Matérias Mais Lidas

imagemDave Mustaine perde a compostura e xinga membro da equipe do Judas Priest

imagemO mega sucesso do Led Zeppelin que era pra ser uma piada mas se tornou um hino

imagemA banda de hard rock dos anos 1970 que é a queridinha de Xande de Pilares

imagemO que Lemmy Kilmister aprendeu trabalhando como roadie de Jimi Hendrix

imagem"Master Of Puppets" entra no top 30 global do Spotify depois de "Stranger Things"

imagemMetallica em "Stranger Things" deixa fãs preocupados com a "popularização" da banda

imagemAngra: vídeos e setlist de show celebrando "Rebirth" em SP, com convidada especial

imagemLed Zeppelin ou Pink Floyd, qual dos dois vendeu mais discos de estúdio?

imagemGuitarrista original do Mercyful Fate solta os cachorros por ter ficado fora de reunião

imagemMorre Patricia Kisser, esposa do guitarrista Andreas Kisser

imagemGuns N' Roses: A crítica de Portnoy ao trabalho de Matt Sorum

imagemFilho de Trujillo fez guitarra na "Master of Puppets" que toca em Stranger Things

imagemAxl Rose teria sofrido ataque de ansiedade antes de show, diz jornal

imagemSlash explica porque o Guns N' Roses faz shows de 3 horas e meia

imagemAerosmith: Steven Tyler deixa reabilitação e morre esposa de Joey Kramer


Stamp

Candlemass: os pais do Doom Metal de volta

Resenha - King Of The Grey Islands - Candlemass

Por Maurício Dehò
Em 23/02/08

Nota: 9

Depois de um bocado de confusão com a saída do (excelente e temperamental) vocalista Messiah Marcolin, os pais do Doom Metal voltaram com força total e renovados. Já são mais de duas décadas de história, sacramentada em oito álbuns de estúdio. Com a entrada de Robert Lowe, que também canta no Solitude Aeturnus, o mais novo disco – o nono –, intitulado "King of the Grey Islands", põe-se junto aos melhores na coleção dos suecos do Candlemass.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como é de se esperar da banda liderada pelo baixista Leif Edling, aquelas características fundamentais e que definem o som do grupo estão lá. O que mudou mesmo foi nos vocais, uma vez que há bastante diferença entre os típicos de Messiah Marcolin, que tem um timbre muito próprio, e o de seu substituto. Lowe vai por um caminho mais ligado ao Metal Tradicional, com um uso maior de agudos e trechos mais rasgados. Sim, as duas fases do Candlemass são diferentes, mas isso não quer dizer que falte qualidade no novo trabalho. Pelo contrário.

Todo o peso e a melancolia vêm desde a intro, "Prelude", que é bem sombria e apresenta "Emperor of the Void", uma daquelas que já vale o disco. Os riffs firmes de Lars Johansson e Mats Björkman ecoam de forma violenta, uma guitarra com o famoso "wah-wah" dá um toque a mais e o ritmo é consistente, só aumentando o peso. A composição é muita boa, com o refrão bradando a letra que deu nome ao disco - bela capa por sinal. O destaque fica pelo clima grandioso, que é enfatizado por um teclado bem discreto, mas eficiente, além da voz de Lowe, se encaixando perfeitamente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco segue com "Devil Seed", que tem um andamento mais arrastado e linhas simples, elementos típicos do Doom dos suecos. A faixa parece saída de um filme de terror e remete bastante ao som que o Black Sabbath fazia em seus primórdios. A voz de Lowe trás um desespero especial, ainda mais nesta faixa, que tem a letra falando do vazio existencial. Enquanto isso, "Of Stars and Smoke" tem tudo que o Candlemass costuma fazer, mas um refrão mais melódico, muito bom também.

Outros bons momentos vêm em faixas como "Demonia 6", "Man of Shadows", com grandes solos de Johansson e um refrão bem dark, além de "Clearsight", que mostra linhas de vocal muito boas por Robert Lowe. Para encerrar, uma intro instrumental para a faixa mais longa do disco, a épica "Embracing the Styx", com oito minutos. Além do clima grandioso, há muitas variações, como um momento só no baixo – cheio de distorção – e o final mais lento, no violão.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Talvez o único porém do disco fique na parte de produção. No geral, tudo é muito bom, pesado, mas poderia haver esta preocupação também com a bateria de Jan Lindh. Apesar da precisão segurando o ritmo, em alguns momentos as faixas pedem mais e as batidas ficam um pouco "escondidas" atrás das guitarras, sempre em primeiro plano.

O belo bônus da edição fica com os dois clássicos do Candlemass "Solitude" e "At the Gallows End" – creditados fora de ordem na contra-capa –, regravados na voz do novo integrante. O resultado é muito bom. Claro que pinta uma saudade das versões originais, já que elas já estão gravadas nas mentes do fãs da banda, mas dizer que Lowe faz um serviço ruim é simplesmente impossível. E a gravação bem crua, 100% real, só dá mais crédito à atual formação dos suecos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Leif Edling & Cia não deixaram a saída de Messiah Marcolin abalar a banda. Pelo contrário, tiveram peito para chamar um vocalista totalmente diferente, mas sem perder a identidade de mais de duas décadas de Doom Metal. "King of the Grey Islands" é um item que se encaixa entre os melhores da carreira do Candlemass, então, se você ainda não ouviu, corra atrás. Aliás, demorou!

Formação:
Robert Lowe – vocal
Mats Björkman - guitarra-base
Lars Johansson – guitarra
Leif Edling – baixo
Jan Lindh – bateria

Track List:
1. Prologue
2. Emperor of the Void
3. Devil Seed
4. Of Stars and Smoke
5. Demonia 6
6. Destroyer
7. Man of Shadows
8. Clearsight
9. The Opal City
10. Embracing the Styx
11. Solitude
12. At the Gallows End

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Lançamento Nacional - Rock Brigade Records/Laser Company

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Candlemass lançará "doom lager", uma cerveja "escura como a noite"

Candlemass terá "Epicus Doomicus Metallicus" remasterizado e com bônus pelos 35 anos




Sobre Maurício Dehò

Nascido em 1986, é mais um "maidenmaníaco". Iniciou-se no metal ao som da chuva e dos sinos de "Black Sabbath", aos 11 anos, em Jundiaí/SP. Hoje morando em São Paulo, formou-se em jornalismo pela PUC e é repórter de esportes, sem deixar de lado o amor pela música (e tentando fazer dela um segundo emprego!). Desde meados de 2007, também colabora para a Roadie Crew. Tratando-se do duo rock/metal, é eclético, ouvindo do hard rock ao metal mais extremo: Maiden, Sabbath, Kiss, Bon Jovi, Sepultura, Dimmu Borgir, Megadeth, Slayer e muitas, muitas outras. E é de um quarteto básico que espera viver: jornalismo, esporte, música e amor (da eterna namorada Carol).

Mais matérias de Maurício Dehò.