RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas


Stamp

Resenha - Imaginations Through The Looking Glass - Blind Guardian

Por Carlos Eduardo Corrales
Postado em 20 de março de 2005

Matéria escrita para o site
DELFOS – www.delfos.art.br

Se tem uma qualidade na qual as bandas alemãs indiscutivelmente se sobressaem sobre a maior parte das outras – principalmente as escandinavas (leia resenha do show do Children of Bodom aqui e do Dimmu Borgir aqui) – é na qualidade de seus shows. É incrível como as bandas deste país têm a capacidade de fazer ótimos shows. De Primal Fear (leia aqui) a Gamma Ray e passando, é claro, pelo Blind Guardian, nunca presenciei um show de uma banda alemã que tenha sido ruim. Ok, talvez o do Helloween na época em que divulgava o escabroso The Dark Ride, mas aí a culpa foi mais do disco e das músicas escolhidas pela banda do que do show em si.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

Quem já teve oportunidade de assistir aos dois shows que o Blind Guardian fez em nossas terras deve se lembrar de quão bons são os nerds do Metal ao vivo, motivo mais do que suficiente para ser lançado um registro em vídeo de seus shows, coisa que já era exigida pelos fãs há tempos.

Musicalmente é um DVD perfeito. Qualidade de som e de performance de gente grande, inclusive nos corais e nas músicas mais complicadas como And Then There Was Silence. O setlist também deve ser o suficiente para levar os mais fanáticos a orgasmos múltiplos nunca antes imaginados, principalmente na segunda metade do show. Saca só: Time Stands Still, Bright Eyes, Lord of The Rings, The Bard’s Song, Imaginations From The Other Side, And The Story Ends, Mirror Mirror e muitas outras. Na verdade a única que senti falta durante o show (Into the Storm) está presente no DVD 2 como faixa bônus. Mas falamos disso depois.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

Ainda falando sobre as músicas, é notório de que o grande momento nos shows do Blind Guardian é a linda The Bard’s Song. Pois aqui no DVD, algo diferente acontece. Durante Valhalla, a banda pára de tocar para deixar a galera cantar o refrão, como sempre fez. Pois o público simplesmente não pára de cantar. Hansi chega a cortar a galera, apenas para vê-los recomeçar o coro. E não é só isso, várias músicas depois, eles começam a cantar o refrão da Valhalla DE NOVO. Chega a ser engraçado observar a reação da banda, que fica com uma tremenda cara de ponto de interrogação.

Elogios feitos, vamos às tradicionais críticas afinal, você está no DELFOS. Quem já viu o show deles, deve ter percebido, mas no DVD fica ainda mais evidente a falta de presença de palco de Hansi Kürsch. Não me entenda mal, o cara é um dos meus vocalistas e compositores preferidos, mas que ele parece não saber o que fazer com as mãos ou aproveitar o tamanho do palco é inegável. Chega a lembrar até um Ozzy Osbourne mais novo (por favor, fãs sem opinião própria, não venham me dizer que o Ozzy andando de um lado para o outro procurando o microfone é uma tremenda presença de palco).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

Outra crítica que tenho para fazer não se restringe apenas a esse DVD, mas a quase todos os DVDs de Metal que já assisti. Excetuando-se o Iron Maiden e seu Rock In Rio, é evidente que as bandas simplesmente não sabem aproveitar as qualidades técnicas do DVD, lançando produtos com qualidade de imagem abaixo da média (o que não é o caso aqui), mas que, principalmente, parecem terem sido feitos por uma equipe técnica amadora. Sabe aquelas edições que mostram o guitarrista base na hora do solo? Ou pior, que mostram só o vocalista? Esse é um tipo de erro que não pode acontecer. Tem coisa pior do que assistir um DVD que tem suas imagens constantemente mal enquadradas? Quer um exemplo? Em vários momentos a câmera mostra um dos guitarristas cortado pela metade enquanto em praticamente todo o plano nada mais existe. Outra coisa muito comum aqui é a imagem ficar fora de foco. Ora, qualquer um que já operou uma câmera de vídeo (ou mesmo de foto) sabe que a imagem sai de foco vez ou outra. Isso é normal e não tem nada de errado com isso, mas por que diabos deixar justamente a câmera que perdeu o foco no DVD se tinham muitas outras registrando o show? Isso é facilmente retirado na edição, o que demonstra um certo amadorismo do grupo contratado pelos alemães para cuidar da parte técnica do DVD e até mesmo da própria banda, que deveria ter solicitado a exclusão dessas imagens.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 4

