Fear Factory: do Death Metal ao Groover Metal

Resenha - Demanufacture - Fear Factory

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por João Vitor Medeiros
Enviar Correções  


O Fear Factory era uma banda que já mostrava a que veio com o seu álbum de estréia, "Soul Of A New Machine", um verdadeiro show de peso que só o death metal nos proporciona. E o álbum seguinte? Seria o mesmo death, de novo? Bem... Não!

Fear Factory: o dia que a banda mandou um belo "fuck you" para o Radiohead

Astros do rock: o patrimônio líquido de cada um

O ano era 1995, período em que o heavy metal estava passando por mudanças. O new metal ainda estava de fraldas e o bom e velho thrash metal estava se transformando, graças a bandas como Pantera, Sepultura, Machine Head e Fear Factory, que com petardos como "Vulgar Display Of Power", "Far Beyond Driven", "Chaos A.D.", "Burn My Eyes" e "Demanufacture" moldaram um novo gênero do thrash: o groove metal, caracterizado pela sonoridade moderna, com muito mais raiva, guitarras demolidoras, riffs que grudam como chiclete na cabeça, o que conseqüentemente influenciaria o tal do new metal.

Foi nesse thrash versão anos 90 que o FF mergulhou de cabeça. "Demanufacture" ("produzir em manufatura", num sentido mais aproximado), segundo álbum de estúdio da banda, mescla elementos do dito groove metal com o industrial. O deathgrind executado no primeiro álbum foi sepultado. O grupo mudou quase que radicalmente de estilo. Isso significa menos peso? Mero engano! O que está ali é uma banda madura, que toca com muita garra e muito feeling.

Seis características de Demanufacture:

1) o FF incorpora de vez elementos de música eletrônica nas 11 faixas do álbum, mas sem exagerar ou apelar para o artificial ou sintético - Raymond Herrera , até onde eu sei, não é nenhum cyborg vindo do futuro, programado para tocar velozmente bateria.

2) Burton C. Bell, um vocalista super versátil, com uma voz excelente esbanjando melodia e peso nas canções (a última faixa é de chorar - de emoção!).

3) as guitarras marcantes de Dino Cazares, pesadas como deve obrigatoriamente ser!

4) "e o baixo?" Christian Olde Wolbers entraria posteriormente para a banda, mas as cordas mais graves nas gravações ficaram a cargo de Dino.

5) FF é uma banda obrigatória numa espécie de trilha sonora do futuro, da ficção científica dos filmes hollywoodianos, de animes como Ghost In The Shell e Bubblegum Crisis e de livros de Isaac Asimov (célebre escritor de sci-fi, autor de "Eu, Robô"). Os temas futuristas como tecnologia, ciência e robótica - a luta do homem contra a tirania e opressão da máquina - estão presentes nas letras, de autoria de Burton.

6) músicas de destaque: apenas TODAS.

Por esses fatores "Demanufacture" é um clássico e é o álbum mais importante do FF. Enfim, para se ter na discografia básica de qualquer amante de música pesada e de qualidade, sem dúvida.

FEAR FACTORY - DEMANUFACTURE

1. DEMANUFACTURE
2. SELF BIAS RESISTOR
3. ZERO SIGNAL
4. REPLICA
5. NEW BREED
6. DOG DAY SUNRISE
7. BODY HAMMER
8. FLASHPOINT
9. H-K (HUNTER KILLER)
10. PISSCHRIST
11. A THERAPY FOR PAIN

Formação:
Burton C. Bell: vocal
Dino Cazares: guitarra e baixo
Raymond Herrera: bateria


Outras resenhas de Demanufacture - Fear Factory

Resenha - Demanufacture - Fear Factory

Resenha - Demanufacture - Fear Factory


adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin