Kaiowas: raiva esperada das palavras "metal" e "tribal"

Resenha - Kaiowas - Kaiowas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Em seu material de divulgação, a banda Kaiowas descreve a si mesma como “metal progressivo tribal”. À medida que você escuta as cinco faixas do EP inaugural deste trio de Los Angeles/EUA, pode ser que a definição faça algum sentido, até. No entanto, ainda é pouco para descrevê-los. É um rótulo que chega a diminuí-los. Estamos falando de um grupo que nasce com gana de ter sonoridade própria. Ainda que estejam buscando encontrar sua cara musical, permitindo-se cometer alguns deslizes aqui ou ali, eles provam que não têm medo de experimentar, de ousar, de dar a cara para bater. Basta uma olhadela na enorme quantidade de bandinhas fazendo o mesmo som repetitivo de sempre, dentro ou fora do metal, para entender que isso significa começar com um tremendo pé direito.
5000 acessosBreast of the Beast: Miley Cyrus paga peito com Iron Maiden5000 acessosIron Maiden: Nicko McBrain fala sobre conversão ao cristianismo

O nome da banda, inspirado na mesma tribo indígena brasileira que cometeu suicídio em massa e que deu nome à conhecida canção do Sepultura, não poderia ser mais adequado. Afinal, o vocalista estadunidense James DeWulf canta ao lado de dois brasileiros: o guitarrista Denner Viera e o baterista Rick Pivetta.

Numa análise bem rápida e superficial, daria até para dizer que o Sepultura da era “Roots” é clara inspiração dos caras. É, sem dúvidas. Mas não só. Quando “Oroboros” começa a tocar, por exemplo, o excelente trabalho instrumental visita a pancadaria tribal dos Cavalera. Mas consegue criar um clima envolvente, de viagem espiritual, levando o vocal de DeWulf do urrado ao quase messiânico, lembrando até a atual fase de Bono Vox em sua missão de salvamento mundial.

A coragem de fazer algo até mais experimental pode ser sentida tanto nos flertes eletrônicos de “Universal Mind” quanto nas vocalizações quase rap metal de “Barcelona” – ambas ecoando temperos de bandas como Rage Against the Machine. Por sinal, apesar de saber pegar pesado e furioso como o saudoso Dimebag Darrell (cujos riffs podem ser sentidos como referência aqui e acolá), Denner Viera também consegue ser um pouco Tom Morello, brincando e experimentando com as seis cordas e conseguindo resultados bem criativos.

Talvez o único defeito visível do Kaiowas, pelo menos por enquanto, possa ser sentido mais claramente na enorme faixa “Obey”, que ultrapassa os 11 minutos. Trata-se de uma verdadeira viagem metálica, com quebradeiras por todos os cantos e uma percussão quase indígena. A música é boa. Mas o problema é que às vezes se perde dentro de si, parecendo que os músicos estão improvisando para si mesmos, sem mostrar de fato aonde querem chegar. O resultado é que, numa audição final, “Obey” acaba soando mais longa e cansativa do que é de fato. Ser um bom músico não significa ter que desfilar uma interminável masturbação instrumental apenas por fazer. Cuidado aí, rapazes.

O saldo geral deste EP, no entanto, é bastante positivo. O Kaiowas consegue fazer música com aquela raiva incontida que se espera das palavras “metal” e “tribal” contidas na descrição que os três criaram para si mesmos. E também consegue executar, com elegância, a excelência instrumental do “progressivo”. Mas no seu liquidificador sonoro ainda cabem muitas outras coisas. Para o bem dos nossos ouvidos.

Line-up:
James DeWulf – Vocal
Denner Viera – Guitarra
Rick Pivetta – Bateria

Tracklist:
1. Oroboros
2. Universal Mind
3. Obey
4. Rise
5. Barcelona

Site:
http://www.myspace.com/kaiowasband

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Kaiowas"

Breast of the BeastBreast of the Beast
Miley Cyrus mostra peitinhos com camisa do Maiden

Iron MaidenIron Maiden
Nicko McBrain fala sobre sua conversão ao cristianismo

Heavy MetalHeavy Metal
25 bandas que fizeram o gênero ser o que é

5000 acessosGuns N' Roses: Axl desafina guitarra de Slash e pede desculpas5000 acessosZakk Wylde: O assassinato atribuido à "seita" do guitarrista5000 acessosRolling Stone: os 10 piores covers da história4745 acessosRonnie James Dio: "não sou satanista", disse em entrevista a Sam Dunn5000 acessosGuns N' Roses: o sucesso que a mídia forjou e destruiu - Parte 15000 acessosZombie: "gravadoras, dinossauros aguardando a morte"

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online