Distort: apenas 38 minutos, mas intensidade das maiores

Resenha - Terror Against Greed - Distort

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurício Dehò
Enviar Correções  

7


Depois de anos sumido da cena, o guitarrista Cristiano Fusco volta a mostrar suas palhetadas com a estréia de sua nova banda, o Distort. Para quem não está familiarizado, Fusco foi integrante original do Torture Squad – depois substituído por Maurício Nogueira posto nas seis cordas -, e agora volta a colocar um disco na praça, intitulado "Terror Against Greed".

Metal: adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?

Rita Lee: Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice Cooper

Como era de se esperar, o peso que Fusco praticava anteriormente e que já está escrito na história, principalmente com o álbum "The Unholy Spell" não ficou para trás. O Distort apresenta um Thrash Metal bem de raiz, com muitas influências do Hardcore e, assim, do Crossover de D.R.I. e outra bandas do gênero.

São apenas 38 minutos, mas a intensidade é das maiores nestas oito faixas. Mesmo sendo poucas composições, dá para sacar qual é a do Distort, que deve agradar aos fãs dos estilos já citados. O grande potencial da banda fica pelo instrumental, maestrado muito bem pelas guitarras de Fusco e uma mão que nunca peca nas palhetadas.

Exemplo deste peso das guitarras é "Mad as a Hatter", que é complementada pelo baixo de Caio Correa, bem alto na produção conduzida por Ciero (Da Tribo), e com um bom resultado – Thiago Medeiros é o baterista. O que ainda precisa de trabalho é o vocal de Marcelo D. Dias (M.D.D.), coincidentemente ou não também um ex-Torture. Apesar de ser bom em seus urros, percebe-se uma falta de pegada, algo que deixe ainda mais verdadeira a raiva passada pelas músicas e que dê personalidade ao Distort.

Entre as oito faixas, o Hardcore aparece como influência mais evidente em "Shotgun", com palhetadas cortantes, e os riffs de "Blowing Up" também são memoráveis. Já "Hidden Thoughts" tem linhas de vocal muito criativas, que prendem na cabeça.

O Distort chega como mais uma boa banda do rico Metal Extremo brasileiro e tem muito potencial para seguir em frente fazendo um bom papel, seja pela energia, as composições, ou nomes de peso como é o de Cristiano Fusco, que ressurge com um ótimo trabalho. O potencial é grande e o resultado pode ser ainda melhor, mas o primeiro passo foi dado com firmeza.

Integrantes:
Cristiano Fusco – guitarras
Marcelo M. Dias – vocal
Caio Correa – baixo
Thiago Medeiros – bateria

Track List:
01. Terror Against Greed
02. Mad As A Hatter
03. Hidden Thoughts
04. Blowing Up
05. Shotgun
06. Modern Slave
07. Covering A Face
08. Thrashed Life

Lançamento nacional – Die Hard


Outras resenhas de Terror Against Greed - Distort

Distort: Thrash tão pesado quanto descompromissado




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metal: adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?Metal
Adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?

Rita Lee: Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice CooperRita Lee
Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice Cooper


Sobre Maurício Dehò

Nascido em 1986, é mais um "maidenmaníaco". Iniciou-se no metal ao som da chuva e dos sinos de "Black Sabbath", aos 11 anos, em Jundiaí/SP. Hoje morando em São Paulo, formou-se em jornalismo pela PUC e é repórter de esportes, sem deixar de lado o amor pela música (e tentando fazer dela um segundo emprego!). Desde meados de 2007, também colabora para a Roadie Crew. Tratando-se do duo rock/metal, é eclético, ouvindo do hard rock ao metal mais extremo: Maiden, Sabbath, Kiss, Bon Jovi, Sepultura, Dimmu Borgir, Megadeth, Slayer e muitas, muitas outras. E é de um quarteto básico que espera viver: jornalismo, esporte, música e amor (da eterna namorada Carol).

Mais matérias de Maurício Dehò no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin