Matérias Mais Lidas

imagemTico Santta Cruz sai em defesa de Juliette na polêmica com Samantha Schmutz

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemAdrian Smith e a volta ao Maiden: "queriam o Bruce e já tinham dois guitarristas"

imagemQuando Angus Young, do AC/DC, detonou o Led Zeppelin e os Rolling Stones

imagemPhil Campbell conta como era fácil "comprar" Lemmy pra fazer qualquer coisa

imagemOzzy achou que integrantes do Metallica estavam tirando uma com sua cara durante turnê

imagemMetallica divulga vídeo de "Whiskey In The Jar" ao vivo em Curitiba

imagemLes Claypool, do Primus, explica por que não se tornou baixista do Metallica

imagemClassic Rock lista 15 músicas do saudoso Chris Cornell que você precisa conhecer

imagemComo o Lollapalooza desmereceu Ozzy Osbourne e ele deu a volta por cima

imagemJonathan Davis, do Korn, explica qual seu problema com o Cristianismo

imagemVocalista do Gwar diz que integrantes do Maiden são "um bando de velhas britânicas"

imagemJames LaBrie explica como Elon Musk ajudou Dream Theater a vencer um Grammy

imagemRage Against The Machine vem ao Brasil em dezembro, diz José Noberto Flesch

imagemDiretor afirma que Ozzy e Sharon não liberaram imagens para documentário de Randy Rhoads


Stamp

Resenha - Lucifer Incestus - Belphegor

Por Sílvio Costa
Em 21/09/04

Nota: 8

Diferentemente do que vem acontecendo com outros estilos, onde pipocam clones e a criatividade anda em baixa, o black metal tem dado sucessivas mostras de que ainda está distante da saturação e pode se renovar sem perder a identidade. O Belphegor, um dos mais promissores grupos da "nova geração" do black metal, está lançando seu quarto trabalho, e prova que em matéria de música extrema, os limites ainda estão longe de serem atingidos e este Lúcifer Incestus é ainda mais brutal e extremo que os álbuns anteriores. Apesar da presença de inúmeros clichês do gênero, este não é "mais um disco de black metal", mas sim um trabalho que prima pela qualidade instrumental e pelo cuidado com todos os detalhes que envolvem a produção.

Não há o mínimo espaço para melodias cadenciadas, quebras de andamento ou coisas desse tipo. São nove faixas que representam o que de mais rápido, brutal e extremo pode acontecer em termos de black metal. Raríssimas são as passagens em que não se ouvem alguns dos mais velozes blast beats da história do metal extremo. Os vocais são desesperados, variando do gutural ao rasgado mais insano, e destilam versos singelos como esses: "hail mother Mary – perform fellatio/religious butt fucked bitch". Por aí dá para ter uma idéia do que esses austríacos são capazes.

Como não há espaço para descanso, a produção teve de trabalhar muito para deixar tudo em um nível de compreensão satisfatório. Alex Krull (Atrocity, Leave's Eyes) trabalhou muito bem na timbragem dos instrumentos, sem que isto significasse a perda da agressividade natural da banda. O resultado é um som polido e muito bem tocado, mas ao mesmo tempo veloz, brutal e anticomercial por excelência. O som triturador do Belphegor não se resume apenas à cozinha veloz e espancadora. Os riffs complexos criados pelas mentes distorcidas de Sigurd e Helmuth estão entre os melhores do estilo. Os solos à Slayer também estão presentes e os teclados são usados de modo discreto, porém eficientes. Dentro da proposta, o Belphegor conseguiu armar um álbum que soa moderno, mesmo sem a parafernália sinfônica utilizada pelos maiores expoentes do estilo atualmente. Os únicos momentos em que não predomina a podreira insana podem ser ouvidos em "Fukk the Blood of Christ", que alterna versos em alemão e inglês e tem algumas passagens mais lentas, quando comparadas ao restante do disco. Mas que fique bem claro que lentidão para o Belphegor pode significar explosão nos tímpanos menos preparados.

Sem dúvida, este disco tem tudo para ser um dos melhores do estilo neste ano. Se não bastasse a qualidade sonora, a parte gráfica é belíssima e, além disso, o CD traz ainda o vídeo clipe da faixa-título. Não tenha vergonha de ouvir esse disco com as luzes acesas, mas não deixe de ouvi-lo no volume máximo.

Banda:
Helmuth – Vocais, guitarra.
Sigurd – guitarra
Barth – baixo
Torturer – bateria

Hellion Records
Rua 24 de Maio, 62 Lojas 280/282/308.
São Paulo, SP 01041-900.
http://www.hellionrecords.com
[email protected]

Site: www.belphegor.at


Outras resenhas de Lucifer Incestus - Belphegor

Resenha - Lucifer Incestus - Belphegor

Resenha - Lucifer Incestus - Belphegor

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

imagemPrestes a vir ao Brasil Belphegor lança vídeo para "Totentanz - Dance Macabre"


Belphegor: "Dane-se a Igreja, precisamos de mais Metal!"

Belphegor: frontman quase morreu por doença do Brasil



Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa.