Kaiowas: raiva esperada das palavras "metal" e "tribal"

Resenha - Kaiowas - Kaiowas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7


Em seu material de divulgação, a banda Kaiowas descreve a si mesma como "metal progressivo tribal". A medida que você escuta as cinco faixas do EP inaugural deste trio de Los Angeles/EUA, pode ser que a definição faça algum sentido, até. No entanto, ainda é pouco para descrevê-los. É um rótulo que chega a diminuí-los. Estamos falando de um grupo que nasce com gana de ter sonoridade própria. Ainda que estejam buscando encontrar sua cara musical, permitindo-se cometer alguns deslizes aqui ou ali, eles provam que não têm medo de experimentar, de ousar, de dar a cara para bater. Basta uma olhadela na enorme quantidade de bandinhas fazendo o mesmo som repetitivo de sempre, dentro ou fora do metal, para entender que isso significa começar com um tremendo pé direito.

Courtney Love: "Essa música é sobre minha vagina, sabia?"Pilares: O início do Heavy Metal em 1969

O nome da banda, inspirado na mesma tribo indígena brasileira que cometeu suicídio em massa e que deu nome à conhecida canção do Sepultura, não poderia ser mais adequado. Afinal, o vocalista estadunidense James DeWulf canta ao lado de dois brasileiros: o guitarrista Denner Viera e o baterista Rick Pivetta.

Numa análise bem rápida e superficial, daria até para dizer que o Sepultura da era "Roots" é clara inspiração dos caras. É, sem dúvidas. Mas não só. Quando "Oroboros" começa a tocar, por exemplo, o excelente trabalho instrumental visita a pancadaria tribal dos Cavalera. Mas consegue criar um clima envolvente, de viagem espiritual, levando o vocal de DeWulf do urrado ao quase messiânico, lembrando até a atual fase de Bono Vox em sua missão de salvamento mundial.

A coragem de fazer algo até mais experimental pode ser sentida tanto nos flertes eletrônicos de "Universal Mind" quanto nas vocalizações quase rap metal de "Barcelona" - ambas ecoando temperos de bandas como Rage Against the Machine. Por sinal, apesar de saber pegar pesado e furioso como o saudoso Dimebag Darrell (cujos riffs podem ser sentidos como referência aqui e acolá), Denner Viera também consegue ser um pouco Tom Morello, brincando e experimentando com as seis cordas e conseguindo resultados bem criativos.

Talvez o único defeito visível do Kaiowas, pelo menos por enquanto, possa ser sentido mais claramente na enorme faixa "Obey", que ultrapassa os 11 minutos. Trata-se de uma verdadeira viagem metálica, com quebradeiras por todos os cantos e uma percussão quase indígena. A música é boa. Mas o problema é que às vezes se perde dentro de si, parecendo que os músicos estão improvisando para si mesmos, sem mostrar de fato aonde querem chegar. O resultado é que, numa audição final, "Obey" acaba soando mais longa e cansativa do que é de fato. Ser um bom músico não significa ter que desfilar uma interminável masturbação instrumental apenas por fazer. Cuidado aí, rapazes.

O saldo geral deste EP, no entanto, é bastante positivo. O Kaiowas consegue fazer música com aquela raiva incontida que se espera das palavras "metal" e "tribal" contidas na descrição que os três criaram para si mesmos. E também consegue executar, com elegância, a excelência instrumental do "progressivo". Mas no seu liquidificador sonoro ainda cabem muitas outras coisas. Para o bem dos nossos ouvidos.

Line-up:
James DeWulf - Vocal
Denner Viera - Guitarra
Rick Pivetta - Bateria

Tracklist:
1. Oroboros
2. Universal Mind
3. Obey
4. Rise
5. Barcelona

Site:
http://www.myspace.com/kaiowasband




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Kaiowas"


Courtney Love: Essa música é sobre minha vagina, sabia?Courtney Love
"Essa música é sobre minha vagina, sabia?"

Pilares: O início do Heavy Metal em 1969Pilares
O início do Heavy Metal em 1969


Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

adClioIL