Resenha - Death On The Road - Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 9

Uma coisa é certa: o Iron Maiden pode lançar quantos álbuns ao vivo quiser (e, segundo Bruce Dickinson, isso não vai faltar, porque de agora em diante a banda pretende colocar no mercado um álbum e um DVD ao vivo para cada turnê) que nenhum deles conseguirá superar o clássico "Live After Death", gravado durante a inesquecível "World Slavery Tour", e que registrou para a eternidade aquela que para muitos é a melhor performance ao vivo da banda. Com isso em mente a tarefa de avaliar lançamentos como este "Death On The Road" fica bem mais simples.

Viking Metal: Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!Chris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morte

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Gravado em Dortmund, na Alemanha, em um show realizado no dia 24 de novembro de 2003, "Death On The Road" representa muito bem a grandiosidade que envolveu a turnê do último álbum da banda. O set list do CD é o mesmo que foi apresentado em toda a tour, com exceção de "Wrathchild", que passou a ser executada a partir do segundo show. Apesar de o Maiden vir tocando as mesmas músicas ano após ano, turnê após turnê, um show da Donzela não seria um show da Donzela sem clássicos como "The Trooper" (aqui em uma versão primorosa, de arrepiar), "Fear Of The Dark", "The Number Of The Beast", "Iron Maiden" e a espetacular "Hallowed Be Thy Name", e neste aspecto, apesar destas composições já estarem registradas em todos os álbuns ao vivo lançados pela banda desde que foram compostas, é interessante para o fã perceber as pequenas alterações e o caminho seguido pelas músicas com o passar dos anos. E a conclusão, como não poderia deixar de ser, é uma só: clássicos como estes não envelhecem, pelo contrário, ganham mais força ano após ano, com o grupo colocando toda a sua experiência em cada nota, resultando em performances empolgantes e nada burocráticas.

Já as canções de "Dance Of Death", com exceção da fraquinha "Wildest Dreams", ganharam muito com a participação do público, que dá um show a parte, principalmente em "No More Lies". Aliás, esta canção, que em sua versão de estúdio se mostrava repetitiva e longa demais, ao vivo ganha uma força inimaginável, com os fãs alemães participando ativamente, em um resultado que supera em muito a versão original. O clima épico de "Dance Of Death" e "Paschendale" fica ainda mais evidente com as introduções gravadas em estúdio por Bruce Dickinson, enquanto que "Rainmaker" mostra mais uma vez porque é uma das melhores faixas do último álbum da banda.

A versão acústica de "Journeyman" também surpreende, e é mais um dos motivos que faz "Death On The Road" valer a pena, seja pelo emocionante refrão cantado a plenos pulmões pelos fãs alemães, seja pelo ineditismo de ouvir o Maiden no formato acústico.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Can I Play With Madness" volta ao set list, e confesso que na minha opinião poderia ficar de fora. Se a questão era apenas incluir alguma coisa do álbum "Seventh Son Of A Seventh Son" que a trocassem por "The Evil That Men Do" ou pela maravilhosa "Infinite Dreams", esta última há muito tempo ausente dos shows do grupo.

A bela "Brave New World" mostra que veio para ficar, enquanto que "Lord Of The Flies", do álbum "The X Factor", acaba se transformando na grande surpresa do CD. Como em todas as músicas da era Blaze que reinterpretou ao vivo, Bruce Dickinson usa tons mais altos que os originais, e mostra pela milésima vez porque não só é o melhor vocalista para a banda, como um dos melhores de todos os tempos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Falar da performance dos músicos é retundante, uma vez que todos os membros já provaram do que são capazes, mas, mesmo assim, é impossível não perceber o quanto Nicko McBrain está tocando de forma mais técnica e agressiva, em um desempenho que consegue ir além do registrado em "Rock In Rio".

A produção, mais uma vez a cargo de Kevin Shirley, está excelente, com a mixagem realçando bastante a participação do público, o que soma muito às músicas.

Ao contrário de "Dance Of Death", que teve a sua capa muito criticada pelos fãs, em "Death On The Road" isto não deve acontecer. A ilustração traz um Eddie mais orgânico, seguindo o mesmo caminho dos últimos lançamentos do grupo, como as capas dos singles de "Dance Of Death" e do DVD "The Early Days". Além disso, o CD traz ainda um extenso encarte, com as datas e locais de todos os shows da turnê e belas fotos da banda no palco.

"Death On The Road" também será lançado em DVD (a data inicial do lançamento seria 19 de setembro, mas foi prorrogada por problemas técnicos na finalização do vídeo).

Você pode não gostar de Iron Maiden. Você pode acusar a banda de soar repetitiva. Mas uma coisa você não pode negar: o grupo possui um dos melhores shows do planeta, e este motivo já é mais do que suficiente para tornar "Death On The Road" obrigatório para qualquer fã de boa música.

Altamente recomendável.

CD 1

1. Wildest Dreams
2. Wrathchild
3. Can I Play With Madness
4. The Trooper
5. Dance Of Death
6. Rainmaker
7. Brave New World
8. Paschendale
9. Lord Of The Flies

CD 2

1. No More Lies
2. Hallowed Be Thy Name
3. Fear Of The Dark
4. Iron Maiden
5. Journeyman
6. The Number Of The Beast
7. Run To The Hills


Outras resenhas de Death On The Road - Iron Maiden

Resenha - Death On The Road - Iron Maiden Resenha - Death On The Road - Iron Maiden Resenha - Death On The Road - Iron Maiden Resenha - Death On the Road - Iron Maiden



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Iron Maiden"


Iron Maiden: Nicko McBrain revela qual a música mais difícil de tocarIron Maiden
Nicko McBrain revela qual a música mais difícil de tocar

Iron Maiden: fazendo questão de notar o amor dos brasileirosIron Maiden
Fazendo questão de notar o amor dos brasileiros


Viking Metal: Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!Viking Metal
Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!

Chris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morteChris Cornell
Relatório policial descreve últimas horas e morte


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280