Rolling Stones: reedição de "Exile" é tesouro desenterrado

Resenha - Exile on Main St. (Deluxe Edition) - Rolling Stones

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Allan Kern
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Considerado por muitos uma obra-prima, Exile On Main St. é definitivamente o álbum mais representativo da carreira dos ROLLING STONES e coroa o auge criativo da banda entre os anos de 1968 e 1974. Em 17 de maio de 2010 a obra ganhou um relançamento de luxo que conta com o CD remasterizado, DVD, vinil, livreto com fotos inéditas e postcards estilizados, além de um generoso CD bônus com 10 faixas inéditas, todas gravadas nas sessões do final de 1971.

Guns, Red Hot, Stones, Green Day e George Clinton: Um encontro histórico em 2012Max Cavalera: "Deveríamos ter demitido aqueles dois e mantido o nome"

Como bem defende boa parte dos fãs e especialistas, Exile On Main Street é "O" grande disco dos ROLLING STONES. Gravado na casa de Keith Richards na França e lançado há exatos 38 anos, o disco abrange todos os estilos explorados dentro do rock and roll até então e foi descrito por FRANK ZAPPA como "um grande sopão de rock", com todos os ingredientes necessários. Apesar de ecléticas, as 18 faixas formam um álbum coeso, talvez o mais bem-acabado do catálogo dos Stones.

"Rocks Off" abre o disco em grande estilo e já mostra que, pelo menos na parte musical, a química da banda nunca esteve tão forte. A canção foi supostamente gravada em apenas dois takes. A seguir vem "Rip This Joint", um arrasa-quarteirão com vocais que Mick Jagger nunca mais conseguiu repetir. Duas músicas inspiradas nos cassinos de Monte Carlo fecham o Lado A: "Casino Bookie" surgiu de uma jam entre Keith Richards e Bobby Keys, e "Tumblin' Dice" se tornou o grande sucesso que prenunciou a essência da banda daquele momento em diante: puro rock de arena.

O Lado B privilegia a música country, indicando que boa parte dessas canções teve o dedo de GRAM PARSONS. A acústica "Sweet Virginia" tem vocais nitidamente inspirados nos trejeitos do músico norteamericano e traz um belo trabalho de Mick Jagger na gaita. "Torn And Frayed" foi baseada em fragmentos que Keith e Gram estavam compondo juntos.

Abrindo o Lado C, "Happy" é cantada por Keith Richards e foi composta rapidamente na varanda de sua mansão em Nellcôte quando o guitarrista soube que a esposa estava grávida novamente. "Ventilator Blues" é um dos raros casos em que Jagger e Richards cederam direitos autorais a outro integrante da banda. A canção de fato nasceu de um riff criado por Mick Taylor e teve a letra inspirada num ventilador que aliviava o calor de uma noite quente. Bobby Keys colaborou com a batida rítmica da música, batendo palmas fora do tempo para que Charlie Watts executasse os compassos corretamente.

O Lado D encerra o álbum com o rock acelerado de "All Down the Line" e mais uma cover de ROBERT JOHNSON (os Stones já haviam gravado "Love in Vain" no disco Let It Bleed). Em seguida inovam mais uma vez com uma típica canção gospel ("Shine a Light), para fechar com a nervosa "Soul Survivor", de Keith Richards. O guitarrista, figura central durante as gravações do álbum, foi o principal responsável pela riqueza musical na composição e produção de Exile On Main St..


Apesar de lançado originalmente em vinil duplo, hoje se nota que Exile On Main St. poderia muito bem ter sido um disco triplo. Algumas das faixas inéditas incluídas no relançamento são clássicos instantâneos e fica difícil entender como pode ter "faltado espaço" para elas. Seja como for, agora não importa mais. Sorte de quem viveu até hoje para ver este tesouro ser desenterrado.

Os primeiros acordes de "Pass the Wine (Sophia Loren)" sugerem uma produção relaxada, típica de uma demo. No entanto, a música ganha pegada e estilo à medida que o arranjo cresce. O refrão é uma ode à tríade sexo, drogas e rock n' roll: "I'm glad to be alive and kicking / I'm glad to hear my heart's still ticking / So pass me the wine, baby, and let's make some love" ("É bom saber que estou vivo e curtindo / É bom saber que meu coração ainda está batendo / Então me passa o vinho, baby, e vamos fazer amor").

