Covenant: competência entre o industrial e o dark

Resenha - Skyshaper - Covenant

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Quando recebi o novo CD do Covenant, pensei: “será que a Hellion sabe o que está fazendo?”. Não no sentido de ser arriscado lançar o álbum por aqui, já que, sem dúvida, ele tem potencial para dar muito mais retorno do que grande parte do material de qualidade duvidosa que ela põe no mercado. Mas porque “futurepop/EBM” nunca foi a praia dela. Nem de longe.
5000 acessosRockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e Deus5000 acessosOzzy Osbourne: No Rock In Rio, má impressão sobre o Brasil

Independente das jogadas mercadológicas que qualquer selo se aventure, é extremamente saudável que obras como essa sejam lançadas em versão nacional por aqui – caso raro. Os suecos do Covenant, chegando ao seu sexto trabalho, firmaram-se como um dos principais nomes do estilo na década de 90, e “Skyshaper” traz bons motivos para que continuem no topo.

O primeiro verso cantado: “we, make, ritual noise”, é sintomático e define bem a sonoridade que transita com competência entre o industrial e o dark ambient, gerando um EBM mais palatável aos não-experts, contagiante e gostoso de se ouvir, bastante eficaz em sua proposta.

Os vocais de Erick Simonsson sem dúvida colocam a banda num outro patamar. Facilmente reconhecível, seu tom grave impõe respeito, construindo melodias marcantes e memoráveis, como em “The Men”.

Já “Happy Man”, e toda sua ironia, é basicamente um interlúdio para que “Brave New World” abra seu espaço. Talvez a melhor do play, demonstra com habilidade as várias faces do grupo, desde batidas mais duras e sincopadas – cerne de sua música – até o nítido acento pop.

Chama a atenção o modo como o Covenant consegue criar refrões fortes dentro das composições, algo não muito comum ao estilo, trazendo uma boa mescla entre a estrutura clássica da canção e os tempos incomuns, sombrios e saturados, a exemplo de “Greater Than The Sun”.

Cheio de pontos altos – “20 hz”, “The World Is Growing Loud” - explorando bem as batidas, sintetizadores e texturas, “Skyshaper” é garantia de música de qualidade para os apreciadores do estilo. Aos curiosos, vale a pena se aventurar pela jornada sensorial proposta pelo Covenant. Dificilmente se sai ileso após uma audição destas.

Site Oficial: www.covenant.se

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Covenant"

Blasfêmias?Blasfêmias?
Rockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e Deus

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
No Rock In Rio, má impressão sobre o Brasil

SlashSlash
Explicando como foi seu primeiro contato com Justin Bieber

5000 acessosSign of the horns: o sinal do Demônio5000 acessosBlack Sabbath: "Iron Man" em inusitado baixo artesanal5000 acessosManowar: você acha as fotos da década de 80 ridículas?5000 acessosQueen: garoto de 11 anos canta clássico no The Voice Kids Brasil3224 acessosSeparadas no nascimento: Tarja Turunen e Virgem Maria5000 acessosNazareth: Dan McCafferty, o cantor favorito de Axl Rose

Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online