Resenha - Kiske - Michael Kiske

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar Correções  

9


"Eu também gostaria de agradecer a todos os fãs de música inteligentes e de cabeça aberta, que deixam os músicos serem livres e verdadeiros e não se tornam xiitas contra a criatividade e nem inimigos da liberdade musical. Infelizmente, vocês se tornaram um tipo muito raro hoje em dia, mas estou aguardando ansioso o seu retorno". O trecho, extraído na íntegra do encarte de "Kiske", novo CD solo do vocalista Michael Kiske, já dá uma dimensão do que se pode esperar do álbum. Não espere obviedades. E esqueça o heavy metal da época do frontman à frente do Helloween e mesmo o hard rock energético de projetos como SupaRed e o fantástico Place Vendome. A surpresa pode decepcionar a muitos - mas pode agradar em cheio outro quinhão. Como este que vos escreve.

"Kiske" traz uma das melhores vozes roqueiras do planeta pisando no freio total e privilegiando principalmente as baladas. Nada de rock sujo, gritado, rasgado, distorções, agudos. Aqui, o lance é um rock sutil, suave, delicado, com muitas passagens folk e até uma levadinha country em "Silently Craving". Kiske deve ter ouvido muito rock inglês nos últimos anos, porque este trabalho tem um quê da cena alternativa da ilha da Rainha, aquela que gera tantas e tantas bandas que a crítica (salve, New Musical Express!) tanto adora idolatrar. Acaba soando como uma espécie de "Coldplay com tempero" - mas com duas diferenças fundamentais para o sucesso do produto final: 1) um instrumental muito mais intenso e encorpado, dando mais volume e força às canções e 2) no lugar de Chris "Mala" Martin, temos a voz incrível de Kiske nos microfones. E isso conta muito.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em um tipo de trabalho no qual não estamos acostumados a ouvi-lo, Kiske mostra versatilidade a toda prova. O alcance vocal irrepreensível pode ser facilmente detectado em "All-Solutions", mas definitivamente a coisa toda não se resume a um concurso de quem alcança a nota mais alta. Na bonitinha "Hearts Are Free", ele faz um gostoso dueto quase sussurrado com sua parceira costumeira Corinna Wolke, inimaginável há cerca de uma década. Já em "Sing My Song", somos apresentados à música que o Oasis sempre quis fazer, mas nunca conseguiu (damn, those Gallagher bastards!). E as melhores passagens da bolacha, "The King of It All" e "Truly", remetem sem fronteiras aos sons mais bacanas do R.E.M.. Dá pra imaginar? Acredite: dá.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Álbum extremamente pessoal e autoral, talvez o disco mais importante e emblemático da carreira do músico, "Kiske" é quase religioso, messiânico até, e fala nas entrelinhas sobre a sua atual situação musical e criativa, desiludido com a falta de inovação da cena do rock pesado e com as constantes cobranças dos fãs puristas que querem vê-lo tocando o metal do tipo Helloween pelo resto da vida. A resposta veio a cavalo, em uma obra inteiramente composta, produzida e mixada pelo próprio Kiske. Como exemplo, que tal este trecho de Kings-Fall:

"Can get a long way to the top / If you don't wanna rock 'n' roll / the party just don't stop / and all their beats won't go / I can breathe on my own / there's no need to pitch along / here's my breed, a silent tone / and I please no one, no!"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sutil e muito significativo, hã?

Vejam só, quem iria imaginar que o sujeito que embalou a minha adolescência aos gritos de "I Want Out" iria fazer o disco de rock mais bonitinho do ano?

Line-up:
Michael Kiske - Vocal e Guitarra
Sandro Giampietro - Guitarra
Fontaine Burnett - Baixo
Karsten Nagel - Bateria

Tracklist:
1. Fed by Stones
2. All-Solutions
3. Knew I Would
4. Kings-Fall
5. Hearts Are Free
6. The King of It All
7. Sing My Song
8. Silently Craving
9. Truly
10. Painted
11. Sad as the World

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Gravadora:
Hellion Records


Outras resenhas de Kiske - Michael Kiske

Michael Kiske: qualidade longe do peso

Resenha - Kiske - Michael Kiske




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Helloween: Kiske aceitaria reunião por 2 milhões de Euros?Helloween
Kiske aceitaria reunião por 2 milhões de Euros?

Helloween: veja Michael Kiske cantando clássicos no WackenHelloween
Veja Michael Kiske cantando clássicos no Wacken


Slayer: Kerry King fala sobre sua relação com religiõesSlayer
Kerry King fala sobre sua relação com religiões

Tico Santa Cruz: um comovente texto sobre suicídio de ChampignonTico Santa Cruz
Um comovente texto sobre suicídio de Champignon


Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Cli336 Cli336 Cli336 Cli336