Os fãs da banda capixaba bem sabem que o som praticado por Rodrigo Lima (vocal), Philippe Fargnoli (guitarra), Alyand Miele (baixo) e Marcão (bateria) não tem muito a ver com o gênero musical citado acima. Agora, se você alguma vez na sua vida associou o nome do Dead Fish ao “emo”, bem, meu amigo, isso prova o que eu temia: que a maioria dos leitores aqui do site não tem o menor interesse em conhecer as músicas das bandas que tanto criticam...
5000 acessosIron Maiden: em 1985, show "secreto" com Adrian no vocal5000 acessosBlack Sabbath: os vocalistas misteriosos da banda

Bom, não sejamos tão radicais. Na verdade tanto a banda em questão quanto o gênero musical “emo” têm algo em comum: os dois foram influenciados pelo Hard Core dos anos 80. Pronto, as semelhanças acabam por aí. E não vou generalizar a ponto de dizer que TODOS os caros amigos leitores do WHIPLASH! não tem interesse em conhecerem o som de bandas de outros estilos musicais que não o metal. Logicamente, ninguém é obrigado a ouvir de tudo, mas um pouco de bom senso é sempre bem-vindo e ter o menor conhecimento que seja sobre o objeto de sua crítica é o mínimo para se criar um bom argumento... Enfim, vamos ao que interessa...

Em “Contra todos” (2009) o Dead Fish mostra mais uma vez o porquê de ser reverenciada como a maior banda do HC brasileiro ao lado do grande Ratos de Porão. Logo na primeira faixa do play, a rápida (em todos os sentidos) “Não” dá uma pista do que virá a seguir: velocidade, guitarras bem trabalhadas, cozinha pesada e precisa e vocais rasgados, nervosos, viscerais e melódicos (alguém ai pensou em Jorn Lande? Provavelmente não, né?...).

Durante todo o CD, a banda consegue viajar por várias vertentes do Hard Core, sem perder a sua identidade. É possível sentir ecos de Bad Religion na melódica “Contra Todos”, assim como se pode perceber a influência que as bandas mais antigas do gênero, como o Dead Kennedys e Black Flag, tiveram na construção do estilo do Dead Fish. Para comprovar isso, basta ouvir canções como “Shark Attack”, a já citada “Não” e “A dialética”.

Ainda assim, a banda não se mantém completamente presa a um só estilo e permite-se fazer alguns experimentos e viagens dentro do álbum (coisa que já haviam feito no trabalho anterior, “Um homem só” de 2006). Os mais exigentes, conservadores e cabeças-fechada, porém, não precisam se assustar: tudo é muito bem colocado dentro da proposta sonora que a banda sempre seguiu. Músicas como “Autonomia”, “Venceremos”, “Quente” e “Asfalto” sintetizam isso, pois mostram influências de estilos como stonner rock, metal e até mesmo rap sem perder a velocidade e a pegada características do Hard Core mais tradicional.

A produção do álbum ficou a cargo de Rafael Ramos (que já trabalha com a banda desde o CD “Zero e um” de 2004) e ajuda muito no resultado final: a atmosfera mais “seca” e orgânica do álbum “Um homem só” foi mantida, porém com uma pitada a mais de pegada, de forma a deixar o som mais cheio (o que é certa ironia, pois “Contra todos” é o primeiro álbum em que Philippe comanda – soberbamente, diga-se de passagem - todas as guitarras da banda sozinho, já que seu ex-parceiro nas seis cordas, o guitarrista Hóspede, saiu antes de começarem a compor material para o trabalho).

Vale lembrar que esse é o último (e melhor) registro de Nô, fundador e ex-baterista da banda. Além dele, Rodrigo também nos brinda com sua melhor performance em um CD do Dead Fish: com total controle da sua voz, o cara grita, berra, e consegue criar melodias firmes para interpretar as letras (todas de sua autoria) que falam de amor, esquerda e direita, metrópoles, a vida de uma banda independente na estrada, perseverança e ataques de tubarão em Olinda.

Se você gosta de peso, bateria veloz e precisa, baixo forte e marcante (casando com a bateria veloz...), linhas de guitarra bem trabalhadas e altamente criativas, vocal com pegada, sem exageros e melodia na medida certa, além de letras bem humoradas e de conteúdo, NÃO OUÇA DRAGONFORCE; ouça “Contra todos” do Dead Fish. Fica a dica ;-»

“Contra Todos” – Dead Fish
Ano: 2009

Track List:
1 – Não
2 – Autonomia
3 – Venceremos
4 – Quente
5 – Subprodutos
6 – Asfalto
7 – Contra todos
8 – Shark attack
9 - A dialética
10 – O melhor exemplo do que não seguir
11 – Descartáveis
12 – Tupumaru
13 – Armadilhas verbais
14 – Piada liberal

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dead Fish"

Dead FishDead Fish
A proposta mais indecente que a banda já recebeu

HumorHumor
O Quadradinho de Oito Hardcore no show do Dead Fish

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Dead Fish"

Iron MaidenIron Maiden
Em 1985, show "secreto" com Adrian no vocal

Black SabbathBlack Sabbath
Os vocalistas misteriosos da banda

InfluênciasInfluências
Folk Metal e Música Celta

5000 acessosMaridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'Anno5000 acessosAjustes e Consertos em Baixos e Guitarras5000 acessosCharles Manson: casamento era plano para expor seu cadáver5000 acessosGuns N' Roses: A regravação de "Appetite for Destruction" em 19995000 acessosBlack Sabbath: mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill Ward5000 acessosSlash: sempre bêbado nos clipes do Guns N' Roses

Sobre Sérgio Fernandes

Paulistano desde abril de 1988, Sérgio Fernandes é baterista da banda CARAPUÇA (www.youtube.com/tvcarapuca), diretor de imagem e produtor multimídia do portal Terra e formado em Rádio e TV pela UNISA em São Paulo no ano de 2009. Ouve rock desde pequeno por influência de seus pais. Entre suas bandas preferidas estão Sepultura, Rolling Stones, Rancid, Muse, Fresno, Slayer e qualquer outra que toque algo que lhe agradar os ouvidos, nunca se fechando a gêneros e estilo, mantendo a mente aberta a novas experiências sonoras. E-mail para críticas e sugestões: sergio_ong@hotmail.com.

Mais matérias de Sérgio Fernandes no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online