Resenha - Live to Win - Paul Stanley

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernão Silveira
Enviar correções  |  Ver Acessos


Sem a maquiagem e a estrutura "empresarial" do Kiss, mas bem próximo de sua vocação para cantar hits capazes de agradar a todos, Paul Stanley quebra o silêncio e lança um novo trabalho solo no mercado - que chegou às lojas brasileiras em dezembro de 2006 (e foi lançado nos EUA em outubro). "Live to Win" não deixa de ser um alento para os fãs de Kiss que estão carentes de novidades por parte dos quatro astros mascarados.

Kiss: foto clássica é editada com integrantes atuais e fãs criticamDedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debate

Ao contrário do decepcionante "Asshole" (aliás, nome bem sugestivo para este disco), a atrapalhada aventura solo lançada por Gene Simmons em 2004, "Live to Win" é a cara de seu criador - o que deve agradar em cheio os fãs do "Star Child" Paul Stanley.

O co-líder do Kiss escapa das invencionices e acaba criando um álbum de fácil assimilação, agradável de ouvir. Na verdade, Paul compôs e produziu um disco de hard rock bem ao seu estilo, leve e despojado, capaz de içar novos fãs sem ofender os antigos devotos do Kiss.

O disco começa com a faixa-tema, "Live to Win", que tem uma levada mais roqueira e um refrão que logo gruda na memória. "Lift" e "Wake Up Screaming", as faixas seguintes, são rocks moldados ao gosto dos jovens, com toda cara de hits feitos sob medida para as rádios comerciais. Seguem a mesma linha as músicas "All About You" e "It's Not Me".

"Everytime I See You Around" e "Loving You Without You Know" são provas do talento especial de Paul Stanley para as baladas. Mas elas ficam atrás da bela "Second to None", faixa que Paul dedica à esposa, Erin - música que certamente é uma das pérolas do disco.

"Bulletproof" e "Were Angels Dare" são as faixas "mais Kiss" de todo o álbum, lembrando bastante a fase "Hot in The Shade" da banda de Paul e Gene.

Para os fãs de Paul Stanley, "Live to Win" é indispensável. Para os fãs das fases 80's e 90's do Kiss, o álbum é uma boa novidade. Preferências musicais à parte, "Live to Win" é mais uma prova de que o Star Child é uma estrela de brilho próprio.

Line-up:
Paul Stanley - Vocal, Guitarra e Percussão
Corky James - Guitarra e Baixo
John 5 - Guitarra
Brad Fernquist - Guitarra
Andreas Carlsson - Guitarra
Bruce Kilick: Baixo
Harry Sommerdahl: Teclado e sintetizadores
Russ Irwin: Teclado
Greg Kurstin: Piano
Victor Indrizzo: Bateria

Tracklist:
1 - LIVE TO WIN
2 - LIFT
3 - WAKE UP SCREAMING
4 - EVERYTIME I SEE YOU AROUND
5 - BULLETPROOF
6 - ALL ABOUT YOU
7 - SECOND TO NONE
8 - IT'S NOT ME
9 - LOVING YOU WITHOUT YOU NOW
10 - WHERE ANGELS DARE

Gravadora: Universal


Outras resenhas de Live to Win - Paul Stanley

Paul Stanley: "Live To Win", uma revisão 5 anos depoisResenha - Live to Win - Paul Stanley




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Paul Stanley"Todas as matérias sobre "Kiss"


Kiss: foto clássica é editada com integrantes atuais e fãs criticamKiss
Foto clássica é editada com integrantes atuais e fãs criticam

Kiss: sem Paul Stanley, banda faz show para tubarões brancos; veja vídeoKiss
Sem Paul Stanley, banda faz show para tubarões brancos; veja vídeo

Kiss: Vinnie Vincent relança disco instrumental em edição limitada e com preço salgadoKiss
Vinnie Vincent relança disco instrumental em edição limitada e com preço salgado

Kiss: show ainda vale o ingresso? (video)Kiss
Show ainda vale o ingresso? (video)

Kiss: preços dos ingressos e mais informações sobre shows no BrasilKiss
Preços dos ingressos e mais informações sobre shows no Brasil

Kiss: Seis shows são confirmados no Brasil para maio de 2020Kiss
Seis shows são confirmados no Brasil para maio de 2020

Kiss: turnê inteira na Oceania é cancelada após Paul Stanley ficar doenteKiss
Turnê inteira na Oceania é cancelada após Paul Stanley ficar doente

Kiss: A dolorosa hora do adeus...Kiss
A dolorosa hora do adeus...

Kiss: gripe de Paul Stanley faz banda adiar início da tour pela Oceania

Bob Kulick: detonando Kiss e o irmão Bruce por uso de marca sem autorizaçãoBob Kulick
Detonando Kiss e o irmão Bruce por uso de marca sem autorização

Kiss: baterista de 12 anos toca com a banda - e manda muito bemKiss
Baterista de 12 anos toca com a banda - e manda muito bem

Gene Simmons: Kiss, Bon Jovi, Maiden, e crianças africanasGene Simmons
Kiss, Bon Jovi, Maiden, e crianças africanas


Dedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debateDedo x Palheta
Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debate

Axl Rose: Um dos vocalistas com maior alcanceAxl Rose
Um dos vocalistas com maior alcance


Sobre Fernão Silveira

Paulistano, são-paulino, nascido nos "loucos anos 70" (1979 ainda é década de 70, certo?) e jornalista. Sua profissão já o levou a cobrir momentos antológicos da história da humanidade, como o título paulista do São Caetano, a conquista da Copa do Brasil pelo Santo André, a visita de Paris Hilton a São Paulo e shows de bandas como Judas Priest, Whitesnake, W.A.S.P., Megadeth, Slayer, Scorpions, Slipknot, Sepultura e por aí vai. Ainda tem muito gás para o nobre ofício jornalístico, mas acha que não vai muito mais longe depois de ter entrevistado Blackie Lawless, Glenn Tipton, Rogério Ceni e, claro, Paris Hilton.

Mais matérias de Fernão Silveira no Whiplash.Net.

adGooILQ