Resenha - Semblance Of Normality - Skyclad

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sílvio Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos


A melhor definição para o novo disco do Skyclad está no próprio título do álbum. Depois da apreensão gerada pela partida do vocalista Martin Walkier, a banda lança material inédito, agora com os vocais de Kevin Ridley. O substituto do vocalista e letrista dos mais inspirados do heavy metal é velho conhecido dos fãs da banda, tendo sido ele o responsável pela produção de todos os álbuns já lançados pelo Clad, sempre participando ativamente deles, até ser efetivado como guitarrista do grupo a partir de 1999. Outras mudanças são até mais perceptíveis diante das provocadas pela mudança no line-up. A arte do álbum desta vez não ficou a cargo de Duncan Storr. O trabalho da artista irlandesa Marie Wright surpreende pela simplicidade. A sonoridade mais heavy foi valorizada pela produção (aqui não há surpresas. O responsável foi, novamente, Kevin Ridley) e, de modo geral, pode-se dizer com segurança que o Skyclad acertou em cheio em A Semblance of Normality.

Black Metal: o lado mais negro da cena brasileiraMetallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV

Autênticas obras-primas em termos de peso, como é o caso de "A Survival Campaign" e "Ten Little Kingdoms", são fruto do excelente trabalho de Steve Ramsey e Kevin Ridley nas guitarras, que soam de modo jamais ouvido nos trabalhos anteriores do Skyclad. "Another drinking song", por outro lado, contrabalança as coisas, lembrando muito as canções acústicas de Oui Avant-Garde à Chance (1996).

O Skyclad não ficou imune aos atentados de 11 de setembro, mas, diferentemente do que fez a maioria das bandas, eles não apelaram para sentimentalismos ou para o maniqueísmo barato. "A Good Day to Bury Bad News", apesar de ser uma das músicas mais soturnas do disco, tem uma letra que mantém o humor. "NTRWB (Not the Roman Wall Blues)" chega a lembrar a fase boa do Metallica e a presença de um Hammond discretíssimo nesta mesma faixa dá um toque de classe que só o Skyclad parece conseguir sem soar pedante.

A presença da London Royal Philarmonic Orchestra em cinco das treze faixas significou um passo adiante em termos de acréscimo de influências e modernização do som da banda. Percebe-se de imediato que o Skyclad utilizou as orquestrações de modo inovador, escapando da armadilha de simplesmente acrescentar passagens orquestradas a sua música. A RPO acrescentou ainda mais peso nas faixas em que participa e deixou espaço ainda maior para os malabarismos de Georgina Biddle (Violino) e para a pegada heavy/bluesy de Steve Ramsey.

A Semblance of Normality é um bálsamo contra a apatia criativa que tem dominado o cenário nos últimos tempos. É bom ver o Skyclad de volta a ativa. De modo geral, A Semblance of Normality é ainda melhor que Folkémon (2000), principalmente por resgatar a essência metálica da banda, coisa que, aliás, vinha sendo feito desde antes da saída de Martin Walkier. Os fãs podem ficar sossegados e desfrutar um dos melhores discos destes malucos de Newcastle e forte concorrente a um dos melhores do ano. Mas para aqueles que, apesar de tudo, ainda sentirem falta dos vocais ensandecidos de Martin Walkier, em breve ele deve estar lançando material de sua nova banda, The Clan Destined.

Banda:
Kevin Ridley - Vocais, Guitarra
Steve Ramsey - Guitarra
Graeme English - Baixo
Georgina Biddle - Violino e Teclados
Aaron Walton - Bateria

http://www.skyclad.co.uk




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Skyclad"


Influências: Folk Metal e Música CeltaInfluências
Folk Metal e Música Celta


Black Metal: o lado mais negro da cena brasileiraBlack Metal
O lado mais negro da cena brasileira

Metallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TVMetallica
James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336