"Plundered My Soul" não é somente uma boa canção, mas uma pérola pop. Daquelas que te conquistam logo na primeira audição, te fazem cair da cadeira e espernear loucamente pelo fato de eles terem demorado 38 anos para mostrá-la ao público. Gravada em 1971 para entrar em Exile On Main St., não se sabe por que uma música tão cativante ficou fora do álbum. Além do primoroso arranjo das guitarras, destaca-se o impressionante poder vocal de Mick Jagger no seu auge como cantor. A canção ainda foi abrilhantada pelas impecáveis contribuições de Lisa Fisher e Cindy Mizelle, atuais backing vocals dos STONES.

Na sequência, "I'm Not Signifying" é um blues cadenciado e grudento, encrementado com belos solos de guitarra, sax e gaita. "Following The River" é uma daquelas baladonas em que o piano de Nicky Hopkins faz a cama para a voz de Mick Jagger deitar e rolar. "Dancing In The Light" é construída em cima da marca registrada dos ROLLING STONES: a combinação do vocal rasgado de Mick Jagger com os riffs ganchudos de Keith Richards. A primeira metade do CD bônus traz uma sequência arrebatadora de canções, que se destacariam em qualquer álbum da discografia dos STONES.

"So Divine (Alladin Story)" é ao mesmo tempo exótica e chicletuda, talvez tenha sido deixada de lado porque o riff introdutório lembra vagamente o começo de "Paint it, Black", de 1966. Em seguida aparecem versões alternativas de "Loving Cup" e "Soul Survivor", esta cantada por Keith Richards. Ambas revelam a influência de GRAM PARSONS no som da banda, especialmente no jeito de cantar. A sensacional "Good Time Woman" tem um bom motivo para ter sido descartada: é uma clara versão embrionária de "Tumblin' Dice". A rápida jam instrumental "Title 5" fecha o CD bônus em grande estilo, com um rock vigoroso e dançante.

Após uma rápida audição do disco original remasterizado e acrescido de maravilhosas canções inéditas, pode-se concluir que Exile On Main St. é, definitivamente, o melhor disco dos ROLLING STONES.

Track-list

CD 1
01. Rocks Off
02. Rip This Joint
03. Shake Your Hips
04. Casino Boogie
05. Tumbling Dice
06. Sweet Virginia
07. Torn and Frayed
08. Sweet Black Angel
09. Loving Cup
10. Happy
11. Turd On the Run
12. Ventilator Blues
13. I Just Want To See His Face
14. Let It Loose
15. All Down the Line
16. Stop Breaking Down
17. Shine a Light
18. Soul Survivor

CD 2
01. Pass the Wine (Sophia Loren)
02. Plundered My Soul
03. I'm Not Signifying
04. Following the River
05. Dancing in the Light
06. So Divine (Aladdin Story)
07. Loving Cup (Alternate take)
08. Soul Survivor (Alternate take)
09. Good Time Women
10. Title 5




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Rolling Stones"


Guns, Red Hot, Stones, Green Day e George Clinton: Um encontro histórico em 2012Lucy Boynton: depois de Mary Austin, ela fará Marianne Faithfull no cinema

Keith Richards: em vídeo, as transformações em sua aparência de 1962 a 2019Keith Richards
Em vídeo, as transformações em sua aparência de 1962 a 2019

Keith Richards: ele quase fez participação hilária no filme Zumbilândia 2Keith Richards
Ele quase fez participação hilária no filme Zumbilândia 2

God Save The Queen: 5 vezes em que rockstars britânicos peitaram a monarquia

Rolling Stones: 5 vezes em que a banda se posicionou politicamente em suas músicasRolling Stones
5 vezes em que a banda se posicionou politicamente em suas músicas

Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVD

Rolling Stones: dez coisas que você não sabia sobre Charlie WattsRolling Stones
Dez coisas que você não sabia sobre Charlie Watts

Rolling Stones: Keith Richards afirma que praticamente parou de beberRolling Stones
Keith Richards afirma que praticamente parou de beber

Rolling Stone: Os 500 melhores álbuns da história em lista da revistaRolling Stone
Os 500 melhores álbuns da história em lista da revista


Max Cavalera: Deveríamos ter demitido aqueles dois e mantido o nomeMax Cavalera
"Deveríamos ter demitido aqueles dois e mantido o nome"

Dinho Ouro Preto: É assustador ver todo o rock ficar de direitaDinho Ouro Preto
"É assustador ver todo o rock ficar de direita"

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1980Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1980

Fotos de Infância: Skid RowFotos de Infância
Skid Row

Bon Jovi: as fotos do vocalista com mulheres nuas em 1985Bon Jovi
As fotos do vocalista com mulheres nuas em 1985

Phil Anselmo: Pouco se fudendo se o Pantera vai se reunirPhil Anselmo
Pouco se fudendo se o Pantera vai se reunir

Metallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TVMetallica
James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV


Sobre Allan Kern

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336