Resenha - P.R.A.Y. - Exhort

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 6

Escrever sobre este álbum é complicado. Por problemas diversos, "P.R.A.Y.", segundo trabalho do Exhort, só chega agora ao mercado, mais de uma década após a sua gravação, em 1994. O resultado é que detalhes que soavam inovadores na época, como a inclusão de percussão brasileira em algumas faixas, hoje soam como lugar comum.

Renato Russo: a história do maior nome do rock nacionalPink Floyd: Perguntas e respostas e curiosidades


O grupo, formado por Nando Machado no baixo e vocal, Marcos Kleine na guitarra, Sílvio Vartan na guitarra e vocal e Rick Verreschi na bateria, mostra nas onze faixas do disco um som maduro e bem construído. Isso é inegável, e não se discute. O que pega é que, em alguns momentos, a sonoridade do Exhort soa ultrapassada, deslocada do que se faz no heavy metal atual. Patriotices à parte, este é outro fator que não se pode negar.

Assim, canções como a faixa de abertura, "I'll Mind Mine", que causariam um impacto muito maior se lançadas há dozes anos atrás, hoje, em um mundo pós "Refuse/Resist", "Nothing To Say" e "Roots Bloody Roots", perdem muito de sua força. O tempo não perdoa, e quem ficou parado, independente do motivo, paga um preço alto.

A banda alcança resultados legais em faixas como "Pray", "Put Me To Sleep", "Segregate Me" e "Day Old Bread", mas nada com força suficiente para conquistar os bangers mais novos, acostumados a um tipo de som muito mais pesado e agressivo. Os fãs das antigas irão se deliciar, mas não são suficientes para levar o nome do Exhort mais longe do que os limites da Grande São Paulo.

"P.R.A.Y." é um álbum que tem o seu valor histórico, mas que perdeu grande parte do seu impacto e da sua força com o passar dos anos. Se este disco tivesse sido lançado na época em que foi gravado, a história poderia ser outra, mas agora, em 2006, não passa de mais do mesmo para a mercado metálico.

Uma pena, mas é isso.

Faixas:
1. I'll Mind Mine
2. Kill You First
3. Pray
4. Put Me To Sleep
5. Segregate Me
6. When The Shark Sleeps
7. Destiny
8. Solitary Struggle
9. Day Old Bread
10. Drunk Again
11. Hope And Glory




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Exhort"


Renato Russo: a história do maior nome do rock nacionalRenato Russo
A história do maior nome do rock nacional

Pink Floyd: Perguntas e respostas e curiosidadesPink Floyd
Perguntas e respostas e curiosidades

Milho Wonka: quem são os Posers do Rock hoje em dia?Milho Wonka
Quem são os Posers do Rock hoje em dia?

Slash: chapação, a louca e atraente Fergie e Axl RoseSlash
Chapação, a louca e atraente Fergie e Axl Rose

Top 5 Pantera: About.com elege os cinco melhores álbuns da bandaTop 5 Pantera
About.com elege os cinco melhores álbuns da banda

Incrível: primeira wall of death gravada com câmera de 360ºIncrível
Primeira wall of death gravada com câmera de 360º

Bruce Dickinson: Venha para o backstage e eu cuidarei de vocêBruce Dickinson
"Venha para o backstage e eu cuidarei de você"


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336