Megadeth: "Endgame" não é um novo "Rust in Peace", mas...

Resenha - Endgame - Megadeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Breno Airan
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Começaremos a resenha fazendo breve uma pergunta: O que é isso, meu irmão?! Dave Mustaine tá de brincadeira! Definitivamente. Depois do Sonic Boom do Kiss, este era o CD mais esperado pelos roqueiros de vergonha. Simplesmente excepcional. Não há adjetivos cabíveis pra pôr aqui no teclado do computador. Penso, penso e nada. Nada.
3425 acessosMegadeth: cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica5000 acessosContra-baixo: as melhores introduções do Heavy Metal

A priori, o novo trabalho do Megadeth pode parecer meio enfadonho. É justamente isso que torna um álbum aprazível: a certeza de que você precisa escutar novamente. Só pra conferir... Quando você põe na intro, Dialectic Chaos (que belo nome, não?), vê que este é um Megadeth renovado. A perspectiva da banda mudou. Quem acompanha a banda sabe. Começou Thrash, flertou com o Heavy e voltou ao introito. Um Thrash complexo e bem empolgante pra nenhum fã do NX Zero botar defeito.

Muitos trabalhos foram lançados: André Matos, Hangar, Kiss, Lynyrd Skynyrd, Europe, Danger Danger, Chickenfoot, Machines of Grace (nova banda de Zak Stevens, ex-Savatage). Todos (ou quase) estes estarão no “top 10 do ano” de muitos leitores da Whiplash. E sem dúvidas, sem medo de arriscar, o Endgame estará entre os três primeiros. Destaque pras seguintes músicas: 44 Minutes, Endgame, Headcrusher e How the Store Ends. E só. Não quer dizer que as outras não sejam audíveis, afinal, estamos falando de Mustaine e Cia.

Esse CD é como um soco na barriga de um boxeador aposentado: é rude, mas tem um quê de dulçor. Pros fãs do Megadeth que acreditaram no que diziam acerca desse novo trabalho (Ah, vai ser um novo Rust in Peace!), eu mando o meu “sinto muito, pequeno gafanhoto!”. Não dá pra comparar os tempos de ouro de qualquer banda com os tempos em que estamos. O rock mudou. Temos que encarar. E continuar nos riffs puramente oitetistas é inútil e burrice. Dave Mustaine procurou o viés dos CDs anteriores e foi feliz. Ah, e eu também estou feliz!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Endgame - Megadeth

5000 acessosMegadeth: inspiração que está ausente no desafeto Metallica5000 acessosMegadeth: "Endgame" é o melhor álbum em uma década

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MegadethMegadeth
Cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica

3080 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa519 acessosMarty Friedman: ouça "Miracle", single do novo álbum solo3525 acessosMetallica: e se James Hetfield cantasse no Megadeth?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

Kiko LoureiroKiko Loureiro
A influência do Metallica na vida do guitarrista

MegadethMegadeth
A desculpa bizarra para dispensar produtor do "Rust In Peace"

Big FourBig Four
Astros da cena Heavy escolhem banda preferida

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"

Contra-baixoContra-baixo
As melhores introduções do Heavy Metal

HumorHumor
Você está ouvindo rock progressivo demais quando...

Rolling StoneRolling Stone
As melhores faixas que fazem parte de álbuns ruins

5000 acessosAs regras do Black Metal5000 acessosMetallica: corrigindo a injustiça contra Jason Newsted5000 acessosCannibal Corpse: este cara é muito mais fanático que você5000 acessosMelissa Reese: sua função no Guns N' Roses e reações dos fãs a ela5000 acessosFortuna: quem são os músicos mais ricos do Reino Unido?4224 acessosSteve Harris: o Avenged Sevenfold é uma das poucas bandas relevantes atualmente

Sobre Breno Airan

Acima de tudo, um forte. Ser roqueiro no Nordeste é estar cercado de olhares de soslaio. Mas ele sabe ser simpático. Começou a escutar Heavy Metal ainda na barriga da mãe. A seu pai, uma verdadeira enciclopédia do estilo, deve tudo. Aos 14 anos, pediu para uma tia R$ 12 de presente de Natal, foi a uma loja de CDs usados e catou logo o "Rust in Peace", do Megadeth - em perfeito estado, inclusive. Daí por diante, a paixão só vem aumentando. É editor do blog Rock na Velha, integrante do blog Combe do Iommi e colaborador da revista alagoana Rock Meeting. Ainda tem tempo para ser jornalista e de tocar baixo em sua banda de Hard Rock, a Azul Manteiga.

Mais matérias de Breno Airan no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online