Resenha - Chase The Dragon (Expanded Edition) - Magnum

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Werneck
Enviar Correções  

9


Depois de dois discos de estúdio e um ao vivo de grande sucesso, chegava o momento do Magnum voltar ao estúdio para gravar o seu terceiro disco. Gravado em 1980, o disco iria ser lançado porém somente em 1982 pela Jet Records, aumentando ainda mais a tensão entre banda e gravadora. A Sanctuary, que detém hoje em dia os direitos de grande parte da discografia do Magnum, lança agora uma versão do disco remasterizada e cheia de faixas bônus.

Legião Urbana: a versão de Renato Rocha sobre a sua saída

Slash: "Sweet Child" é a coisa mais gay que alguém poderia compor

Com a substituição (à altura, justiça seja feita!) do tecladista Richard Bailey por Mark Stanway, e com o produtor Jeff Glixman agora no comando, ele que havia produzido clássicos álbuns do Kansas, o Magnum entrou no renomado estúdio Townhouse em Londres para preparar seu terceiro trabalho de estúdio. Completando a formação, estavam ainda Bob Catley nos vocais, Tony Clarkin na guitarra, Kex Gorin na bateria, e Colin Lowe no baixo.

Muitos consideram este o disco mais emblemático da banda, e de fato algumas músicas fazem parte do repertório de seus shows até os dias atuais, como por exemplo "The Spirit" e "Sacred Hour". Ambas faixas fortes, de grande apelo ao vivo por combinarem melodias cativantes, vocais de grande efeito, e solos grandiosos. "The Spirit" é provavelmente o maior hit do grupo, por sinal. Já "Sacred Hour" fala justamente da experiência de se tocar ao vivo para um público ensandecido, e sobre como circunstancial é a fama.

Mas o disco não se limita a essas duas músicas. A faixa de abertura, "Soldier Of The Line", é nada menos que ótima, arrebatadora, criando um quase clima de "suspense musical" de grande efeito. "On The Edge Of The World" é outra forte composição, e por pouco não se tornou o título do disco, até por ter a ver com a belíssima ilustração da capa, feita pelo grande Rodney Matthews. "We All Play The Game" é uma agradável balada, "The Teacher", um rockão, e a última música, "The Lights Burned Out", uma música intensa e cheia de emoção, alternando vários climas, veículo ideal para Bob Catley mostrar porque é um dos mais inspirados vocalistas ingleses dos anos 80.

Mais as coisas não param por aí: há ainda 8 bonus tracks, simplesmente duplicando a duração do disco original. Entre elas está "Back To Earth", que não fazia parte do LP original, mas entrou num single lançado na mesma época, e em diversas turnês fez parte do setlist da banda. Versões ao vivo de "Soldier Of The Line", "Sacred Hour" e "The Spirit", tiradas de singles e mini-álbuns lançados em diferentes etapas da carreira da banda, mostram a força dessas composições no palco, e sua importância na história do grupo. Há ainda a versão original de "The Lights Burned Out", que fazia parte do disco "Archives", assim como a versão acústica de "Soldier Of The Line", que fazia parte do CD "Keeping The Nite Light Burning", e foram resgatadas para este relançamento.

O encarte é mais uma vez um item que agrega valor enormemente a este relançamento, apresentando a arte de Rodney Matthews em sua plenitude, assim como várias fotos da época do disco, imagens das capas dos singles e de pôsteres, e ainda uma entrevista com o guitarrista Tony Clarkin e as letras das músicas. Discoteca básica!

Tracklist:
1. Soldier Of The Line
2. On The Edge Of The World
3. The Spirit
4. Sacred Hour
5. Walking The Straight Line
6. We All Play The Game
7. The Teacher
8. The Lights Burned Out

Bonus Tracks:
9. Back To Earth (Single A-Side)
10. Hold Back Your Love (Single B-Side)
11. Soldier Of The Line (Live)
12. Sacred Hour (Live)
13. Long Days, Black Nights (Single B-Side)
14. The Lights Burned Out (Original Version)
15. The Spirit (Live)
16. Soldier Of The Line (Acoustic Version)

Site: www.sanctuaryrecords.co.uk/magnum_expanded/




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Legião Urbana: a versão de Renato Rocha sobre a sua saídaLegião Urbana
A versão de Renato Rocha sobre a sua saída

Slash: Sweet Child é a coisa mais gay que alguém poderia comporSlash
"Sweet Child" é a coisa mais gay que alguém poderia compor


Sobre Rodrigo Werneck

Carioca nascido em 1969, engenheiro por formação e empresário do ramo musical por opção, sendo sócio da D'Alegria Custom Made (www.dalegria.com). Foi co-editor da extinta revista Musical Box e atualmente é co-editor do site Just About Music (JAM), além de colaborar eventualmente com as revistas Rock Brigade e Poeira Zine (Brasil), Times! (Alemanha) e InRock (Rússia), além dos sites Whiplash! e Rock Progressivo Brasil (RPB). Webmaster dos sites oficiais do Uriah Heep e Ken Hensley, o que lhe garante um bocado de trabalho sem remuneração, mais a possibilidade de receber alguns CDs por mês e a certeza de receber toneladas de e-mails por dia.

Mais matérias de Rodrigo Werneck no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin