Dark Empire: sem frescuras, rápido e pesado

Resenha - Distant Tides - Dark Empire

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

9


Rapaz, mas este é o típico álbum que consegue levantar algumas sobrancelhas! O Dark Empire tem como base New York e começou suas atividades em 2004 pelo obscuro guitarrista Matt Moliti, que no mesmo ano começou a preparar as composições visando um álbum de estréia. O vocalista considerado ideal foi encontrado na Suécia e seu nome é Jens Carlsson (Persuader, Savage Circus), já com certo nome no underground; e o projeto se completou com a aquisição do baixista Noah Martin, que prontamente recomendou para o posto de baterista o finlandês Teemu Tahkanen. Ou seja, sua formação é quase uma Torre de Babel...

As gravações começaram em 2005, com as guitarras, teclados e baixo gravados no estúdio do próprio Matt, enquanto Teemu e Jens gravaram suas partes em seus países de origem. Após a mixagem, vem a parte realmente difícil: encontrar uma gravadora interessada em investir em um nome desconhecido. Bom, para encurtar a história, "Distant Tides" viu a luz do dia somente em abril de 2006, e de forma independente mesmo. Mas, como as críticas foram extremamente favoráveis nas revistas e webzines mundo afora, este belo registro está chegando ao mercado brasileiro via Rock Machine Records.

publicidade

O líder Matt Moliti realmente tinha várias e boas idéias para a concepção de "Distant Tides". Apesar de todos executarem suas funções de forma irrepreensível, os méritos vão mesmo para Matt, que além de orientar as canções com suas guitarras furiosas – muitas vezes beirando a virtuose, com algumas evidentes referências da música clássica – também se sai de forma perfeita nos teclados. Este instrumento é bastante utilizado, seja de forma conservadora ao dar um simples apoio às bases, ou então realmente competindo com os solos das guitarras.

publicidade

Outro grande destaque é o surpreendente e talentoso vocalista Jens Carlsson. Sua escolha foi acertadíssima, pois sua forma de cantar é bastante agressiva, mas melódica, o que adiciona em muito à natureza já totalmente Heavy Metal das canções. O resultado é um álbum com uma gravação moderna, repleto da energia e emoção do Power Metal e alguns bem encaixados elementos 'mezzo' extremos, como as linhas vocais praticamente guturais da faixa-título. No final do dia, o Dark Empire é um dos vencedores, passando por cima de inúmeros nomes já consagrados no estilo.

publicidade

Com sete canções (duas instrumentais) onde não há pontos fracos, "Distant Tides" se torna indispensável a quem aprecia toda a integridade do Heavy Metal como ele dever ser: sem frescuras, rápido, pesado e muito bem elaborado. O que mais um leitor do Whiplash! pode querer?

Dark Empire - Distant Tides
(2007 / Rock Machine Records)

01. We Will Never Die
02. The Alchemist
03. A Soul Divided
04. Distant Tide 05. Northern Sky
06. The Final Vision
07. Eternal Light (faixa-bônus)

publicidade

Homepage: www.DarkEmpire.nu




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Osama Bin Laden: O que havia na sua coleção de cassetes?Osama Bin Laden
O que havia na sua coleção de cassetes?

Guns N' Roses: álcool, drogas e intrigas nos primórdios da bandaGuns N' Roses
álcool, drogas e intrigas nos primórdios da banda


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin