Gypsy Pistoleros: Hard com influência flamenca?

Resenha - Wild, Beautiful, Damned! - Gypsy Pistoleros

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


Bom, quando achamos que não há mais o que se misturar ao rock´n´roll, aparece alguém fazendo algo realmente diferente. O Gypsy Pistoleros vem da Inglaterra e tem como embrião o White Trash, onde o vocalista Lee teve a oportunidade de tocar nos anos 80 com Ramones, Dio, Black Sabbath, entre vários outros grupos. Tudo ia bem para uma banda iniciante, até que resolveram incorporar a seu Hard Rock um gênero musical tradicional da Espanha, o Flamenco. Na época, isso foi considerado um sacrilégio, imagine a ousadia! Ritmos latinos 'sujando' a 'pureza' do Hard Rock... Mas o White Trash insistiu e aguentou a barra até a segunda metade da década seguinte, quando acabou por se dissolver.

Agora Lee Pistolero voltou à ativa com outro bando: Iggie Pistolero (guitarra), Angel Pistolero (baixo) e Leeroy Pistolero (bateria), que se autodenominam Gypsy Pistoleros e estão estreando com "Wild, Beautiful, Damned!". A idéia aqui é manter ainda mais distância do rock´n´roll convencional, pois agora sua música vem realmente baseada no Flamenco, misturada ao Hard Rock sujo e ainda o rock clássico. E a coisa toda não pára por aí, pois além das guitarras dividirem espaço com os trompetes, muitas das músicas são cantadas em inglês misturado com um espanhol bem vulgar, de rua mesmo.

publicidade

Ainda que alguns arranjos pareçam similares entre si, o resultado é uma maçaroca sonora infame e alto-astral (realmente garante boas risadas!), que intriga o ouvinte despreparado. Mas quando o cérebro consegue digerir este coquetel apimentado, vamos percebendo que o Gypsy Pistoleros merece muito crédito, pois elaborou composições muito bem sucedidas como a veloz "The Crazy Loco Loquito", "Una Para Todo Es Bandido!" e "What's It Like To Be A Girl In The House Of 1000 Dolls?". E como seus músicos parecem adorar a cultura da Espanha, fizeram um cover de Los Chunguitos (grupo de rumba deste país que está na ativa desde os anos 70), onde infernizam com "Shotgun Kiss Is Ay Que Dolor".

publicidade

Há uma balada acústica chamada "Moonchild" e momentos mais hard/glam ficam por conta de "Un Hombre Sin Rostro, Pistolero" (mas que refrão!!!), a pesadíssima "1-2-3-4 Kiss Me Then I'm Damned For Sure", "Switchblade Kiss Comes Close" e ainda "Jet, Jet, Jet Boyz", que fecha o CD. Tudo é bastante insano, merecendo destaque a potente e debochada voz de Lee e o pistoleiro Iggie, cuja guitarra está em total sintonia com a proposta do grupo. Se alguém já assistiu a algum filme de Quentin Tarantino e prestou atenção em suas trilhas sonoras, terá uma vaga noção do que é "Wild, Beautiful, Damned!".

publicidade

Gypsy Pistoleros conseguiu debutar com um álbum que possui uma personalidade um tanto quanto curiosa. Vai dividir as opiniões? Com certeza! Mas este é mais um dos motivos para ser conhecido, principalmente por quem aprecia Mötley Crüe, Hanoi Rocks e Ramones, que também são as influências admitidas pelos pistoleiros. Mas não apenas o pessoal que curte o glam deve correr atrás deste álbum... "Wild, Beautiful, Damned!" merece uma boa conferida por parte daqueles que estão sempre em busca de algo diferente no universo do rock´n´roll.

publicidade

Gypsy Pistoleros - Wild, Beautiful, Damned!
(2007 / Evil Boy Records - importado)

01. The Crazy Loco Loquito
02. Un Hombre Sin Rostro, Pistolero
03. Forever Is Para Siempre
04. What's It Like To Be A Girl In The House Of 1000 Dolls?
05. Una Para Todo Es Bandido!
06. Senor Mangi Acqui
07. Moonchild
08. Switchblade Kiss Comes Close
09. Jet, Jet, Jet Boyz
10. Shotgun Kiss Is Ay Que Dolor
11. 1-2-3-4 Kiss Me Then I'm Damned For Sure

publicidade

Homepage: www.gypsypistoleros.co.uk




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


King Diamond: Alguém já o viu sem a maquiagem?King Diamond
Alguém já o viu sem a maquiagem?

Polêmica: as músicas mais controversas da história do RockPolêmica
As músicas mais controversas da história do Rock


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin