Resenha - No Commercial Potential - Djam Karet

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos A. M. Cruz
Enviar correções  |  Ver Acessos


Embora na ativa desde meados dos anos oitenta, inclusive com material lançado em nosso país ainda na época do vinil, a banda americana DJAM KARET nunca foi conhecida fora do meio "progger", em virtude de fazerem um som nada convencional, e graças a esta sua característica "não comercial" obviamente angariaram fãs ardorosos mundo afora.

Dedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debateAnitta: "Eu era roqueira. Comecei no funk por destino."

E justamente para presentear estes fãs, a banda resolveu lançar de forma digital o "No Commercial Potential", trabalho editado somente em fita cassete no ano de 1985, agregando no pacote material registrado em 2002, durante as sessões que resultaram no "A Night For Baku", de 2003.

Nos dois CDs, apesar da diferença (óbvia) da qualidade de gravação, a proposta é exatamente a mesma: longuíssimas jams instrumentais, que se estendem quase infinitamente... sim, este não é um disco para todos, afinal são poucos os que teriam paciência para encarar faixas com quase meia hora de duração (vide os tempos mais abaixo) que demoram para "engrenar" - só para citar um caso, a primeiríssima delas, "Where's L. Ron??!!", possui uma introdução praticamente monocórdica de quase sete minutos e meio, só depois disto é que a coisa muda...

Dito assim, a impressão que se têm é que este seria um disco de "New Age", e dos mais sonolentos possíveis... não, nada disso! O que temos aqui são quase duas horas de improvisações, recheadas de climas diversos, mas calcados em uma espécie de mistura de "Ambient Music" com "Space Rock", onde os músicos exploram cada nuance de seu instrumento, com detalhes que somente uma audição extremamente acurada vai revelar.

Para citar um "medalhão" como referência, digamos que seria uma espécie de PINK FLOYD circa 1972 porém ainda mais climático e indo fundo na "viagem"... se achas que consegues "viajar" junto, bon voyage...

Faixas:
CD 1:
Where's L. Ron??!! (16:52)
Dwarf Toss (11:16)
Blue Fred (29:42)

CD 2:
The Building (20:03)
The Door (7:56)
The Window (27:22)

Total Time: 113:11

Formação:
(1º CD: sub-intitulado "No Commercial Potential"
Gayle Ellett - guitars, devices
Chuck Oken Jr. - drums, percussion
Henry J. Osborne - bass, fish
Mike Henderson - guitars, devices

(2º CD, sub-intitulado "... And Still Getting The Ladies")
Gayle Ellett - guitars, devices, voice
Chuck Oken Jr. - drums, percussion, synthesizers, voice
Henry J. Osborne - bass
Mike Henderson - guitars, devices, voice
Aaron Kenyon - bass, voice

Website:
Website oficial: www.djamkaret.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Djam Karet"


Dedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debateDedo x Palheta
Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debate

Anitta: Eu era roqueira. Comecei no funk por destino.Anitta
"Eu era roqueira. Comecei no funk por destino."

Guitarristas: os sete mais influentes de todos os temposGuitarristas
Os sete mais influentes de todos os tempos

Góticas: 10 grandes bandas do gênero na Inglaterra dos anos 80Góticas
10 grandes bandas do gênero na Inglaterra dos anos 80

Slash: por que ele usa óculos escuros o tempo todo?Slash
Por que ele usa óculos escuros o tempo todo?

Slipknot: banda sentiu que estava rachando em All Hope Is GoneSlipknot
Banda sentiu que estava "rachando" em All Hope Is Gone

Mike Bordin: Regravar partes de álbuns de Ozzy foi uma m*rdaMike Bordin
"Regravar partes de álbuns de Ozzy foi uma m*rda"


Sobre Marcos A. M. Cruz

Editor do Whiplash.Net.

Mais matérias de Marcos A. M. Cruz no Whiplash.Net.