Megadeth: "Endgame" é o melhor álbum em uma década

Resenha - Endgame - Megadeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Diferente da maior parte dos fãs (e talvez críticos) do Megadeth, gostei bastante do resultado final de “United Abominations”, disco anterior da trupe de Dave Mustaine. Em resenha escrita por mim mesmo à época do lançamento, eu disse com todas as letras que o disco tinha “uma fúria genuína e contagiante que corre nas veias de maneira natural”. Continuo achando tudo isso, que é uma bolacha fiel ao thrash metal, mas sem soar velha ou datada. É um trabalho moderno, que bebe das raízes mas não depende delas. O que dizer, então, de “Endgame”, recente lançamento do Megadeth? Simples: se trata de uma evolução direta de “United Abominations”. Com uma banda ainda mais entrosada, Mustaine entrega um disco que é tudo aquilo que é “United Abominations”. Só que ainda melhor: mais pesado, mais violento, mais sombrio, com muito mais guitarras. Quando você ouvir alguém dizendo que este é o melhor álbum do Megadeth em uma década, é melhor acreditar. Porque é mesmo.
3429 acessosMegadeth: cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica5000 acessosCornos do Rock: a dor e o peso do chifre em três belas canções

Ao ouvir a introdução instrumental “Dialectic Chaos”, com um dedilhado de guitarra aplicado veloz e pesadamente, você já tem a nítida impressão de que o bicho vai pegar dali pra frente. E como pega: na sequência, a banda encaixa “This Day We Fight!”, um baita thrash corpulento, com uma guitarra de estourar os tímpanos e uma cozinha simplesmente gigantesca. Puro peso em menos de quatro sufocantes minutos, para fazer aqueles que sempre disseram que Mustaine estava ficando velho e tinha perdido o feeling engolirem cada palavra.

Quem ouviu “Head Crusher”, primeiro single de “Endgame”, já tinha sentido a pegada deste trabalho. Mas, apesar de muito boa, a canção está aquém do que se pode conferir no restante do tracklist. Repare no solo monstruoso de duas guitarras em “1,320”, num dueto acertadinho entre Mustaine e Chris Broderick (ex-Nevermore). Por sinal, o atual substituto de Glen Drover prova que a escolha foi perfeita para assumir as outras seis cordas da formação. Na bateria, o irmão de Glen, Shawn, mantém a qualidade usual como em “44 minutes”, com uma contundente letra sobre a violência urbana.

Igualmente marcante é a letra da faixa-título, uma climática canção de ares épicos sobre um futuro apocalíptico – mas preste bastante atenção e você vai ver que esta história dos chips de controle está bem mais próxima do que se imagina (recomenda-se assistir ao documentário “Zeitgeist”). Para quem achava, depois do cheiro direitista de “United Abominations”, que Mustaine fechava os olhos para o que seu próprio governo apronta, tratar o presidente dos EUA como um ditador é prova de que ele até que está de bem olhos abertos...

Destaque ainda para a ótima “The Hardest Part of Letting Go... Sealed With a Kiss”. O título, genial, indica uma espécie de baladinha. E a música, na verdade, começa toda romântica, com um violãozinho insuspeito. Os thrashers mais radicais podem começar a surtar a partir daí – mas muita calma nesta hora. Como num passe de mágica, a música se transforma numa paulada de teor amargo. Ainda fala de amor. Mas agora é sob o ponto de vista de alguém que quer esquecer a súbita paixão, do tipo que precisa experimentar uma “doce vingança”.

Fato: Mustaine continua sendo um mala. Do tipo que fala mais do que a boca – especialmente quando o assunto é o Metallica, uma ferida aberta que, mesmo depois de duas décadas, ele parece não conseguir superar. Mas as comparações são inevitáveis, e a gente nem tem como fingir que não existem. Vamos lá, um pouco de rivalidade é saudável, afinal. Sim, “Death Magnetic” é um bom disco, prova de que o Metallica está realmente se esforçando depois do fiasco de “St.Anger”. Mas se “United Abominations” já conseguia ser mais eficiente do que “Death Magnetic”, com “Endgame” a competição fica pra lá de injusta. A diferença é gritante. James e Lars, a bola está com vocês. Vejamos o que nos trazem daqui pra frente.

Line-up:
Dave Mustaine – Vocal, Guitarra
Chris Broderick – Guitarra
James LoMenzo – Baixo
Shawn Drover – Bateria

Tracklist:
1. Dialectic Chaos
2. This Day We Fight!
3. 44 Minutes
4. 1,320
5. Bite the Hand
6. Bodies
7. Endgame
8. The Hardest Part of Letting Go...Sealed With a Kiss
9. Head Crusher
10. How the Story Ends
11. The Right to Go Insane

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Endgame - Megadeth

5000 acessosMegadeth: inspiração que está ausente no desafeto Metallica5000 acessosMegadeth: "Endgame" não é um novo "Rust in Peace", mas...

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MegadethMegadeth
Cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica

3082 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa521 acessosMarty Friedman: ouça "Miracle", single do novo álbum solo3525 acessosMetallica: e se James Hetfield cantasse no Megadeth?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

SlayerSlayer
Kerry King detona o novo álbum do Megadeth

Dave MustaineDave Mustaine
Sem Steven e Izzy não é uma reunião do GNR

MegadethMegadeth
Como Dave compara Kiko com os guitarristas anteriores

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"

Cornos do RockCornos do Rock
A dor e o peso do chifre em três belas canções

RodolfoRodolfo
100% arrependido das letras dos Raimundos

Mamonas AssassinasMamonas Assassinas
Músicos já sabiam que iam morrer?

5000 acessosSlayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido5000 acessosRock In Rio I: Pra quem tem menos de quarenta anos fica difícil imaginar5000 acessosRolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutos5000 acessosDoc Martens: Rockstars mortos em propaganda de sapatos5000 acessosJimi Hendrix: fotos raras da época em que era inquilino de Ringo Starr3980 acessosAlice In Chains: quando Jerry foi detido armado no aeroporto

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online