Resenha - Lemuria / Sirius B - Therion

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar Correções  

10


O que faria uma banda como o Therion lançar dois cd’s simultaneamente, com 21 músicas, praticamente um show completo, sabendo que a banda poderia muito bem lançar um cd simples obtendo o mesmo impacto? A resposta é: muito material... e material diversificado o suficiente para ser colocado em dois cd’s, que inicialmente serão lançados juntos, em formato "digipack", e depois passarão a ser vendidos separadamente. Seria mais uma extravagância de Christopher Johnsson e seus asseclas? Ou de fato a banda entrou numa onda criativa tão forte que não havia como evitar o duplo lançamento.

publicidade

Ouvindo "Lemuria" podemos concluir que o Therion em parte teve uma crise de saudosismo e voltou em parte ao seu passado death, antes de lançar o aclamado "Theli". "Typhon" é pura porradaria, com os elementos clássicos de sempre, mas com as guitarras em evidência total. Os vocais guturais se misturam perfeitamente ao lírico. O mesmo acontece em "Uthark Runa" (com sua levada super cadenciada) e na fantástica "Three Ships of Berik" (dividida em 2 partes: uma mais épica e outra mais agressiva, como se fosse uma batalha medieval... coisa que Joey De Mayo gostaria de ter composto). Há espaço para belas baladas (aonde os vocais líricos dão show) como "Lemuria" e "Feuer Overt re" e músicas mais agressivas como "Abraxas" (quase um heavy oitentista), além da primorosa "The Dreams of Swedenborg", que com sua levada complexa, se torna a melhor do cd. Ainda é o Therion de sempre, mas esse peso adicional com certeza surpreendeu.

publicidade

Já "Sirius B" é o Therion indo cada vez mais fundo na proposta inicial de retorno as origens, só que com maior e mais constante presença das orquestrações, mas mesmo assim ainda soando extremamente brutal. "Blood of Kings" e "Son of the Sun" (com uma pegada gótica) abrem o cd com peso e agressividade, com vocais rasgados e potentes alternados a vozes femininas suaves e tocantes. "The Khlysti Evangelist" mantém o nível, seguida pela melhor dos dois cd’s, "Dark Venus Persephone", aonde o Therion death e o Therion orquestrado se fundem num só na perfeição total. Outros grandes momentos podem ser encontrados nas duas partes da suíte "Koli Yuga" (peso e orquestração na medida certa") e na quase hard "Melek Taus", além das suaves "Call of Dugon" e "Sirius B" (aonde as orquestrações se sobressaem). Nitidamente um grande cd, trazendo o Therion de sempre, só que mais pesado. Falar que a banda é competente chega a ser redundante diante do que ouvimos nos dois cd’s.

publicidade

De fato os dois cd’s possuem esta característica em comum: são extremamente pesados, porém "Lemuria" deixa esse peso se sobressair, enquanto que "Sirius B" é mais ligado ao estilo tradicional do Therion. Dois grandes lançamentos, que não competem entre si, fazendo com que o ouvinte fique com uma dúvida cruel: "Qual vou comprar primeiro?".

Site Oficial: http://www.nuclearblast.de

publicidade

Material Cedido Por:
Nuclear Blast Brasil/Paradoxx Música
Http://www.nuclearblast.de
Http://www.paradoxx.com.br
São Paulo (SP)




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Therion: álbum adiado e novo clássicoTherion
álbum adiado e "novo clássico"

Therion: data do novo álbum é reveladaTherion
Data do novo álbum é revelada

Sacrificed: Live neste domingo com a vocalista/soprano Chiara Malvestiti, do Therion

Therion: Hellscore de Israel fará os coros em Leviathan


Versões originais: 10 músicas que foram tomadas emprestadasVersões originais
10 músicas que foram "tomadas" emprestadas

HailMetal.com: Os cinqüenta melhores álbuns de Death MetalHailMetal.com
Os cinqüenta melhores álbuns de Death Metal


Iron Maiden: o que os grandes músicos acham da banda?Iron Maiden
O que os grandes músicos acham da banda?

Sign of the horns: o sinal do DemônioSign of the horns
O sinal do Demônio


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin