Crashdiet: som típico do hard californiano dos anos oitenta

Resenha - Generation Wild - Crashdïet

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Terceiro disco da banda sueca Crashdïet, "Generation Wild" marca uma transição importante em sua carreira: o álbum é o primeiro a contar com Simon Cruz, novo vocalista, no lugar de Olli Hermann, que saiu da banda em 2008 e fundou o Reckless Love. Aliás, o posto de vocalista do Crashdïet é complicado, já que a banda gravou apenas três discos - "Rest in Sleaze" (2005) e "The Unattractive Revolution" (2007) são os anteriores -, cada um com um cantor diferente. A saber: o vocalista original, Dave Lepard, cometeu suicídio em 20 de janeiro de 2006, com apenas 25 anos, devido a uma depressão.

Crashdïet: banda lança vídeo de "Rust", música do próximo álbum; vejaHeavy Metal: celebridades que curtem ou já curtiram

"Generation Wild" traz onze faixas que mantém vivo em 2010 aquele som típico do hard californiano dos anos oitenta. Após uma breve introdução, "Armageddon" abre o disco com um riff agressivo, que dá início a uma faixa com uma sonoridade rica e com ótimo refrão. Os riffs 'pedalados' de "So Alive" mantém o clima do play em alta, com uma sonoridade clássica recheada por backing vocals bem interessantes.

A faixa-título, lançada como single e cujo clipe foi banido da MTV devido às suas cenas obcenas, é outra com um grande refrão. O ótimo solo de guitarra é a cereja do bolo de uma composição com cara de hit!

O álbum apresenta uma sequência de faixas redondas e muito bem resolvidas. "Rebel" é bem agressiva e conta com linhas vocais grudentas. A empolgante "Down in the Dust" é uma das melhores do disco, e você vai cantar junto o refrão sem ao menos perceber. "Bound to Fall" se destaca por unir guitarras pesadas a trechos mais calmos, onde a música respira, toma fôlego e conquista o ouvinte. O disco fecha com a excelente balada "Beautiful Pain".

"Generation Wild" traz um hard rock feliz e festeiro, despreocupado e sem maiores compromissos - e por isso mesmo bom pra caramba! Uma trilha sonora mais do que apropriada para um animado bate-papo com os amigos, de preferência com belas e desinibidas garotas por perto!

Faixas:
1 442 0:53
2 Armageddon 4:06
3 So Alive 4:13
4 Generation Wild 3:56
5 Rebel 3:23
6 Save Her 3:26
7 Down With the Dust 2:47
8 Native Nature 4:29
9 Chemical 4:17
10 Bound to Fall 4:15
11 Beautiful Pain 4:42




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Crashdïet"


Crashdïet: banda lança vídeo de "Rust", música do próximo álbum; veja

Heavy Metal: celebridades que curtem ou já curtiramHeavy Metal
Celebridades que curtem ou já curtiram

Alguns dos maiores mitos do Rock n' RollAlguns dos maiores mitos do Rock n' Roll
Alguns dos maiores mitos do Rock n' Roll

Slash: Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?Slash
Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?

Cinema: As 10 melhores aparições de bandas em filmesLynyrd Skynyrd: a história da espetacular "Simple Man"Paul McCartney: o dia em que ele deu um soco na cara de Eddie VedderMetallica: filhos de Kirk acham que tocar guitarra é um saco

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.