Resenha - An Elixir for Existence - Sirenia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sílvio Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7


Para quem ainda não sabe, o Sirenia é a resposta de Morten Veland aos seus ex-companheiros do Tristania, banda da qual foi chutado em 2001. An Elixir for Existence é o segundo trabalho do grupo, depois do aclamado At Sixies and Sevens, lançado em 2002 (mais ou menos na mesma época em que saia o apenas mediano World of Glass do Tristania).

Quatro filhos: rockabilly, pop rock, prog rock e hard rockPlanet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarra

Devido à enormidade de bandas surgidas nos últimos seis ou sete anos que praticam o tal do gothic metal com alternância de vocais masculinos guturais e vozes femininas angelicais, tem sido cada vez mais raro encontrar algum lançamento nesse estilo que não caia na vala comum da repetição enfadonha e se mostre verdadeiramente interessante. O Sirenia consegue se distanciar da maioria dessas bandas porque seu líder e compositor principal, Morten Veland, é um sujeito muito versátil e evitou cair na armadilha de apostar exclusivamente na imagem da vocalista Henriette Bordvik, como fazem os grupos de doom/gothic metal da atualidade. De qualquer modo, o Sirenia já havia se mostrado inovador e muito mais criativo que a média das bandas que aparecem com uma freqüência cada vez maior dentro deste mesmo estilo e, neste segundo álbum, parece ter alcançado o patamar de expoente do estilo.

É muito difícil soar diferente dentro de uma fórmula tão massificada. Algumas faixas impressionam pelo peso e pelos belos riffs de guitarra. Uma das coisas mais interessantes no Sirenia é que, mesmo quando há intervenções dos corais e a ocorrência de pares orquestradas, a banda não larga mão da velocidade e da distorção. Algumas músicas têm andamentos menos óbvios, contribuindo para tornar An Elixir for Existence ainda mais interessante. As letras também ajudam na hora de tornar o Sirenia menos derivativo em relação aos demais grupos da mesma linha. Em vez das habituais abstrações e lamentos, os versos de Morten Veland falam de coisas mais próximas da realidade, embora ainda carreguem aquela aura introspectiva que caracteriza composições do estilo. É o que acontece, por exemplo, em "Euphoria" ou "The Fall Within". Embora não fujam muito daquele esquema egocêntrico do gothic metal, pelo menos demonstram um pouco menos de autocomiseração e não cansam o ouvinte com lamentações entediantes. Resta-nos apenas aproveitar o excelente trabalho de Morten Veland e seus companheiros neste álbum e aguardar pelo lançamento de Sirenian Shores, previsto para outubro deste ano.

Site oficial: www.sirenia.no

Material cedido por:
Hellion Records - http://www.hellionrecords.com
Rua 24 de Maio, 62 - Lojas 280 / 282 / 308 - Centro.
São Paulo - SP - BRASIL
CEP: 01041-900
Tel: (11) 5083-2727 / 5083-9797 / 5539-7415
Fax: (11) 5549-0083
Email: hellion@uol.com.br


Outras resenhas de An Elixir for Existence - Sirenia

Resenha - An Elixir For Existence - SireniaResenha - An Elixir for Existence - Sirenia




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Sirenia"


Metalhead: as mulheres mais sexys do Heavy MetalMetalhead
As mulheres mais sexys do Heavy Metal

Symphonic Metal: As dez cantoras mais influentes e impressionantesSymphonic Metal
As dez cantoras mais influentes e impressionantes


Quatro filhos: rockabilly, pop rock, prog rock e hard rockQuatro filhos
Rockabilly, pop rock, prog rock e hard rock

Planet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarraPlanet Rock
As músicas com os melhores solos de guitarra


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336