Crashdiet: após dez anos, precisando voltar aos trilhos

Resenha - Generation Wild - Crashdiet

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Felipe Kahan Bonato
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Lançado em 2010, "Generation Wild" é o terceiro disco dos suecos do CRASHDIET, outra banda que revive o "sleaze rock" na Europa. Apesar de somente 10 anos de carreira e de estar em seu terceiro CD, a banda conta com seu terceiro vocalista, Simon Cruz, após o suicídio de Dave Lepard e da saída amistosa do finlandês H. Olliver Twisted, que substituía o finado.

Crashdïet: banda lança vídeo de "Rust", música do próximo álbum; vejaPlanet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarra

Com tantas mudanças de vocalistas, é inevitável certo tempo para o reajuste, ainda mais quando há alteração no timbre, mesmo que leve. Simon Cruz parece ter a voz mais grave e menos rasgada que a de seus antecessores e talvez por isso tem uma performance insegura em algumas faixas, em que acaba se apegando demasiadamente aos coros - como na faixa título, que mesmo assim é muito boa - ao invés de soltar a voz. Outro erro foi liberar as duas últimas e boas músicas como bônus.

Em relação aos instrumentistas, as composições mantêm o padrão dos outros discos, com a falha de talvez não terem encaixado melhor a boa voz de Simon Cruz, como mencionado. Por outro lado, "Save Her" destoa claramente ao se desviar do hard rock do grupo e flertar com os estilos mais "emotivos" da atualidade. Em "Chemical" e "Bound To Fall" a banda é mais bem sucedida nessa tentativa de modernização.

Apesar disso, é na acelerada "Rebel" - puxada com as motos do MOTLEY CRUE - e em "Native Nature" - que tem o vocalista em seu auge, lembrando SEBASTIAN BACH - que os suecos mostram o caminho a ser seguido. A quase metaleira "Down With The Dust" e a pegajosa "Armageddon", além da bela e mais lenta "Beautiful Pain", são outros bons momentos do álbum.

"Generation Wild" não é um desastre na carreira da banda, mas também não é o melhor CD para aqueles que buscam conhecer o grupo. O CRASHDIET agora precisa amadurecer com seu novo vocalista e posicionar novamente o som da banda. Aos fãs, resta torcer para que Simon Cruz, ótimo vocalista, se fixe e se acomode na banda, para que a mesma possa continuar na crescente e até mesmo se tornar mais conhecida ainda na América do Sul. Afinal, potencial é o que não falta a esses suecos.

Integrantes:
Simon Cruz - vocais
Martin Sweet - guitarra
Eric Young - bateria
Peter London - baixo

Faixas:
1. 442
2. Armageddon
3. So Alive
4. Generation Wild
5. Rebel
6. Save Her
7. Down With the Dust
8. Native Nature
9. Chemical
10. Bound to Fall
11. Beautiful Pain
Bônus:
12. One of a Kind
13. Fear Control

Gravadora: Gain Records

Site oficial: crashdiet.org


Outras resenhas de Generation Wild - Crashdiet

Crashdiet: parte da sonoridade que marcou sua estréia




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Crashdïet"


Crashdïet: banda lança vídeo de "Rust", música do próximo álbum; veja

Planet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarraPlanet Rock
As músicas com os melhores solos de guitarra

Metal: Gibson.com enumera 50 melhores músicas do gêneroMetal
Gibson.com enumera 50 melhores músicas do gênero

Bob Daisley: baixista dá detalhes de sua briga com OsbourneBob Daisley
Baixista dá detalhes de sua briga com Osbourne

Vanusa e Black Sabbath: a notável coincidência nos riffsChinese Democracy: de 1994 a 2008, a saga do álbum mais caro da históriaJerry Garcia - O Anti-Super-StarAngela Gossow: "Música me deu a liberdade que eu sempre quis"

Sobre Felipe Kahan Bonato

Felipe Kahan Bonato: Nascido em 88, há mais de 10 anos - por enquanto - escuta praticamente qualquer subgênero de rock e metal, explorando principalmente bandas mais desconhecidas. Teve contato tardio com a guitarra, seu instrumento preferido, optando então em seguir a carreira de Engenheiro de Produção e em contribuir esporadicamente com resenhas no Whiplash.

Mais matérias de Felipe Kahan Bonato no Whiplash.Net.