Oficina G3: Rompendo barreiras entre o gospel e o secular

Resenha - Depois da Guerra - Oficina G3

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Henrique de Almeida
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O último CD do Oficina G3, chamado Depois Da Guerra, surpreendeu a muita gente, inclusive a mim. Já havia ouvido o trabalho dos caras, com o antigo vocalista PG e mesmo com o Juninho Afram (guitarrista) nos vocais. Confesso ter achado legalzinho, mas nada revolucionário. As letras de pregação também não me cativavam muito, então nada indicava que trabalhos posteriores poderiam chamar minha atenção.

5000 acessosSeparados no nascimento: Paul Stanley e Sidney Magal5000 acessosSeparados no nascimento: Alice Cooper e Emerson Fittipaldi

Eis que tomo conhecimento deste CD lançado em 2008. Decidi, então, dar uma chance a Afram e seus coleguinhas. Surpresa total, porque os caras conseguiram criar um trabalho que praticamente rompeu as barreiras entre o rock gospel e o rock secular, fazendo de DDG uma quase unanimidade por todos que o ouviram.

A introdução D.A.G, com a ambientação de uma guerra aliada a orquestrações, teclados e uma rifferama que marca o início do primeiro arrasa-quarteirão deste registro, "Meus Próprios Meios". De cara, duas coisas chamam a atenção: a atuação do vocalista Mauro Henrique, com muito drive e uma interpretação irretocável que realmente me impressionou à primeira ouvida; e o peso e agressividade do som dos caras, que se justifica por ser a música de abertura do disco, e aliás uma das melhores.

"Eu Sou", a música seguinte, também deixa o ouvinte batendo cabeça com as guitarras agressivas, a forte presença dos teclados e a sonoridade mais progressiva em vários momentos, chegando a lembrar muito o Dream Theater mais recente, principalmente do "Train Of Thought" para frente. O refrão irretocável e cheio de melodia é um dos grandes destaques em uma música repleta deles. Para mim, a melhor do disco e uma das marcas desse novo Oficina.

"Meus Passos" segue o disco em mais uma música que mescla muito bem os tempos quebrados e incursões de teclados do progressivo com o puro heavy metal. Continuar, a primeira balada do disco, dá uma acalmada nos ânimos e mostra que os caras também sabem diminuir o ritmo. A voz de Mauro Henrique se destaca nessa daqui, além das boas camadas de teclado e piano que dão uma emoção extra à canção.

"De Joelhos", talvez uma canções de maior louvor do trabalho, mostra a face mais agressiva das guitarras de Afram, com linhas que reforçam o peso desse novo caminho trilhado pela banda. E não é que os teclados também contribuem para que isso aconteça? Mais um ponto para os caras. "Tua Mão", mais uma balada, é também mais um bom momento, embora inferior a todas as músicas anteriores do disco.

Muros volta à carga em uma música absolutamente espetacular. Riffs poderosos, teclados viajantes e funcionais, um baixo que aparece com destaque, e Mauro Henrique outra vez mostrando porque era realmente uma das melhores opções para ser o vocalista da banda gospel mais conhecida do Brasil. Logo depois vem a faixa-título do álbum, que começa com Juninho cantando a primeira parte, sendo seguido por Mauro, que arrebenta em um dos melhores refrões do trabalho.

"A Ele" e "Incondicional" são duas baladas de puro louvor. Principalmente essa última tem bons momentos, tanto que foi escolhida para virar clipe. Parece redundância, e é, mas realmente o vocalista se destaca nessas duas canções, levando a quem acredita pensar estar em verdadeira comunhão com Deus através da música.

"Obediência" volta a deixar as coisas mais agitadas, em uma letra que deixa mais do que claras a visão religiosa de todos os integrantes. O trabalho de vozes é uma das melhores surpresas, não só desta música mas do álbum como um todo. Aliás, confesso que não vejo nenhuma banda que faça isso de forma tão qualificada quanto o Oficina G3 hoje no Brasil.

"Better" é como se fosse uma junção entre Dream Theater e Stryper: Um som progressivo, pesado, mas marcante e que leve a dita “Palavra” ao maior número de pessoas possível. "People Get Ready", cover de música de Curtis Mayfield e que ficou famosa na voz de Rod Stewart em companhia de Jeff Beck na guitarra, é uma surpresa agradável, apesar de não fazer muitas mudanças em relação à versão original. "Unconditional", a versão em inglês de "Incondicional", termina o álbum, visando claramente o mercado internacional.

Enfim, meus amigos: Aos que acreditam, um excelente trabalho musical de uma banda que marca uma nova fase em sua carreira e que, de quebra, leva a palavra de Deus alhures. Aos que não creem, um excelente trabalho musical de uma banda que com certeza verá novos horizontes à frente com este registro. Nota 10 para o Oficina G3.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net



Café com ÓcioCafé com Ócio
Os melhores discos do Metal Nacional de 2000 a 2010

Rock CristãoRock Cristão
As principais bandas nacionais

Oficina G3Oficina G3
"O Brasil não é essa desgraça como todos afirmam!"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Oficina G3"


Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Paul Stanley e Sidney Magal

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Alice Cooper e Emerson Fittipaldi

Rock NationRock Nation
Rádio elege "melhor do Hard Rock dos 80s"

5000 acessosPutitrain: a aula de guitarra que virou um hilário meme5000 acessosSlash: um resumo de suas experiências ao longo dos anos5000 acessosKrisiun: "Edu Falaschi não viveu o underground"5000 acessosPearl Jam: Vedder se recusa a explicar a letra da música "Animal"5000 acessosMetallica: 3 belas canções inspiradas pelos Mitos de Cthulhu5000 acessosTradução - Highway To Hell - AC/DC

Sobre Henrique de Almeida

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.