Resenha - Welterwerk - Drottnar

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


Realmente, o mundo dá voltas e nunca sabemos o que vem pela frente. Já há alguns anos vêm aparecendo por aí conjuntos de Black Metal Cristão. O Drottnar é um destes, e norueguês ainda por cima! Este paradoxo é algo que vem fazendo muitos dos blackbangers fãs de Darkthrone e Burzum espumarem de indignação e, por que não dizer, com certa razão. Mas como a liberdade de expressão é uma das conquistas mais importantes em qualquer sociedade, então haja resignação...

Esta banda começou sua carreira em 1996 tocando death metal sob o nome Vitality, porém sua música começou a ser orientada para o estilo atual e, como era uma fase de mudanças, aproveitaram para alterar o nome do conjunto também, e Drottnar (traduzindo, Mestre e Rei – no caso, Jesus Cristo) foi uma escolha natural. E esta "fase de mudanças" parece ter vida longa, pois seus dois EPs vem com sonoridades bem distintas entre si, indo do Black Metal primitivo com muitas influências vikings, e seguindo a algo bem técnico, com violinos e outros elementos não tão usuais no Heavy Metal.

publicidade

Agora em 2006 o Drottnar enfim está liberando seu debut, "Welterwerk", com uma progressão nos arranjos que consegue impressionar. Categorizar este disco como sendo apenas Black Metal é simplificar demais sua música. Com vocalizações gritadas e uma seção instrumental muito técnica, as canções são repletas de mudanças de tempo precisas e totalmente insanas, mas estruturadas; flertam com o industrial e o Death Metal, usando velocidade e cadência de forma coerente e sempre visando o dinamismo. Até mesmo os efeitos sonoros que tendem a aumentar este caos são inseridos de forma inteligente, sejam lá suas cornetas, transmissão radiofônica ou cães.

publicidade

Conclusão: sua música é extrema, torcida e moderna, mas com tanta variedade entre os gêneros utilizados que culmina em algo bem diferente mesmo. "Welterwerk" tem tudo para agradar o público que não abre mão da música agressiva. Bom, quase tudo... A mensagem de suas letras poderá se tornar um empecilho para os radicais, mas azar o deles, pois o Drottnar provou ser uma banda totalmente Heavy Metal e cheia de grandes idéias. Mesmo com seu visual esquisitão de militar-meio-comunista-meio-psicótico. Um discão!

publicidade

Formação:
Sven-Erik Lind - voz
Karl Fredrik Lind - guitarra
Bengt Olsson - guitarra
Håvar Wormdahl - baixo
Glenn-David Lind - bateria

Drottnar – Welterwerk
(2006 / Endtime Productions - importado)

01. Ad Hoc Revolt
02. The Kakistocracy Catacombs
03. Autonomic Self-Schism
04. Niemand Geht Vorbei
05. Victor Comrade
06. Stardom In Darkness
07. Rullett
08. Destruction's Czar
09. Vulgo Vesper

publicidade

Homepage: www.drottnar.com




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Thin Lizzy, Metallica: A história de Whiskey in the JarThin Lizzy, Metallica
A história de "Whiskey in the Jar"

Megadeth: Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu GomesMegadeth
Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu Gomes


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin