Motörhead: aprovado com louvor no fator tempo

Resenha - Iron Fist - Motörhead

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Maurício Dehò
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Na série de relançamentos do Motörhead, trazida ao Brasil pela Dynamo Records, outro título encontrado em versão estendida é mais um clássico do power trio: "Iron Fist". A montanha-russa da banda subiu ("Overkill"), subiu ("Ace of Spades") e subiu ("No Sleep 'Til Hammersmith"). Mas nem tudo dura para sempre. Apesar de mais um disco memorável na carreira dos britânicos, "Iron Fist", lançado em janeiro de 1982, foi o começo da descida do grupo – que, felizmente, nunca chegou a afundar.
232 acessosMotorhead: Jogo "Through the Ages" será lançado em Maio5000 acessosEdu Falaschi: os dez vocalistas brasileiros preferidos dele

A ironia é que a produção ficou a cargo do guitarrista Eddie Clarke, ao invés de prosseguirem com Vic Maile, que esteve no então último disco, "Ace of Spades". E, logo em seguida, o guitarrista deixaria a banda, em conflito com Lemmy. Ao invés de toda a sujeira e o peso que colocaram o Motörhead no topo, Clarke encaminhou o som de "Iron Fist" para um lado mais polido do que a banda vinha apresentando e com uma voz mais cheia de efeitos de um Lemmy um pouco robótico. Isto tirou um pouco daquele peso e do aspecto direto do último disco e fez do trabalho mais acessível. Mas não foi um problema tão grande, visto que o "padrão Motörhead de qualidade" está carimbado nas composições.

Se o comecinho no baixo de "Ace of Spades" deu certo, por que não tentar de novo? Desta boa aposta surgiu a faixa-título "Iron Fist", melhor disparada do CD, com riffs simples, mas certeiros, e um refrão simplesmente histórico, que gruda na cabeça na hora. Afinal, quem pode contra este Punho de Ferro!?

O trio nem precisa de comentários. Mesmo que Clarke já estivesse de saída, a experiência de meia década juntos mostra que Lemmy, Clarke e o baterista Phil Taylor estão com os ponteiros acertados. Desde o início, é som atrás de som. "Heart of Stone" é veloz, intensa. "I'm the Doctor" traz o vozeirão rouco de Lemmy mais grave que o usual, mandando ver numa letra replete de ironia. "Go To Hell", mais cadenciada e liderada pela guitarra, é uma das melhores, e a influência do Blues é total em "Loser".

O riff de "America" é repetido tantas vezes, que é impossível não ficar com um eco na cabeça com todo o seu groove, assim como na gingada de "Bang to Rights". Já o Rock e o Hard mais acessíveis são representados em momentos como de "(Don't Need) Religion" e nos grandes riffs da mais pesada "Shut it Down".

O relançamento da Dynamo é cheio de versões. "Remember me, I'm Gone", não presente no repertório original tem sua versão normal e uma com vocais alternativos, intitulada "Same Old Song, I'm Gone". Já "Heart of Stone" torna-se a boa "Lemmy Goes to the Pub", enquanto "(Don't Let 'em) Grind You Down", pouco muda. Talvez o mais diferente seja a versão instrumental para "Sex & Outrage", a violenta "Young and Crazy".

"Iron Fist" é mais um grande momento do Motörhead, apesar de ter sido alvo de polêmica por ser um pouco mais acessível, principalmente após o pé-na-porta "Ace of Spades". Mas, calma lá, a agressividade é um item fundamental para esta banda e, definitivamente, este trabalho é digno de estar na discografia do Motörhead. Quem decide mesmo é o fator tempo e nisso este álbum foi aprovado com louvor. Altamente recomendado.

Track List:
1. "Iron Fist" – 2:55
2. "Heart of Stone" – 3:04
3. "I'm the Doctor" – 2:43
4. "Go to Hell" – 3:10
5. "Loser" – 3:57
6. "Sex & Outrage" – 2:10
7. "America" – 3:38
8. "Shut it Down" – 2:41
9. "Speedfreak" – 3:28
10. "(Don't Let 'em) Grind You Down" – 3:08
11. "(Don't Need) Religion" – 2:43
12. "Bang to Rights" – 2:43
13. "Remember Me, I'm Gone" – 2:18
14. "(Don't Let 'em) Grind You Down" (versão alternativa) – 3:09
15. "Lemmy Goes to the Pub" (alternativa de "Heart of Stone") – 3:02
16. "Same Old Song, I'm Gone" (alternativa de "Remember Me, I'm Gone") – 2:20
17. "Young and Crazy" (versão instrumental de "Sex & Outrage") – 2:12

Formação:
Lemmy Kilmister- baixo e vocal
Eddie Clarke – guitarra
Phil Taylor - bateria

Lançamento nacional – Dynamo Records*
Também estão sendo relançados "Ace of Spades", "Overkill" e "Another Perfect Day". Posteriormente estarão disponíveis ainda "No Remorse" e "Rock 'n' Roll".

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Phil AnselmoPhil Anselmo
Lemmy sentia dor mas não queria deixar o palco

232 acessosMotorhead: Jogo "Through the Ages" será lançado em Maio1113 acessosMotorhead: Novas estátuas de Lemmy e Warpig pela KnuckleBonz1575 acessosMulheres: por que os feios, porcos e maus do rock as atraem?251 acessosBlend Guitar: em vídeo, Top 10 Heavy Metal Bands1098 acessosStar Wars: cosplay funde Lemmy Kilmister a Stormtrooper0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Motorhead"

SlashSlash
15 grandes registros em músicas de outros artistas

Ozzy para LemmyOzzy para Lemmy
Nos veremos do outro lado

Regis TadeuRegis Tadeu
Minha homenagem ao Lemmy... enquanto ele está vivo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Motorhead"

Edu FalaschiEdu Falaschi
Os dez vocalistas brasileiros preferidos dele

Raul SeixasRaul Seixas
Por trás da letra de "Carimbador Maluco"

Mr. CatraMr. Catra
Se comparando a Coverdale e salvador do Rock

5000 acessosRockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e Deus5000 acessosGuns N' Roses: DJ Ashba fala sobre sua infância sofrida5000 acessosGóticas: 10 grandes bandas do gênero na Inglaterra dos anos 804138 acessosKorn: O que acontece quando um casal de pirralhinhos escuta a banda5000 acessosLoudwire: Top 10 bandas americanas de metal5000 acessosMetallica: as músicas do "Black Album", da pior para a melhor

Sobre Maurício Dehò

Nascido em 1986, é mais um "maidenmaníaco". Iniciou-se no metal ao som da chuva e dos sinos de "Black Sabbath", aos 11 anos, em Jundiaí/SP. Hoje morando em São Paulo, formou-se em jornalismo pela PUC e é repórter de esportes, sem deixar de lado o amor pela música (e tentando fazer dela um segundo emprego!). Desde meados de 2007, também colabora para a Roadie Crew. Tratando-se do duo rock/metal, é eclético, ouvindo do hard rock ao metal mais extremo: Maiden, Sabbath, Kiss, Bon Jovi, Sepultura, Dimmu Borgir, Megadeth, Slayer e muitas, muitas outras. E é de um quarteto básico que espera viver: jornalismo, esporte, música e amor (da eterna namorada Carol).

Mais matérias de Maurício Dehò no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online