Matérias Mais Lidas

imagemA música do Raul Seixas com erro gramatical que parece um plágio mas é uma homenagem

imagemO arrependimento que David Bowie carregava em relação a Elvis Presley

imagemRick Wakeman relembra época em que o Yes abria show para o Black Sabbath

imagemRolling Stones: Keith Richards compara tocar com Brian Jones, Mick Taylor e Ron Wood

imagemTestament está confirmado na edição brasileira do Summer Breeze, segundo jornalista

imagemA dura bronca dos Titãs em Nando Reis durante gravação de "Titanomaquia"

imagemShow do Dream Theater em São Paulo não será mais realizado no Pavilhão Pacaembu

imagem4 hits do Deep Purple cujos riffs Ritchie Blackmore já confessou ter copiado

imagemA reação de Stevie Ray Vaughan ao ouvir Jimi Hendrix pela primeira vez

imagemO hit dos Engenheiros sobre Humberto não querer ser guru dos jovens igual Renato Russo

imagemThin Lizzy e o álbum picareta de covers do Deep Purple que garantiu sua sobrevivência

imagemConheça o guitarrista brasileiro de 16 anos que estará no próximo clipe do Megadeth

imagemRoger Waters sobre tocar Pink Floyd sem David Gilmour: "Não tenho problema algum"

imagemRob Trujillo presta tributo ao Rage Against The Machine após shows em Nova Iorque

imagemCinquenta grandes músicas lançadas por bandas de rock e heavy metal em 2022


Stamp

Adrede: uma rara mistura original de Rap e Rock

Resenha - Em Nome Da Sujeira - Adrede

Por Giorgio Moraes
Em 22/06/09

A mistura de Rap e Rock emoldurando letras que se traduzem em ferozes críticas sociais não é mais novidade pra ninguém. Para alguns já soa até como saturação! No passado recente, o Brasil presenciou o nascimento de pelo menos meia dúzia de bandas nesse estilo - assim como viu também o desaparecimento das mesmas. Então, por que será que o Adrede - uma banda que usa e abusa dessa receita - consegue ser tão original com "Em Nome Da Sujeira"?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Oriundos de Indaiatuba, Xavier e Roger (voz), R3 (DJ), Marcelo (bateria), Guto (baixo) e China (guitarra) forjam uma sonoridade que propõe cruzar a politização dos Racionais com a visceralidade do Sepultura. Alternando o vocal falado de Xavier com o grito primal de Roger, o Adrede abre o CD desnudando a própria trajetória na faixa que leva o nome da banda: "Nunca tive medo de mostrar a cara, pra tudo na vida sempre tem a hora exata". Esse estilo direto e radicalmente objetivo está marcado a ferro e fogo nas 12 músicas que compõem "Em Nome Da Sujeira". Isso unido a riffs vigorosos, que vão do Hardcore ao New Metal, scratchs e pedaços de músicas de outros artistas (até Roberto Carlos entrou na festa).

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O radicalismo do Adrede, entretanto, não se traduz em imposição de ideias, mas em exposição destas - numa tentativa de mostrar à sociedade que existe um mundo real para o qual ela insiste em fechar os olhos. "Impunidade", 7ª faixa do CD, é quase uma foto dessa passividade nociva: "Você concorda em assistir, sem reagir e nem se preocupar". "O Troco", que traz as guitarras do sempre inspirado Andreas Kisser, também deixa transparecer essa ânsia em ser ouvido: "Desculpa aí, quero falar. Mas parece que você não quer me escutar". "Mídia Urbana", com sua construção melódica que lembra a boa fase do Limp Bizkit, fala exatamente do poder midiático em manipular a verdade dos fatos em prol de um jogo de interesses; "Em Nome Da Sujeira" traz o embrutecimento humano diante das circunstâncias da vida; e "Jam" encerra os trabalhos mostrando que a galera do Adrede tem personalidade própria - e que não está interessada em abrir mão dela: "Se eu cumprir a tua regra, eu perco a diversão".

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Destaco a produção de Caio Ribeiro - que soube colocar sujeira onde era necessário (apesar de ter ficado com a impressão que a bateria poderia soar mais 'graúda') - e o trabalho gráfico de Klayton Luz, que conseguiu capturar o conceito do CD.

O Ministério da Saúde Musical adverte: Ouça. Pense. Realize.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net



publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Gibson: os 50 melhores covers da história do rock

Nirvana: Dave Grohl comenta sobre o funeral de Kurt Cobain


Sobre Giorgio Moraes

Giorgio Moraes, 33 anos, é formado em Letras. Natural do Rio de Janeiro, ele reside a 20 anos em São Luis do Maranhão. Tem em seu currículo shows como Raimundos, Detonautas, Skank, e a histórica apresentação dos Stones em Copacabana, no ano de 2006. Escritor, atualmente divulga seu 1º Ebook de poesia.

Mais informações sobre

Mais matérias de Giorgio Moraes.