Hatefulmurder: vida nova ao Thrash massacrado por clichês

Resenha - When the Slaughter Begins - Hatefulmurder

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Ver Acessos


Para muitos bangers nos dias de hoje, o thrash metal é um estilo considerado retrogrado ou morto, uma vez que o auge do estilo foi entre 1986 e 1990, com algumas bandas sobrevivendo à onda grunge de 1991 com muito sacrifício, e mesmo fazendo concessões, como foi comprovado com alguns gigantes buscando novas formas para trabalhar seu som e sobreviver. Isso justifica porque gigantes como MEGADETH, TESTAMENT, e obviamente, METALLICA tiraram o pé do acelerador e injetaram grandes doses de melodia em seu som. Mas existem bandas que nos fazem pensar quando as ouvimos e acreditar que o estilo volte a ter o brilho de outrora. E o HATEFULMURDER, do Rio de Janeiro, é uma dessas bandas, e o Demo CD "When The Slaughter Begins" atesta minhas palavras.

Hatefulmurder: liberado novo single cantado em portuguêsKiko Loureiro: ele intimidou Chris Adler quando mostrou CD solo

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Inserindo doses generosas de death metal em seu som, a banda dá uma vida nova ao estilo, muitas vezes massacrado com clichês. Ora rápido, agressivo e ríspido, ora mais técnico e cadenciado, mas sempre pesado e inspirado, o som da banda é um verdadeiro deleite para os ouvidos dos fãs do estilo.

A produção visual é muito bem cuidada, bem como a produção sonora é limpa, mas sem deixar de ser crua o suficiente para thrash metal.

Abrindo, vem a faixa "March to Genocide", uma autêntica tijolada thrash à lá SLAYER, com o vocal de Felipe Lameira mostrando o lado death metal da banda, sejam nos momentos rápidos ou lentos da música, onde se observa que o baixista Ernani Henrique tem raízes no Metal Tradicional, já que há belos arranjos no melhor estilo de Steve Harris. "Striker", a segunda faixa, é igualmente rápida, mas com ótimas bases e solos de guitarra inspirados por parte de Renan Ribeiro, que mostra estar numa escola à lá Mike (DESTRUCTION)/Frank Blackfire (ex-SODOM, ex-KREATOR), e rouba a cena. A faixa seguinte, "Scars To God", já é não é tão rápida quanto as anteriores, mas tão boa quanto, onde o batera Vitor Arante mostra peso e técnica apurada, e não é difícil imaginar o refrão sendo cantado pelos fãs ao vivo, fora que o trabalho de guitarras, de tão bom, se dá o luxo do uso de guitarras limpas no trecho final dela.

A última faixa é "Extreme Level of Hate", onde mais uma vez o baixo de Ernani mostra arranjos bem 'Maidenianos', e Felipe alterna bem mais entre o timbre grave de sua voz aos gritos esganiçados, em uma clara referência à vocalistas como Mark 'Barney' Greenway e Lee Dorrian das antigas.

Para alguns, minhas palavras podem parecer exageradas, mas convido-os a ouvir a demo. Ela está disponível para download gratuito no myspace da banda, mas lembrando sempre: se gostou do Demo CD, por favor, compre-o com a banda, pois estará incentivando as bandas a continuarem na ativa.

Tracklist:
01. March to Genocide
02. Striker
03. Scars to God
04. Extreme Level of Hate 2010




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Hatefulmurder"


Hatefulmurder: liberado novo single cantado em português

Thrash Metal: 20 bandas brasileiras de qualidade inquestionávelThrash Metal
20 bandas brasileiras de qualidade inquestionável


Kiko Loureiro: ele intimidou Chris Adler quando mostrou CD soloKiko Loureiro
Ele intimidou Chris Adler quando mostrou CD solo

Metallica: se encontrar James Hetfield, não peça para bater uma fotoMetallica
Se encontrar James Hetfield, não peça para bater uma foto


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336