Michael Kiske: qualidade longe do peso

Resenha - Kiske - Michael Kiske

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Wesley Kuhn
Enviar Correções  


Michael Kiske já causou muita polêmica no cenário musical. Após ter sido vocalista por oito anos do Helloween e ser considerado uma das vozes mais marcantes do cenário metálico, renunciou ao sucesso conquistado saindo da banda em 1994 para buscar uma vertente mais ligada ao Pop Rock e às experimentações musicais. O cantor foi alvo de crítica e muito desrespeito por parte de muitos "metaleiros" que o acusavam de traidor.

Iron Maiden: por que escolheram Blaze e não Michael Kiske ou Geoff Tate? Nicko responde

Astros do rock: o patrimônio líquido de cada um

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O resultado da mudança parecia ser um fracasso atrás do outro. Dois CDs nos quais as vendas foram pífias e o lançamento de uma nova banda, a Supared, que morreu após o lançamento de um álbum. Os insucessos fizeram com que muitos acreditassem que ele voltaria de vez à cena metálica. Mas a insistência do cantor acabou sendo recompensada. "Kiske", seu mais novo álbum, elaborado, produzido e mixado pelo próprio cantor, não deixa dúvidas de que ele pode sim ter êxito fora do Metal.

Nada de guitarras pesadas e vocais gritados como no seu passado do Helloween. Da primeira faixa à última, o disco, talvez o mais acústico de sua carreira, é um Pop Rock sutil, leve, com algumas pitadas de Alternativo, Folk, se aproximando até do Country na excelente canção "Silently Craving". O cantor, e também guitarrista, realiza ao lado dos músicos Sandro Giampietro (guitarra), Fontaine Burnett (baixo) e Karsten Nagel (bateria), uma sonoridade instrumental que consegue explorar muito bem o potencial das excelentes canções.

A sua voz inconfundível está ainda melhor que nos tempos de Helloween. Os agudos não são mais gritados e estridentes como na antiga banda, mas sim limpos e delicados. Basta ouvirmos a ótima "All-Solutions" e a romântica "Hearts Are Free", na qual ele faz dueto com a cantora Corinna Wolke para percebermos a melhora na sua técnica e no seu inglês, que na época do Helloween deixava bastante a desejar.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Se não bastasse a qualidade sonora, o novo álbum de Kiske é bem intimista, contando com letras que buscam a reflexão. O álbum conta até mesmo com uma resposta aos que o criticaram por suas mudanças sonoras na música "Kings-fall", onde ele fala que é um longo caminho para o topo, se você não quer Rock n´Roll.

Kiske parece ter acertado em cheio neste disco que tem tudo para ser um sucesso de vendas bem maior que seus antecessores. Porém, se você não gosta de ouvir coisas leves, desista, pois o cantor, a cada álbum, vem enterrando cada vez mais sua veia metálica.


Outras resenhas de Kiske - Michael Kiske

Resenha - Kiske - Michael Kiske

Resenha - Kiske - Michael Kiske




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Iron Maiden: por que escolheram Blaze e não Michael Kiske ou Geoff Tate? Nicko respondeIron Maiden
Por que escolheram Blaze e não Michael Kiske ou Geoff Tate? Nicko responde


Michael Kiske: O Iron Maiden vende a morte às pessoas!Michael Kiske
"O Iron Maiden vende a morte às pessoas!"

Michael Kiske: nunca fui chamado para o Iron MaidenMichael Kiske
"nunca fui chamado para o Iron Maiden"


Astros do rock: o patrimônio líquido de cada umAstros do rock
O patrimônio líquido de cada um

Judas Priest: 10 fatos que comprovam que eles são Heavy MetalJudas Priest
10 fatos que comprovam que eles são Heavy Metal


Sobre Wesley Kuhn

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Cli336x280 CliIL Cli336x280