Para terminar as críticas do disco 1 – no disco 2 tem mais – não posso deixar de comentar a desonestidade da caixinha, na qual diz que o disco 1 tem 140 minutos. Não se deixe enganar, meu amigo. A duração do show é de menos de 125 minutos. Ora, isso, além de desonesto, é um crime contra o código de defesa do consumidor. O problema é que ninguém reclama (além de mim e de mais uns gatos pingados) e daí o consumidor continua sendo tratado como palhaço pelas multimilionárias empresas (e não estou me referindo somente à gravadora, que fique bem claro, isso é um círculo vicioso). E ainda é simplesmente ridículo mentir nisso. Ou vai dizer que alguém que está lendo essa resenha deixaria de comprar o DVD se pegasse a caixinha e estivesse como duração apenas 120 minutos? Ora, é claro que não.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 5

Uma outra curiosidade do DVD é sua opção de legendas. Tudo que o Hansi fala com o público é em alemão e NÃO está legendado nem em inglês. Se você ligar as opções de legendas, a única diferença que fará no vídeo é que aparecerão os nomes das músicas, o que é bem legal. Porém, legendas em inglês para o que é falado em alemão seriam bem-vindas. E talvez uma opção que mostrasse as letras na tela também cairia bem (aliás, por que todo DVD não tem isso? É algo tão simples e tão legal).

Disco 1 comentado, vamos ao disco 2 que traz os extras. E ele já começa com mentiras, já que na caixinha está escrito que contém "Backstage Scenes of the A Night At The Opera Tour 2002". Não. Não existe nada nem remotamente semelhante a isso no disco. A não ser que esteja escondido e, nesse caso, não deveria estar listado na caixa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 6

O que realmente está presente nos extras é um Slideshow que mostra algumas fotos enquanto os falantes soltam Nightfall. Também conta com um Making of do Blind Guardian Festival (este legendado em inglês) que é bem chato. Isso se deve ao fato de que a banda optou, não por um documentário profissional com entrevistas e coisas do gênero, mas por filmagens amadoras feitas por câmeras de mão com comentários dos membros da banda por cima (em áudio apenas, e em alemão). A fórmula é mais ou menos aquela seguida no péssimo Infinite Visions do Stratovarius (pelo menos aqui o documentário é bônus, lá era a atração principal). O disco também traz uma entrevista com a banda, que também não é grande coisa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Mas o mais legal dos extras são mesmo as músicas bônus. E temos belas versões de Majesty, Into The Storm, Welcome To Dying e Lost In The Twilight Hall. A maior parte delas (as três últimas) está um pouco escura, mas são, sem dúvida a melhor parte do disco de extras.

Para terminar, vamos comentar a embalagem. Ela é simplesmente fenomenal, pelo menos na versão em que botei minhas mãos, que é proveniente dos EUA. É um digipack capa dura lindíssimo repleta de desenhos da mais alta qualidade abrangendo os tradicionais temas RPGísticos do Blind Guardian. Destaque para o ingresso que mostra como local do show Middle-Earth (Terra-Média para os que não falam inglês). E para um anão exatamente igual ao Gimli do filme Senhor dos Anéis.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |

Bom, se você chegou até aqui, você provavelmente quer saber se vale a pena comprar esse DVD. Sim, vale a pena, mas infelizmente não é tudo o que poderia ser. Um DVD trazendo um show completo do Blind Guardian é algo com potencial para estar em qualquer lista de melhores DVDs de Metal, já que, além da absurda qualidade técnica dos músicos, eles são uma banda grande e com potencial de investir em uma equipe técnica de primeira linha. Pena que, para este Imaginations Through The Looking Glass, eles preferiram economizar...

(Century Media – 2004)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outras resenhas de Imaginations Through The Looking Glass - Blind Guardian

Resenha - Imaginations Through the Looking Glass - Blind Guardian

Resenha - Imaginations Through the Looking Glass - Blind Guardian

Resenha - Imaginations Through The Looking Glass - Blind Guardian

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze 2024

Stratosphere Project: O eco estrondoso da Via-Láctea fundindo-se nas dimensões ocultas

Perc3ption: A arte em situações extremas

"Here Comes The Rain", último registro do Magnum com Tony Clarkin, é mais um bom registro

Resenha - Nebro - Vesperaseth

Sepultura: Em plena forma e com mais um disco brilhante

Deep Purple: Who Do We Think We Are é um álbum injustiçado?

Deep Purple: Stormbringer é um álbum injustiçado?

Megadeth: recuperando a fúria que faltava


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Carlos Eduardo Corrales

Carlos Eduardo Corrales é jornalista e fotógrafo há oito anos. É editor-chefe do Delfos - www.delfos.jor.br - o maior site nerd de jornalismo parcial reflexivo humorístico do mundo. Sua principal característica é não levar nada a sério, até mesmo quando fala sério. A única exceção, claro, são os ensinamentos do Deus Metal. Com esse ele não brinca, pois não quer que o Vento Preto venha tirar satisfação.
Mais matérias de Carlos Eduardo Corrales.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS