Angra: Não há mais nada que a banda precise provar

Resenha - Aqua - Angra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O futuro do ANGRA parecia incerto após o fraco “Aurora Consurgens” (2006). A banda, que se envolveu em uma série de conflitos como seu ex-empresário, por pouco não encerrou as atividades. No entanto, quatro anos se passaram e o quinteto paulista – que repatriou o baterista Ricardo Confessori – deu a volta por cima. O ótimo “Aqua” remarca o território abandonado e coloca novamente o grupo entre os principais nomes do gênero que ajudou a construir vinte anos atrás.
4119 acessosKiko Loureiro: Dave Mustaine presta homenagem a brasileiro5000 acessosO tempo não para: fotos do antes e depois de alguns rockstars

Depois que resolveu todas as questões que envolviam os direitos do nome da banda e o seu antigo empresário, o ANGRA retomou as suas atividades em 2009 com uma série de shows pelo país ao lado do SEPULTURA. O grupo, que se preparava para entrar em estúdio no ano seguinte, baseou o sétimo disco da sua carreira na obra “A Tempestade”, de William Shakespeare. A sonoridade, que une o metal melódico às referências da música brasileira, permanece intacta em “Aqua”. O disco, que ainda marca a volta de Ricardo Confessori às baquetas, possui as mesmas músicas de impacto que fizeram história a partir de “Angels Cry” (1993) até “Temple fo Shadows” (2004).

Embora tenha saído primeiramente em formato independente aqui no Brasil, “Aqua” conta com o suporte da JVC/Victor no Japão e da SPV/Steamhammer na Europa, onde o disco foi muito bem recebido até o momento. Na verdade, aqui o cenário não tem sido diferente. Os melhores momentos que marcaram a “nova” fase banda em “Rebirth” (2001) são reproduzidas nessa obra, que conta mais uma vez com a performance irrepreensível do vocalista Edu Falaschi. Os músicos, não só mais maduros no quesito técnico, esbanjam qualidade e criatividade no processo de composição do álbum. Não há dúvidas de que os quatro anos distante dos holofotes não comprometeram – e até contribuíram – para o resultado acima da média de “Aqua”.

Depois da curta e introdutória “Viderunt Te Aquae”, o disco abre com uma sequência verdadeiramente matadora, que desde “Holy Land” (1996) não se via em um trabalho do ANGRA. A rápida e certeira “Arising Thunder” pode ser considerada – e por que não – uma das melhores composições assinadas pela banda nos últimos dez anos. De outro lado, “Awake from Darkness” mostra o peso que a banda nunca abrir mão, assim como a cadenciada “Lease of Life”, que mostra como o grupo possui uma incrível capacidade de construir músicas mais densas e emotivas. No entanto, “The Rage of the Waters” retoma o peso do disco e certamente se sobressai como um outro destaque extremamente positivo da obra.

Embora possa parecer no disco sem muito brilho, “Spirit of the Air” é competente na sua proposta de unir as características da música brasileira às influências do metal progressivo, gênero que a banda vem explorando paulatinamente desde “Temple of Shadows” (2004). As mesmas referências se encontram em “Hollow”, só que com uma dose extra de peso por parte das guitarras – o que pode agradar (e muito) os fãs mais exigentes. A faixa, que não possui o mesmo impacto imediato das suas antecessoras, corre um pouco por fora para ser um dos destaques da obra, mesmo que sejam evidentes as suas qualidades.

Na sequência, “A Monster in Her Eyes” pode não chamar tanto a atenção em virtude do seu andamento denso e melancólico, mas “Weakness of a Man” mistura com maestria as influências da música brasileira em sua introdução e mostra um clima mais para cima, não melancólico como a anterior. De qualquer modo, as últimas faixas de “Aqua” não conseguem se sobressair ao trabalho apresentado na sua primeira metade, mas os fãs certamente encontrarão momentos interessantíssimos, sobretudo em “Ashes”, que relembra (e muito) as composições mais lentas (e de sucesso comercial) que o ANGRA escreveu no passado. Por fim, uma versão remixada de “Lease of Life” – que parece assumir a ponta como a música de trabalho – que não traz uma nova sonoridade, apenas uma edição mais exigente.

Não há dúvidas de que o ANGRA está de volta à vida, como a letra da clássica “Nova Era” sugere. As más impressões deixadas por “Aurora Consurgens” (2006) ficaram para trás e os próximos anos, a partir desse excelente “Aqua”, se mostram extremamente bem-vindos ao quinteto. Embora muitos insistam em não creditar a banda como ela merece, claramente não existe mais nada que o ANGRA precise provar. Os fãs que ainda não sabem disso vão abrir os olhos em “Aqua”.

Track-list:

01. Viderunt Te Aquae
02. Arising Thunder
03. Awake from Darkness
04. Lease of Life
05. The Rage of the Waters
06. Spirit of the Air
07. Hollow
08. A Monster in Her Eyes
09. Weakness of a Man
10. Ashes
11. Lease of Life (Remixed Version)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Aqua - Angra

5000 acessosAngra: O Aqua é um álbum injustiçado?4810 acessosAngra: "Aqua" não faz feio na bela discografia do grupo5000 acessosAngra: o metal é um terreno fértil para projetos complexos5000 acessosAngra: após a tormenta, o sétimo e tão aguardado álbum5000 acessosAngra: seguindo para o futuro, sem deixar o passado de lado

Kiko LoureiroKiko Loureiro
Dave Mustaine presta homenagem a brasileiro

695 acessosEdu Falaschi: Show em comemoração ao Dia dos Namorados0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

Angra e SepulturaAngra e Sepultura
As duas bandas mais tretadas do metal nacional

AngraAngra
A bela versão de "Wuthering Heights" sacada de Angels Cry

EnqueteEnquete
Os 10 melhores shows do Rock In Rio 2015

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

O tempo não paraO tempo não para
Fotos do antes e depois de alguns rockstars

SemelhançasSemelhanças
Sou só eu, ou ele parece a Fernanda Lima?

Guns N RosesGuns N' Roses
A trágica história do baixista fundador que morreu afogado

5000 acessosMas afinal... o que é rock progressivo?5000 acessosVarg Vikernes: "Sou muito mais assustador na vida real..."5000 acessosDerek Riggs: "Eddie vende mais do que Mickey Mouse"5000 acessosCeltic Frost: Sombrio, brutal e revolucionário5000 acessosEric Clapton: Guitarrista está colocando suas guitarras à venda5000 acessosSlash: não tocamos mais inéditas ao vivo por causa da internet

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 26 de fevereiro de 2011

Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online